domingo, 30 de outubro de 2011

UEG de Campos Belos abre a alma para receber Marina Colasanti


Por Larissa Beltrão*
O papel da literatura na sociedade contemporânea, aos poucos, está sendo repensado. 
E diante de tais reflexões, o escritor, enquanto artista, vem reafirmando sua condição de protagonista deste espetáculo de reinvenção da escrita. 
Através de sua (re) invenção, novos mundos são descobertos, novos universos vêm sendo desbravados.
Foi com prazer inestimável que a UEG, Universidade Estadual de Goiás, diante deste novo cenário literário, abriu as janelas, da alma, e da unidade universitária de Campos Belos para receber a ilustríssima escritora e artista plástica Marina Colasanti. 
A nossa unidade se preparou para, através das mãos desta grande contista, reescrever sua história, e re (descobrir) o lugar da leitura na sociedade contemporânea. 
Transformando, assim, uma realidade, ora tão dura, em um exímio conto de fadas.

Acreditamos, portanto, que na sociedade contemporânea a literatura é, por excelência, um objeto de transformação.  
Como bem postulou Antônio Cândido, em seu ensaio "O direito à literatura", a literatura deve ser vista como uma necessidade universal, um direito que deve ser garantido a todo e qualquer ser humano, sob pena de mutilação da alma. 
E que, nas palavras da própria Marina “A viagem verdadeira não é essa mais visível. 
É a outra, oculta por trás dela. É a viagem que, arrancando-me da categoria do real, me introduziu na categoria do imaginário. 
Vou mais além. É aquela que, arrancando-me do real, me introduziu no mais que real. O real é pequeno. O real pouco nos explica. 
O real nos angustia com suas lacunas. É no mais que real que encontramos o equilíbrio, o bem-estar. E o mais que real se situa no imaginário.”
Sabemos, pois, que o escritor, enquanto artista, tem uma responsabilidade social e é, exatamente em decorrência dessa responsabilidade, que acreditamos na contribuição da Marina para o despertar de nossos leitores. 
A presença da autora, tão ilustre no mundo literário, é um marco, não só para a cidade de Campos Belos, mas para toda região circunvizinha. 
Uma vez que, é inegável a grande contribuição de uma visita como esta, através da qual teremos oportunidade de ouvir a própria Marina falar sobre a função humanizadora da literatura em sua vida, primeiro enquanto leitora, pois só depois de ter sido arrebatada, para o fantástico mundo da leitura, é que pode transformar-se em escritora, seu segundo contato com o mundo literário.

A visita ocorreu em 19 de outubro, durante a I Semana de Letras e o I Seminário de Literatura Infanto-Juvenil – Homenagem à Marina Colasanti. 
No evento, contamos com o apoio irrestrito de toda comunidade, de todos os amantes da vasta produção literária de Marina Colasanti, bem como de todos que acreditam no grande poder transformação da literatura. 
Despedimo-nos felizes, pois tivemos a oportunidade de viajar pelo fantástico mundo da leitura, onde o real e o imaginário se misturam, com o intuito de criar um mundo bem melhor.

* Laríssa Cardoso Beltrão é Especialista em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira pela Faculdade do Noroeste de Minas (FINOM).
Professora de Língua Portuguesa do Curso de Letras da Universidade Estadual
de Goiás (UEG) / UnU de Campos Belos.

Um comentário:

  1. Larissa C. Beltrão11 de novembro de 2011 23:53

    Um grande passo foi dado. Que esse seja o primeiro de muitos outros. Um novo tempo... Campos Belos merece!!

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.

Bombeiros fazem cortejo para menino que morreu após ser atropelado por avó, em Niquelândia (GO)

Uma tragédia comoveu os habitantes do município de Niquelândia, a 300 quilômetros de Goiânia, na manhã do último sábado (15/12).  U...