Promotor de Campos Belos disse que situação das rodovias chegou ao limite do tolerável


Promotor André Luis se indignou com a situação das rodovias


Para o promotor de Campos Belos André Luis Ribeiro Duarte, que liderou e articulou o encontro, a reunião foi como um grito de socorro. 

Para ele chegou-se ao limite do tolerável. Que não há mais jeito de sustentar a situação das rodovias do nordeste goiano.  

O promotor afirmou que as rodovias estão sucateadas e que os mínimos direitos dos cidadãos estão sendo negados. “Não é apenas o direito de ir e vir que esta sendo desrespeitado. 

Estamos com problemas seriíssimos na educação. Não tem como fazer o transporte escolar na zona rural, pois as estradas não são pavimentadas e não há manutenção. É caótica a situação”, disse o promotor, no meio da reunião, aos diretores da Agetop.

Ainda segundo Duarte, o Ministério Público cobra dos prefeitos e eles nada podem fazer. “Os ônibus quebram nas estradas e as crianças ficam o dia inteiro ao sol ou à chuva a espera de socorro”.  

Para o promotor está sendo agora preferível não levar as crianças  para a escola.

A mesma situação de desespero se vê na saúde pública. 

“A situação é mais grave. Toda viagem estraga uma ambulância, estoura um pneu e os pacientes, numa situação de vida ou morte, ficam  parados no meio da estrada. Sendo preciso um médico se deslocar até o local para fazer o procedimento de emergência”, se indignou o representante do  Ministério Público.

Ele disse também que a economia está integralmente sendo afetada. 

Para o promotor a situação das rodovias do nordeste goiano atinge também os proprietários rurais, que não têm como  escoar a produção. “Os empresários dos frigoríficos não estão mais buscando o gado.

A economia da região que é pequena e gira em torno da pecuária está praticamente estagnada”, afirmou.