segunda-feira, 29 de agosto de 2011

UEG de Campos Belos inscreve para Semana Acadêmica


A UEG de Campos Belos abre hoje as inscrições para a 3ª Semana de Integração Acadêmica e Cultural, que vai ser realizada entre 12 e 16 de setembro.

Os interessados em participar devem se inscrever pessoalmente na unidade, que fica na Rua Rui Barbosa, no Setor Aeroporto, das 8 às 12 horas e das 13 às 22h10.

O evento tem como principal meta sintonizar a Universidade e a comunidade por meio de atividades acadêmicas como palestras, minicursos e oficinas.

A abertura vai ser feita pelo reitor da UEG, Luiz Antônio Arantes, que vai discutir as perspectivas da instituição, debatendo seus avanços e sua consolidação.

As inscrições podem ser feitas até 10 de setembro.




quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Educadores de Campos Belos participam de curso contra o bullyng


A Secretaria da Educação vai concluir a primeira etapa do curso de prevenção e enfrentamento ao bullyng, que envolveu nesse primeiro momento a participação de 267 profissionais da Educação das subsecretarias de Aparecida de Goiânia, Luziânia, Planaltina, Trindade e região metropolitana.

Esta fase chega ao término na próxima quarta-feira, dia 31, com a conclusão das 40 horas/aula presenciais e a distância.

A próxima etapa está prevista para setembro, onde serão atendidos 320 profissionais da educação vinculados às subsecretarias regionais de Goiatuba, Campos Belos, Formosa, Luziânia, Itumbiara, Goianésia, Planaltina e Silvânia.

O programa de combate e prevenção ao bullying teve início em abril deste ano com o objetivo de extinguir a violência no ambiente escolar.

Estão previstas ações de formação de professores, gestores escolares e servidores da rede estadual na identificação e combate de ações dessa natureza.

Até o momento, foram registradas 2.267 inscrições para o curso. Todas as escolas que registram interessados em se capacitar serão atendidas pela Secretaria.

A sequência de oferecimento do curso se dá por meio da demanda registrada e das regiões com maiores índices de violência.



segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Prefeito convida população para audiência pública sobre implantação de escola técnica


O Prefeito Municipal de Campos Belos, em Goiás, Neudivaldo Xavier de Oliveira Sardinha, participará, junto com a comunidade do município, de uma Audiência Pública, que debaterá a construção, implantação e instalação da Unidade do Instituto Federal (IF) Goiano de Educação, Ciência e Tecnologia na cidade.


A implantação da escola foi autorizada pelo Ministério de Educação e Cultura no último dia 16 de agosto.

A reunião vai ocorrer amanhã, 23 de agosto, no auditório Padre Rubens (CRAS), na Avenida das Indústrias, Setor Industrial (Próximo ao PETI), às 09:00 horas.

A Audiência contará com a presença Reitor do IF goiano, Professor José Donizete Borges e outras autoridades.

O comparecimento dos cidadãos de Campos Belos é imprescindível, pois a construção da escola técnica da cidade será um marco histórico na educação da região, especialmente na formação profissional dos jovens.

Cavalcante realiza VII Festival de Música Instrumental e Arte Popular


























Localizada a cerca de 300 km da Capital Federal, Cavalcante será palco da sétima edição do VII Festival de Música Instrumental e Arte Popular, nos dias 25, 26, 27 e 28 de agosto.


A diversidade da música instrumental serão exaltadas numa das mais tradicionais cidades de Goiás.

Shows, espetáculos, exposições, cinema e debates movimentam o município durante os quatro dias do Festival.

Passarão pelos palcos da praça central da cidade atrações locais e internacionais, além de artistas da Capital Federal, entre eles: Dança da Sussa dos Kalungas dos Vãos de Cavalcante, Catira, Duo Oswaldo Amorim & Paulo André Tavares, Marafreboi, Marcos Farias e banda, Renato Vasconcelos e banda, Marakamundi, a guitarrista Marlene Souza Lima; além da atração internacional dessa edição, o saxofonista norte-americano Mike Hamilton.

A Praça Diogo Telles Cavalcante será o cenário das apresentações musicais.

As mostras de cinema abrem o festival, no dia 25, com a exibição da Mostra Brasil Candango, na Praça da Bíblia, a partir das 19h30.

Um dos curtas a ser apresentado é “A Onda, Festa na Pororoca”. Com roteiro original de Adriano Barroso, o filme conta a história de uma festa que os bichos organizam no fundo do rio para esperar a passagem da Pororoca e o longa “Lula, o Filho do Povo”, que narra a história do ex-presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, e sua saga indo do interior do Brasil para a capital paulista.

Já no dia 27, sábado, o cinema itinerante do Instituto Latino América brindará a população do Vão do Engenho com a mesma programação.

A programação musical começa a todo vapor na sexta-feira, 26.

Na ocasião, abre a apresentação na cidade de Cavalcante um Cortejo Teatral, em seguida sobem aos palcos os grupos locais Lua de Cerrado, Trio Chapadeiros, Roda de Candeia, Oskaba e Forró do Parceiro.

No sábado, 27, o shows têm início às 18h com a Pequena Orquestra de Cavalcante.

Em seguida, Catira (19h), Marcos Farias e banda (19h50), Paulo André e Oswaldo Amorim (20h35), Renato Vasconcellos Quarteto (21h20) e Orquestra popular MarafreboI (22h05) dão a graça de suas apresentações em Cavalcante.

No último dia de evento, domingo, o destaque vai para a atração internacional do festival, Mike Hamilton e banda.

Os shows, da Pequena Orquestra de Cavalcante (18h), de Fernando Cobal Solo (18h30) Marlene Souza e banda (19h00 m), do Grupo Marakamundi (19h50m) Mike Hamilton e Banda (20h40) e da Dança da Sussa (21h30m), completam o VII Festival de Música Instrumental de Cavalcante e fecham a programação.

Uma das atrações mais tradicionais do Festival é a Pequena Orquestra de Cavalcante, criada pelo Maestro Rênio Quintas.

O grupo conta, ainda, com a contribuição valiosa do professor e Luthier Marció, na condução das oficinas musicais, oferecidas a 20 crianças da ONG Asol, durante 10 dias que antecedem o evento.

Desde a sua criação, em 2007, a Pequena Orquestra de Cavalcante participa das apresentações no festival, que neste ano acontecem nos dias 27 e 28 de agosto.

Destaque também às discussões de políticas públicas na área cultural na sétima edição do festival, que contarão com a presença de representantes da Agepel - Agência de Cultura de Goiás numa roda de prosa sobre Economia Criativa, além de enviados da Secretaria de Cultura do DF, que tratarão do formato de Sistemas Municipais, Estaduais e Federal de Cultura.

O Festival de Música Instrumental e Arte Popular de Cavalcante visa promover a cultura e a música instrumental, além de gerar emprego e renda na região através da Feira de Artesanato e Gastronomia - realizada em parceria com a Associação de Artesãos de Cavalcante, Sebrae e apoio da Prefeitura Municipal da cidade.

Em 2011, a Feira traz novidades, como gastronomia local, nacional e até internacional, além de roupas e objetos criados pela cadeia criativa do artesanato local.

Caráter histórico do Festival

Com 264 anos de existência, o município de Cavalcante (GO) detém a maior parte do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, situada na zona do cerrado, entre as montanhas e vales da região, a cerca de 300 quilômetros de Brasília.

Sua origem vem das comunidades indígenas e quilombolas que povoaram primeiramente a região e que permanecem até hoje.

Sob esta imagem, o Festival no município propõe um intenso intercâmbio cultural entre Brasília e Cavalcante, a fim de unir arte e meio ambiente como semente única de produção de idéias, além de estimular o turismo ecológico na região.

Sexta-feira (26/8)

Atrações/Grupos Locais: Cortejo Teatral, Lua de Cerrado, Trio Chapadeiros, Roda De Candeia, Oskaba, Forró do Parceiro

Sábado (27/8)

Atrações: Pequena Orquestra de Cavalcante (18h30), Catira (19h), Marcos Farias e banda (19h50), Paulo André e Oswaldo Amorim (20h35), Renato Vasconcellos Quarteto (21h20) e Orquestra popular Marafreboi (22h05)

Domingo(28/8)

Atrações: Pequena Orquestra de Cavalcante (18h), Marlene Souza e banda (18h30), Grupo Marakamundi (19h15), Mike Hamilton e banda (20h) e Dança da Sussa (20h45)

Ingressos: Entrada Franca

Segurança Pública garante instalação de IML em Campos Belos


A criação de uma Circunscrição Municipal da Polícia Técnico-Científica em Campos Belos. Este foi o resultado da visita feita nesta quarta-feira (17/8) pela superintendente da Polícia Técnica do Estado, Rejane da Silva Sena Barcelos, à comarca do Nordeste goiano.


Ela esteve reunida com os promotores Douglas Roberto Ribeiro de Magalhães, da Promotoria de Justiça de São Domingos; André Luís Ribeiro Duarte, de Campos Belos e Lorena Mendes Braga, de Alto Paraíso e Cavalcante, além do juiz de Campos Belos, Fernando Oliveira Samuel, e do delegado Tiago Alexandre Martiniano da Silva.

Também prestigiaram a assinatura do documento representantes dos sete municípios que serão atendidos pela unidade pericial, entre eles prefeitos, vereadores e secretários.

A criação do órgão, que será vinculado ao Núcleo Regional de Polícia Técnico-Científica de Formosa, foi oficializada pela Portaria nº 213/2011, da Secretaria Estadual da Segurança Pública e Justiça.

A unidade atenderá Campos Belos, Monte Alegre de Goiás, Teresina de Goiás, Cavalcante, Divinópolis, São Domingos e Alto Paraíso.

A construção, que será feita em módulos, utilizará recursos financeiros advindos da própria comunidade.

Segundo esclarecem os promotores, os municípios deverão fazer parcerias com a sociedade civil organizada, como empresas e organizações não governamentais.


Na próxima semana será criada uma comissão para coordenar a administração da obra, que ficará responsável por angariar os recursos e acompanhar a execução dos projetos.

Obras

As articulações para o desenvolvimento da obra já estão adiantadas.

O engenheiro civil Luiz Otino, representante regional da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), será o responsável técnico e fará o acompanhamento da construção.

O esboço da planta também foi apresentado pelo engenheiro. Na proposta, a unidade terá 800 m² de área construída.

O terreno em que será erguida a unidade será cedido pela Agetop, e está localizado ao lado da Delegacia de Polícia, na Avenida das Indústrias, Quadra 3, Setor Industrial.

Na carta de intenções assinada pela superintendente Rejane Sena é destacado que o órgão empenhará todos os esforços junto ao secretário de Segurança Pública e o governo do Estado para que a circunscrição seja realizada o mais breve possível, tendo em vista a necessidade e o interesse público.

Atuação do MP

No início deste mês, os promotores da região reuniram-se com a superintendente em Goiânia para cobrar uma solução para os diversos problemas ocasionados pela falta de uma unidade da polícia científica mais próxima à Região do Nordeste Goiano.

Atualmente o serviço pericial é feito pelo Núcleo Regional de Formosa.

De acordo com os promotores, pela distância entre as cidades e as deficiências do sistema, têm ocorrido problemas de toda natureza, em especial a demora na liberação dos corpos, o que ocasiona dor e sofrimento aos familiares das vítimas.

( Texto: Cristina Rosa / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO - fotos: Promotoria de Justiça de Campos Belos)



domingo, 14 de agosto de 2011

Jornal português: Golo de Laionel rebentou foguetes em Campos Belos


Por Gil Vicente (Jornal O Jogo, de Portugal)

Quem visita Campos Belos, em Goiás, por esta altura do ano até pode pensar que a cidade realiza alguma festa, mas não. 

Os foguetes que nos últimos dois anos têm rebentado por aquelas bandas em meados de Agosto foram os que Laionel disparou do lado de cá do Atlântico, mas que, graças à internet, têm originado enormes festejos na casa da família Ramalho. 

Na sexta-feira a história repetiu-se, fruto do espectacular golo apontado pelo avançado ao Benfica, a vítima preferida do agora atacante do Gil Vicente. 

"Ela não viu o jogo, mas falei com a minha mãe e ela disse-me que ficaram todos eufóricos por eu ter marcado", revelou o brasileiro a O JOGO.

A informação da exibição e do golo apontado por Laionel foi transmitida pelo tio, que acompanhou o encontro em directo pela internet, a única forma que vai tendo de acompanhar a carreira do elemento mais famoso da família. "Quando o jogo terminou falei com o meu tio Warmesson, que informou toda a família do que tinha feito. 

Disse-me que o golo tinha sido muito bonito e deu-me os parabéns", contou o atacante, satisfeito por ver que a Imprensa reconhecera a boa prestação contra o Benfica. 

Não se pense, contudo, que isso levou a que o dia de ontem tivesse sido muito diferente.

 "Não teve nada de mais, foi bastante tranquilo", garantiu, desvalorizando mais uma vez o incrível remate que bateu de forma inapelável Artur, apesar de a televisão o ter ajudado a perceber a sua espectacularidade. 

"Fico muito feliz por ter marcado. 

Foi um momento de oportunismo e espero continuar a marcar no futuro. 

No entanto, o importante é que a equipa consiga os seus objectivos", ressalvou.


Laionel marcou o 2-2 final do embate entre Gil Vicente, no arranque da primeira jornada da Liga.


O brasileiro, que na temporada assinou um grande golo pela Académica, também frente ao Benfica, que determinou o triunfo da Briosa, ficou radiante com a sua prestação em Barcelos e promete cada vez mais emprenho por parte da formação gilista. 

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Dinomar Miranda toma posse no Superior Tribunal Militar, como jornalista concursado



O Jornalista Dinomar Miranda, autor deste blog, tomou posse, no último dia 8 de agosto, no Superior Tribunal Militar (STM).

Ele assumiu o cargo de Analista Judiciário Federal, na especialidade Comunicação Social - Jornalista. 

A prova do concurso público que selecionou os novos servidores do STM ocorreu no dia 29 de janeiro de 2011. 

O resultado do concurso foi publicado no Diário Oficial da União no dia 6 de maio de 2011.

Centro de Seleção e Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe-UNB) foia banca examinadora responsável pelo certame, que ofereceu 160 vagas e cadastro de reserva para níveis médio e superior. 

Mais de 73 mil pessoas se inscreveram no certame, o que representou uma concorrência geral de 458 candidatos por chance oferecida.

Para a especialidade de comunicação social, inscreveram-se 1.521 pessoas, entre jornalistas, publicitários, e profissionais de Relações Públicas, para concorrerem pela quatro vagas oferecidas. 

Dinomar Miranda ficou na terceira posição, com 86,03 pontos ( 77 nas provas objetivas e 9,03 na redação). 

A segunda colocada somou 86,07 pontos e a primeira, 91,93 pontos. Todos Jornalistas. 

O jornalista Dinomar Miranda é oriundo de escola pública. 

Cursou o ensino fundamental e médio no Colégio Felismina Cardoso Batista e no Colégio Polivalente Professora Antusa, ambos em Campos Belos-GO.

Graduou-se em Jornalismo na Universidade Católica de Pernambuco, em Recife.

Os novos analistas judiciários de comunicação social terão a responsabilidade relacionadas ao planejamento, organização e execução de tarefas concernentes às atividades de elaboração, edição e divulgação das publicações oficiais da Justiça Militar e quaisquer outras atividades inerentes à área de atuação.





terça-feira, 9 de agosto de 2011

Campos Belos terá Instituto Médico Legal (IML)
















Em reunião realizada na sexta-feira (5/8), na sede da Superintendência da Polícia Técnico Científica, o Ministério Público de Goiás conseguiu avançar na articulação para a melhoria do atendimento da polícia técnica na Região do Nordeste Goiano.

Diante da situação precária advinda da falta de instalação do Instituto Médico Legal (IML), a Superintendência da Polícia Técnico-Científica garantiu que irá criar, até o dia 11 deste mês, a circunscrição de Campos Belos.

No entanto, a instalação fica na dependência da criação do espaço físico, a ser disponibilizado pelos municípios, em forma de consórcio público.

A criação desta unidade beneficiará os moradores das cidades de Campos Belos, Monte Alegre de Goiás, Teresina de Goiás, Cavalcante, Divinópolis e São Domingos.

Segundo ressaltou o promotor André Luís Ribeiro Duarte, da Promotoria de Justiça de Campos Belos, atualmente o serviço do IML para a região é feito pelo Núcleo Regional de Perícia Técnica de Formosa.

“Pela distância entre as cidades e as deficiências do sistema, têm ocorrido problemas de toda natureza, em especial, a demora na liberação dos corpos, o que ocasiona dor e sofrimento aos familiares das vítimas”, afirma o promotor.

André Luís observou ainda que a criação do IML é uma das metas prioritárias do plano estratégico de atuação conjunta das Promotorias da Região Nordeste, já que são encaminhados ao IML de Formosa vítimas dos municípios de Campos Belos, Monte Alegre de Goiás, Teresina de Goiás, Cavalcante, Divinópolis, São Domingos e Alto Paraíso.

Além disso, segundo acrescenta, esta é também uma reivindicação de toda a população.

A Superintendente da Polícia Técnico-Científica, Rejane da Silva Sena, explicou que a polícia técnica engloba o IML, a Perícia Criminal, Identificação Civil e Criminal, sendo imprescindível, além da instalação do núcleo policial, a disponibilização de profissionais qualificados (médicos e peritos), sob pena de comprometer a qualidade do serviço prestado à população. Sobre a criação da circunscrição de Campos Belos, ela garantiu que será feita por meio de portaria, baixada pela superintendência.

O promotor Douglas Roberto Ribeiro de Magalhães, da Promotoria de Justiça de São Domingos, registrou que a precariedade das perícias prejudica a apuração de crimes.

No entanto, o gerente de Núcleos Regionais da Polícia Técnico Científica, Oscar Martins de Oliveira, esclareceu que a situação noticiada não é exclusividade do nordeste goiano, mas, desde 2006 o Estado conhece a realidade da região e tem tentado investir na polícia técnica.

Reunião agendada

Ao final, ficou agendada uma reunião para o dia 17 de agosto, às 13 horas, na comarca de Campos Belos, em que será comunicada oficialmente a criação da circunscrição de Campos Belos.

Também será apresentado o projeto de construção padrão, hoje existente, e que ainda não foi adaptado como de construção modular.

Participaram ainda da reunião os promotores Haroldo Caetano e Lorena Mendes Braga; o secretário de Saúde de Campos Belos, Adriano Benevides Rocha; representantes do IML, além de um representante do deputado Mauro Rubem, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa.

(Texto: Cristina Rosa - fotos: João Sérgio / Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Como é importante ler sempre...



Poucos Amigos

Por J.R. Guzzo - Revista Veja


Numa dessas anotações que certamente contribuíram para lhe dar a reputação de grande fotógrafo da existência humana em sua época, Stendhal observou que a Igreja Católica aprendeu bem depressa que o seu pior inimigo eram os livros.

Não os reis, as guerras religiosas ou a competição com outras religiões; isso tudo podia atrapalhar, claro, mas o que realmente criava problemas sérios eram os livros.

Neles as pessoas ficavam sabendo de coisas que não sabiam, porque os padres não lhes contavam, e descobriam que podiam pensar por conta própria, em vez de aceitar que os padres pensassem por elas.

Abria-se para os indivíduos, nesse mesmo movimento, a possibilidade de discordar.

Para quem manda, não pode haver coisa pior - como ficou comprovado no caso da Igreja, que foi perdendo sua força material sobre países e povos, e no caso de rodas as ditaduras, de ontem, de hoje e de amanhã.

Stendhal estava falando, na sua França de 200 anos atrás, de algo que viria a evoluir, crescer e acabar recebendo o nome de "opinião pública".

Os livros, ou, mais exatamente, a possibilidade de reproduzir de forma ilimitada palavras e ideias foram a sua pedra fundamental.



A leitura de livros, ou de qualquer coisa escrita, não parece estar num bom momento no Brasil de hoje; a opinião pública também não.


Vive-se uma época em que a cada três meses é anunciada alguma "revolução" nisso ou naquilo, depois da qual o mundo nunca mais "será o mesmo" de antes.



Quando tais portentos envolvem áreas ligadas à comunicação, sempre se insiste, de um jeito ou de outro, em prever que a leitura está a caminho de se transformar num hábito do passado. 


Cada vez mais, no dia a dia, sua valorização posta de lado - ou "relativizada", como se diz. 




É comum, por exemplo, ouvir declarações lamentando que árvores sejam cortadas para produzir papel destinado à impressão; a única forma aceitável de leitura, para muita gente boa, deveria ser a tela de algum artefato digital. 



Empresas de grande renome não consideram uma virtude, no julgamento de seus executivos, o gosto pela leitura, a não ser que se trate de publicações profissionais. 



Não passa pela cabeça de nenhum recrutador perguntar a um candidato a emprego o que ele está lendo, por mais alto e bem pago que seja o posto a ser preenchido. 



É claramente desaconselhável ao funcionário, no ambiente de trabalho, deixar sobre a mesa qualquer livro que não seja diretamente ligado à sua atividade. 



Arrisca-se, caso contrário, a ser interrogado pelo chefe: "Por que você está lendo isso?". 



Nas novelas de televisão, que continuam sendo o principal entretenimento para milhões de brasileiros,jamais se vê um personagem lendo um livro. 



Discute-se com muito calor, no momento, quantos beijos entre pessoas do mesmo sexo podem ser dados num capítulo, ou se um casal gay pode aparecer tomando o café da manhã na cama; prega-se, ao longo da trama, todo tipo de causa, da defesa das geleiras à política de cotas raciais, da preservação dos mangues à condenação da gordura trans. 



O que não aparece, de jeito nenhum, é alguém lendo alguma coisa. 



O ato de ler também está banido da publicidade de consumo; há uma clara preferência, aí, por algo que se parece muito com um culto intensivo à boçalidade. 



Da atitude geral do governo diante da leitura, então, é melhor nem falar; registre-se, em todo caso, sua profunda satisfação em anunciar, sempre que é incomodado pelo noticiário de escândalos publicado na imprensa, que "o brasileiro não lê nada". 


Naturalmente, ninguém se coloca hoje como inimigo dos livros; mas é certo que muitos se beneficiam com o fato de que a leitura, nestes dias, tem poucos amigos na praça. 


Quanto menos se lê, menos ideias são mantidas em circulação. 



Quanto menos ideias, menos espaço sobra para a discordância, a procura de alternativas e a fiscalização dos atos do governo. 




O resultado, na prática, é uma indiferença generalizada em relação ao comportamento de quem governa. 



Não há muito a fazer quanto a isso. A opinião pública não tem nenhuma obrigação de pensar assim ou assado, muito menos de estar "certa" - ela é o que é, e parece perfeitamente inútil esperar que sinta o que não sente, ou que queira o que não quer. 



Essas realidades, entretanto, têm o seu preço. 



No caso do Brasil atual, o desinteresse pelo que acontece na vida pública é pago com a multiplicação, em ritmo cada vez mais rápido, de todo tipo de parasitas dedicados a prosperar com o dinheiro do Erário. 


É certo que eles não irão embora por sua livre e espontânea vontade.