terça-feira, 27 de março de 2012

Padre, prefeitos e vereadores foram assassinados na região da Chapada dos Veadeiros

Padre Rubens foi assassiando em Campos Belos em maio de 2010

Segundo informa o promotor de Justiça André Luís Ribeiro Duarte, titular em Campos Belos, nesta reunião de hoje com a Comissão de Direitos Humanos da Presidência da República serão relatados os vários casos de ofensas a direitos humanos ocorridos no Nordeste goiano nos últimos anos.

Exemplos são os assassinatos de dois prefeitos,  de Alto Paraíso de Goiás (em 2010) e de Monte Alegre de Goiás (1999), de um vereador em Campos Belos e do padre Rubens Gonçalves, da mesma cidade, crime ocorrido em 2010.

Outro problema que será apresentado à comissão é o dos assaltos a bancos que vêm atemorizando a região, em ações que têm sido denominadas de novo cangaço, por deixarem as cidades reféns das quadrilhas.

A ideia é mostrar aos integrantes da comissão a precariedade da segurança pública no Nordeste de Goiás, em busca de apoio nas demandas relacionadas a este assunto, salientou o promotor.


Assassinaram o padre da cidade 

O pároco da cidade foi brutalmente assassinado, por um homem armado de pistola e com um disparo a queima-roupa.

Uma discussão em torno do aluguel de um salão paroquial acabou na morte do padre Rubens de Almeida Gonçalves, de 35 anos.

O padre, morto com um tiro na cabeça, foi socorrido pelo avião do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que estava na cidade no momento do crime. O padre já chegou sem vida ao Hospital de Base de Brasília.


O homicídio aconteceu por volta das 9h. O padre estaria conversando com o suspeito do crime no salão paroquial da Igreja Nossa Senhora da Conceição.

 Leia mais...





Homens fortemente armados assaltam agência bancária em São Domingos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.