Enquanto presidente da AGETOP negociava com Cachoeira, a GO 118 matava dezenas


Depois de apresentar dois atestados médicos para não depor na CPI do Cachoeira, o presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Rincón, suspeito de envolvimento com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, afirmou neste domingo (15) ao G1 que irá comparecer ao depoimento marcado para o dia 22 de agosto no Congresso. 

O integrante do governo de Goiás falará aos parlamentares após ser flagrado em escutas telefônicas da Polícia Federal (PF) conversando com o suspeito de comandar jogos ilegais no estado, preso durante a Operação Monte Carlo.

Ex-tesoureiro da campanha do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), em 2010, Rincón disse que, desta vez, comparecerá à CPI e, inclusive, abrirá mão de recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir um habeas corpus para ficar em silêncio. "Vou com a disposição de falar", assegurou o presidente da Agetop. ( Veja a matéria completa no G1)


Promotor de São Domingos não quis sentar à mesa com Rincon


Tinha razão o promotor de São Domingos de Goiás, Douglas Roberto de Magalhães Chegury, quando se recusou a sentar-se à mesa com os representantes da Agência Goiana de Transporte e Obras (Agetop).


A mesa era presidida pelo presidente da Agetop Jayme Rincon. Os promotores estavam pressionando os gestores da agência a resolveram a situação das rodovias do nordeste goiano.


Só a GO-118 já teria matado mais de 20 pessoas entre outubro de 2011 e fevereiro de 2012.


Os membros do Ministério Público queriam a decretação de estado de emergência ou calamidade pública.


Em abril, a revista Época diz que Jayme Rincon recebeu o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal, para resolver "algumas questões".


Leia o que está publicado na revista sobre as ligações do bicheiro com o governo de Goiás e em especial com a Agetop:


"Cachoeira também foi recebido por Jayme Rincón, presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), uma espécie de secretaria responsável pelas obras em Goiás.


Rincón foi um dos principais arrecadadores de dinheiro para a campanha eleitoral do governador Marconi Perillo (PSDB) em 2010.


Ele é citado no inquérito da PF como alguém que conversou sobre a venda de uma casa com o ex-vereador tucano Wladmir Garcez.


Segundo a Polícia Federal, Garcez é um dos principais assessores de Cachoeira. De acordo com Rincón, Cachoeira foi à Agetop acompanhado de Garcez e de um empresário do Tocantins.


Segundo a PF, Garcez servia de intermediário nas conversas entre Cachoeira e Perillo e ajudou o governador a vender uma casa num condomínio nobre de Goiânia. Cachoeira morava nessa casa quando foi preso pela PF.


Rincón disse a ÉPOCA que conhece Garcez, mas que jamais tratou sobre negociação de qualquer casa com ele.


Diante das crescentes denúncias envolvendo personagens da política de Goiás, Cachoeira começou a provocar baixas no governo goiano. Na terça-feira, Eliane Pinheiro, chefe de gabinete do governador Perillo, pediu para ser exonerada.


Dias antes, a revista época revelou que Eliane fora flagrada pela polícia em conversas com Cachoeira. Ela soube por Cachoeira que a PF iria à casa do prefeito de Águas Lindas, Geraldo Messias (PP), e o avisou. Diante do alerta, Messias fugiu".


Leia mais...


Promotor de São Domigos tinha razão

Promotor de São Domingo não senta à mesa com Agetop

Sardinha diz que asfaltamento começa em março

Buracos nas rodovia: pressão do Ministério Público

Promotor de Campos Belos disse que situação chegou ao limite do tolerável
Promotor disse que morre uma pessoa por semana nas estradas

Buracos continuarão até maio

Força Tarefa mostra novo perfil do MP

Forças políticas de Campos Belos marcam presença