domingo, 30 de outubro de 2011

UEG de Campos Belos abre a alma para receber Marina Colasanti


Por Larissa Beltrão*
O papel da literatura na sociedade contemporânea, aos poucos, está sendo repensado. 
E diante de tais reflexões, o escritor, enquanto artista, vem reafirmando sua condição de protagonista deste espetáculo de reinvenção da escrita. 
Através de sua (re) invenção, novos mundos são descobertos, novos universos vêm sendo desbravados.
Foi com prazer inestimável que a UEG, Universidade Estadual de Goiás, diante deste novo cenário literário, abriu as janelas, da alma, e da unidade universitária de Campos Belos para receber a ilustríssima escritora e artista plástica Marina Colasanti. 
A nossa unidade se preparou para, através das mãos desta grande contista, reescrever sua história, e re (descobrir) o lugar da leitura na sociedade contemporânea. 
Transformando, assim, uma realidade, ora tão dura, em um exímio conto de fadas.

Acreditamos, portanto, que na sociedade contemporânea a literatura é, por excelência, um objeto de transformação.  
Como bem postulou Antônio Cândido, em seu ensaio "O direito à literatura", a literatura deve ser vista como uma necessidade universal, um direito que deve ser garantido a todo e qualquer ser humano, sob pena de mutilação da alma. 
E que, nas palavras da própria Marina “A viagem verdadeira não é essa mais visível. 
É a outra, oculta por trás dela. É a viagem que, arrancando-me da categoria do real, me introduziu na categoria do imaginário. 
Vou mais além. É aquela que, arrancando-me do real, me introduziu no mais que real. O real é pequeno. O real pouco nos explica. 
O real nos angustia com suas lacunas. É no mais que real que encontramos o equilíbrio, o bem-estar. E o mais que real se situa no imaginário.”
Sabemos, pois, que o escritor, enquanto artista, tem uma responsabilidade social e é, exatamente em decorrência dessa responsabilidade, que acreditamos na contribuição da Marina para o despertar de nossos leitores. 
A presença da autora, tão ilustre no mundo literário, é um marco, não só para a cidade de Campos Belos, mas para toda região circunvizinha. 
Uma vez que, é inegável a grande contribuição de uma visita como esta, através da qual teremos oportunidade de ouvir a própria Marina falar sobre a função humanizadora da literatura em sua vida, primeiro enquanto leitora, pois só depois de ter sido arrebatada, para o fantástico mundo da leitura, é que pode transformar-se em escritora, seu segundo contato com o mundo literário.

A visita ocorreu em 19 de outubro, durante a I Semana de Letras e o I Seminário de Literatura Infanto-Juvenil – Homenagem à Marina Colasanti. 
No evento, contamos com o apoio irrestrito de toda comunidade, de todos os amantes da vasta produção literária de Marina Colasanti, bem como de todos que acreditam no grande poder transformação da literatura. 
Despedimo-nos felizes, pois tivemos a oportunidade de viajar pelo fantástico mundo da leitura, onde o real e o imaginário se misturam, com o intuito de criar um mundo bem melhor.

* Laríssa Cardoso Beltrão é Especialista em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira pela Faculdade do Noroeste de Minas (FINOM).
Professora de Língua Portuguesa do Curso de Letras da Universidade Estadual
de Goiás (UEG) / UnU de Campos Belos.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Alto Paraíso de Goiás: impunidade

"Navegando a esmo na internet, entrei nesse blog... Nossa, que saudade bateu desse sorrisão de Divaldo...

Ao mesmo tempo, uma grande tristeza não só de sua falta como homem público e amigo de todos nesta cidade, como também pela impunidade que permanece, como um mistério, pois não existe mais ninguém preso, as notícias de que uma justiça seja feita são vagas, o povo continua sem uma resposta...

A única certeza é que Divaldo não se encontra mais entre nós, infelizmente..."



Ministério Público denuncia assassino do prefeito de Alto Paraíso de Goiás





segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Aluno leva promotor e delegado para entrar no local do Enem em Campos Belos


Comentário deste blogueiro

A matéria abaixo descreve um típico abuso de autoridade. É verdade que o representante do Ministério Público fiscaliza o cumprimento da Lei. Também é verdade que o delegado de polícia age repressivamente após a ocorrência de um crime.


Perguntinha básica. Qual a ilegalidade da diretora da escola em barrar o aluno que esqueceu o documento com foto? Qual o crime cometido pela representante do MEC que ensejou a presença de um delegado de polícia? O edital é a lei do concurso.

No caso, o único que desrespeitou  a lei do concurso foi o aluno, que não levou o documento com foto e ainda chegou atrasado, com promotor e delegado a tiracolo.


O caso

Um estudante que não teria levado um documento de identificação com foto para um dos locais de prova do Enem, em Campos Belos (GO),  recorreu a um promotor e depois a um delegado e conseguiu fazer o exame na tarde deste sábado (22), depois do horário de fechamento dos portões.

Para o Ministério da Educação (MEC) houve abuso de poder; mas, para o delegado que acompanhou o rapaz até a sala de aula, tanto ele como o promotor tem livre acesso ao local e proibi-los de entrar na sala de aula implicaria no crime de desobediência.


Segundo o delegado de Campos Belos, Thiago Alexandre Martimiano da Silva, o problema começou quando um aluno, que ele afirma não saber o nome, esqueceu de levar um documento com foto, obrigatório para a liberação do acesso dos estudantes à sala de prova.

O aluno teria acionado o promotor da cidade, que também foi impedido de entrar pela diretora da escola.

Já na escola, o delegado explicou à diretora que o promotor público tem direito a livre acesso àquela escola, já que o papel do Ministério Público é o de investigar, dentre outras coisas, a educação pública.

“Eu como delegado estando numa investigação policial também tenho livre acesso aos locais”, afirma.

“A diretora entendeu que impedir a nossa entrada é cometer crime de desobediência”, diz.

O delegado destacou que na sala de aula foi feita um registro em ata para registrar que de fato de que o aluno estava sem o documento com foto e que duas testemunhas afirmaram no mesmo documento, que ele é um aluno do ensino médio matriculado na mesma unidade onde a prova estava sendo aplicada.

“Naquele momento, quisemos assegurar o direito de o aluno fazer a prova.

Na ata destacamos que a validade da prova deve ser decidida depois pela Justiça”, destaca Thiago Silva.

De acordo com o delegado não houve abuso de poder por parte dele ou do promotor, já que ambos têm livre acesso.

O delegado afirmou também que o promotor questionará legalmente a atitude da empresa organizadora do exame e da Secretaria de Educação pela tentativa de impedir os dois funcionários públicos de exercerem suas funções.

Abuso de autoridade

De acordo com a assessoria de imprensa Ministério da Educação (MEC) o órgão entrará com uma representação contra o promotor e o delegado de Campos Belos por abuso de autoridade.

A assessoria de imprensa do MEC destaca que ele não pode dar voz de prisão num concurso em edital.

Segundo o MEC, no edital do Enem consta a lista dos documentos válidos para a liberação dos alunos ao local da prova e que o candidato recebeu em casa ou buscou na internet o cartão de informação para saber aonde faria a prova.

Na versão da assessoria de imprensa do Ministério, inicialmente, o aluno chegou à escola dentro do prazo para fazer a prova, mas sem o documento válido ele foi orientado a voltar em casa para buscá-lo.

Quando retornou ao local do exame, por volta de 13h15, o portão estava fechado e o candidato já estava acompanhado do promotor.

Quando não conseguiu entrar para fazer a prova, saiu mais uma vez, e além do promotor, estava acompanhado do delegado da cidade.

Dessa vez, ele conseguiu entrar na sala de aula e fazer a prova, mesmo depois do horário estipulado em edital.


Texto de Versanna Carvalho, do G1.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Concurso da Justiça: Campos Belos abre processo seletivo para Assistente Administrativo

O Juiz da comarca de Campos Belos, Paulo Afonso de Amorim Filho, abriu processo seletivo para o cargo de Assistente Administrativo de magistrado.

Para participar, os interessados devem ser bacharéis em Direito e estarem aptos a elaborar minutas de despachos, decisões e sentenças.


O processo seletivo consistirá na análise de um processo criminal e um cível, em que o candidato deverá, ao final, proferir decisão/sentença.

Os concorrentes devem encaminhar seus currículos, especificando sua experiência profissional, para o endereço eletrônico comarcadecamposbelos@tjgo.jus.br .

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Começa hoje a 1ª Semana de Letras na UEG de Campos Belos


O Departamento de Letras da Unidade Universitária da UEG de Campos Belos realizará, entre os dias 17 e 22 de outubro, a I Semana de Letras: Tecendo Saberes e o I Seminário de Literatura Infanto-Juvenil, com homenagem à escritora Marina Colasanti, que marcará presença no evento.


De acordo com os organizadores, a Semana de Letras e o Seminário de Literatura são de grande relevância, visto que haverá a participação de pesquisadores de diversas universidades.

A abertura será feita pelo diretor da Unidade, professor mestre Rosolindo Neto de Souza Vila Real, que ministrará a palestra “A tecelagem da leitura na produção de saberes”.

Na sequência acontecerá uma mesa redonda com a participação da professora doutora Márcia Rejany Mendonça, que abordará o tema “Leitura e impressões de O leopardo é um animal delicado, de Marina Colasanti”; professora doutoranda Márcia Maria de Melo Araújo (UEG/UFG), que abordará o assunto “Humor e suspense em Sangue Fresco, de João Carlos Marinho”; e do professor doutorando Cacio José Ferreira (UNB), que falará sobre “Osman Lins e as revelações do percurso literário”.


No dia 19 de outubro, a homenageada, a escritora e artista plástica Marina Colasanti deve ministrar a palestra “A escrita de uma vida”.

Para os organizadores, o contato com uma autora de renome contribuirá significativamente para a imersão dos alunos da UEG e de outras instituições de ensino superior e das escolas da região no mundo literário.

Ainda comporão a mesa o professor mestre Adelino Machado (UEG), que apresentará seu romance Doce coração de mãe: a história de Francisca; e o professor doutorando Rosemar Coenga, da UNIVAG, que debaterá sobre “Literatura para crianças e jovens: por uma ampliação de leitores plenos”.


No encerramento do evento, a mesa redonda será composta pelo professor Rogério Emiliano, da UnB, que tem como questão de estudo “Identidade e ensino de língua”; e pela professora doutora Neuda Lago, da UFG - Jataí, que tratará sobre o objeto “Behind the curtain: afetividade e ensino de línguas estrangeiras”.

No mesmo dia, haverá a conferência de encerramento com o professor doutorando Antônio Egno do Carmo Gomes (UFT), que exporá o ponto “Leituras marcantes, sucesso dos autores”; e com a professora mestre Rosimeire Aparecida Rodrigues (UFT), que discutirá “O letrameto e o gênero midiático no âmbito educacional”.

A programação ainda conta com apresentações artísticas de alunos e performances da professora mestre Edna Miranda Santana (UEG) e professora doutoranda Adriana Demite Stephani Carvalho (UFT/UNB).

Ainda faz parte da programação oficinas, minicursos e comunicações que, segundo os organizadores, têm como objetivo oportunizar aos alunos uma práxis em que a produção de saberes norteie o ensino das línguas materna e estrangeira e de suas respectivas literaturas.

Os interessados em participar do evento têm até a próxima segunda-feira, 17, para efetuarem suas inscrições, que podem ser feitas na Coordenação do Curso de Letras.

Para obter maiores informações, basta ligar para (62) 3451-2100 ou (62) 3451-1049, ou enviar e-mail para francavg@hotmail.com.

sábado, 1 de outubro de 2011

Com apoio da comunidade, começam as obras do IML de Campos Belos



Começaram, em Campos Belos, as obras de terraplenagem na área que foi doada pelo governo estadual para a construção de uma circunscrição do Instituto Médico Legal (IML) que vai atender pelo menos sete municípios do Nordeste Goiano – o IML mais próximo fica distante cerca de 400 quilômetros, em Formosa. 

Além da informação concreta, que é o início da obra, o que chama a atenção no caso é, também, a forma com que tudo aconteceu: negociada fora do âmbito judicial, com atos voluntários e de responsabilidade social, além de doações.

A população dos municípios de Campos Belos, Monte Alegre de Goiás, Teresina de Goiás, Cavalcante, Divinópolis, São Domingos e Alto Paraíso, deverá ser beneficiada com a unidade que terá 800 metros quadrados de área construída.

Por interveniência dos promotores de Justiça de Campos Belos, André Luís Ribeiro Duarte e Douglas Roberto Ribeiro de Magalhães, de São Domingos, o terreno foi cedido pela Agência Estadual de Transporte e Obras (Agetop). 

Assim, o IML ficará ao lado da Delegacia de Polícia, no Setor Industrial de Campos Belos.

Articulados também com o juiz das duas cidades, Fernando Oliveira Samuel, e com formadores de opinião, empresários e outros membros da comunidade, os promotores conseguiram outras parcerias vitais para o início a obra. 

A terraplenagem, por exemplo, é uma ação voluntária, de responsabilidade social das empresas MBAC Fertilizer Corporation e Engefort Construtora.

Conforme o promotor André, o trabalho braçal virá de detentos do sistema prisional. 

Areia e pedras já foram doadas por outros segmentos da sociedade, cita ele. “Outra parte dos recursos será obtida dos termos circunstanciados de ocorrência (TCOs), cabendo a administração dos recursos ao Conselho de Segurança de Campos Belos”, informou o promotor.

Os entendimentos para melhorar o atendimento da polícia técnica na  região do Nordeste Goiano começaram no início de agosto.

 Diante da situação precária, advinda da falta de instalação do IML, que gera demora e amplia o sofrimento de milhares de familiares de mortos, os promotores procuraram a Superintendência da Polícia Técnico-Científica. 

A superintendente, Rejane da Silva Sena, se comprometeu então em implantar o IML englobando perícia criminal, além de identificação civil e criminal. A doação da área e o início da terraplenagem foram na sequência.

A criação de uma circunscrição do IML em Campos Belos é uma das metas prioritárias do plano estratégico de atuação conjunta das Promotorias da Região Nordeste, estabelecido pelos dois promotores, tendo em vista que a precariedade das perícias prejudica a apuração de crimes. 

(Texto: Marília Assunção – Assessoria de Comunicação Social do MP-GO Fotos: Promotoria de Campos Belos)