quinta-feira, 30 de junho de 2011

Território Chapada dos Veadeiros realiza audiências públicas



Por Wandell Seixas


Uma série de audiências públicas transcorrerá na região de Veadeiros,  Nordeste de Goiás e a cerca de 200 quilômetros de Brasília.

O Programa Território da Cidadania tem como objetivo promover o desenvolvimento econômico e universalizar programas básicos de cidadania por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável.

A participação social e a integração de ações entre Governo Federal, Estados e Municípios são fundamentais para a construção dessa estratégia. 



Em 2008, Governo Federal lançou o Programa Territórios da Cidadania. Em fevereiro de 2009 foi constituído o Território da Cidadania Chapada dos Veadeiros.

O Território Chapada dos Veadeiros - GO abrange uma área de 21.475,60 Km², e, é composto por 8 municípios: Alto Paraíso de Goiás, Campos Belos, Cavalcante, Colinas do Sul, Monte Alegre de Goiás, Nova Roma, Teresina de Goiás e São João D’Aliança.

A população total do território é de 60.267 habitantes, dos quais 21.398 vivem na área rural, o que corresponde a 35,51% do total. 



Possui 3.347 agricultores familiares, 1.412 famílias assentadas, 06 comunidades quilombolas e 01 terra indígena. Seu IDH médio é 0,68.

Na próxima semana serão realizadas Audiências Públicas em cada município que compõe o território para motivação do poder público e sociedade civil quanto à importância do território com os seguintes temas: 



O território e sua importância para o desenvolvimento da região; A importância das Políticas Públicas: Programa Luz para Todos; PAA; PNAE; Aquicultura e Pesca e das Políticas Estaduais no desenvolvimento territorial.

As audiências terão a participação e apoio das instituições: MDA, SFAP/MPA; Conab; Furnas, Rede de Colegiado; EMATER e SEAGRO. 


A EMATER será representada pelo Gestor do Contrato de ATER/MDA no território, Engenheiro Agrônomo Robson Luís de Morais, pelo Gerente Regional Damásio Kennedy de Amorim e pelos técnicos da Região que estão contribuindo na mobilização dos participantes.

Programação das Audiências Públicas
Dia 04/07/2011 – São João D’Aliança das 09h às 12h;
Dia 04/07/2011 – Colinas do Sul das 18h às 21h;
Dia 05/07/2011 – Alto Paraíso das 09h às 12h;
Dia 05/07/2011 – Teresina de Goiás das 17h às 20h;
Dia 06/07/2011 – Cavalcante das 09h às 12h;
Dia 06/07/2011 – Monte Alegre de Goiás das 17h às 20h;
Dia 07/07/2011 – Campos Belos das 09h às 12h;
Dia 08/07/2011 – Nova Roma das 09h às 12h;
Dia 09/07/2011 – Câmara de Vereadores - São João D’Aliança, das 09 as 18 Plenária de
avaliação das audiências e Eleição do Núcleo Diretivo e Técnico do Território

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Escola integral: um pedido de socorro

Escola integral é solução 
Por Dinomar Miranda 

É inequívoco o crescimento social e econômico do Brasil nos últimos dez anos. 

Enfim, há uma maior divisão do bolo, como desejavam os velhos economistas. Uma divisão ainda injusta, é verdade, mas há uma melhor distribuição da renda. 

Entretanto, nosso país está se esbarrando numa necessidade das mais urgentes e inadiáveis: a melhoria na educação e instrução de seu povo, tanto em quantidade de horas-aulas, quanto em qualidade e eficiência. 

Em 1996, quando eu ainda morava em Recife e esperava a burocracia de um emplacamento de um automóvel no Dentran local, observava o corre-corre de dezenas de crianças de uma localidade vizinha à repartição. 

Eram crianças pobres de uma comunidade chamada de "favela do Detran".  Era quase dez horas da manhã, e aquela rua "coalhava" de crianças  no vai e vem da infância, driblando as valas de esgotos que serpenteavam as vielas.  

Todas ociosas  e a espera de uma oportunidade, seja ela do bem e do mal. 

A grande maioria tinham entre 6 e 10 anos. Cabeça fértil a espera de serem cultivadas e germinadas.

E infelizmente, a oportunidade que se apresentava não era nada interessante: pais ausentes, Estado falho, escola maltrapilha, bandidos exemplares, drogas, tráfico, roubos, assaltos, malandragem.... tudo que a “rua” pode oferecer.

Naquela hora, veio-me à cabeça o que se poderia fazer para "salvar" aquelas crianças do destino tão trágico que se desenhava. 

A única solução vislumbrada naquele instante era uma fórmula tão velha, mas inquietantemente, a mais eficiente: educação.

Só uma estrutura escolar, em regime integral, seria capaz de mudar o destino nada agradável estendido àqueles pequenos brasileiros. 

Cheguei a comentar, com a pessoa que me acompanhava, dos benefícios de uma escola integral.

Todas aquelas crianças teriam quatro refeições diárias; educação regular em um dos turnos e no seguinte atividades lúdicas, como esporte, lazer, cultura, música, teatro e mais do que isso, teria a oportunidade de conhecer um  mundo diferente daquele. 

Abateu-me a alma o pesar, que persegue-me até hoje, de não poder fazer nada, absolutamente ou quem sabe alguma coisa. Mas nada fiz.

Um pesar que continua a me atormentar e que passava em brancas nuvens na consciência ética de quem tinha a obrigação de desenhar  uma vida melhor para os pequeninos.

Quem  deveria pensar em educação integral, não achava a mesma coisa ou não tinha peito suficiente para implantá-la em todos os bairros e em todos os municípios do país. 

Quinze anos se passaram.

A pergunta óbvia não se cala. 

E aquelas dezenas de crianças eternizadas em minha memória? Como estão?   

Hoje são adultos, entre 20 e 25 anos. 

Quais os destinos de cada uma?

Não as conheci pessoalmente, mas arrisco-me a dizer que muitas delas estão hoje, senão a maioria, ocupadas no subemprego, envolvidas com o tráfico de drogas local ou hospedadas nos presídios do estado.  

Quanta diferença teria feito a escola integral na vida dessas crianças.    

Presidenta Dilma, salve nossas crianças. Implante o mais rápido possível a escola integral em todos os cantos deste país. 

Não é difícil.  

Dinheiro há de sobra. Invista hoje nos pequenos e diminua, no futuro, tanto sofrimento social.

Dizem que o Brasil é hoje o país do presente, a terra do pré-sal, celeiro do mundo. Mas do que adianta, se não é competente nem mesmo para instruir seus filhos.   

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Luz para todos chega aos municípios de Porangatu, Campos Belos e Monte Alegre

Governador e prefeitos lançam programa 


Com texto e foto da CELGpar


O governador Marconi Perillo e o vice-governador e presidente da Celg, José Eliton, assinaram no Norte e Nordeste do Estado ordens de serviços para construção de 614,8 quilômetros de redes de energia rural.

As obras são do Programa Luz Para Todos, que vai atender a 1.043 famílias carentes dos municípios de Porangatu, Novo Planalto, Campos Belos e Monte Alegre de Goiás.

O custo total das redes, incluindo compras de transformadores para cada residência, é de R$ 9 milhões e 387 mil. As ordens de serviço foram assinadas na tarde do último dia 17 de junho, sexta-feira.


Nos discursos em Porangatu e Campos Belos, Marconi Perillo destacou que ao final do governo dele todos os moradores dos 246 municípios goianos terão energia em suas casas.
 
O governador ressaltou o “grande trabalho” que José Eliton vem realizando como presidente da Celg e disse que a estatal de energia elétrica está sendo recuperada, tendo saído da mídia negativa já nos primeiros meses de seu governo.


Já o vice-governador e presidente da Celg, José Eliton, enfatizou que a prioridade do Luz Para Todos são os assentamentos rurais em todos os municípios.

O Programa Luz Para Todos, uma parceria do Governo Federal, Governo do Estado e Celg, foi reiniciado em abril pelo Nordeste goiano por se tratar da região mais carente do Estado.

A comitiva governamental foi recebida com festa em Porangatu, Campos Belos e Monte Alegre de Goiás.

Além do governador e vice, integraram o grupo também os deputados estaduais Iso Moreira-PSDB e Cláudio Meirelles-PR.

O governador Marconi Perillo cumpriu agenda até Campos Belos, ficando o comando da comitiva em Monte Alegre por conta do vice, José Eliton de Figuerêdo Júnior.


Prioridades

O governador Marconi Perillo disse, ao discursar para centenas de populares, que as regiões Nordeste, representada pelo vice-governador José Eliton, e Norte, “desprezadas pelo governo anterior”, são prioridade de seu governo, por ser elas as mais carentes.

Garantiu que o programa Rodovida, lançado há duas semanas, vai levar melhorias para todas as rodovias. “Todos conhecem as dificuldades financeiras em que vive o Estado, mas são testemunhas que estamos trabalhando diuturnamente para superá-las”, observou.


Comentários deste Blogueiro:

Como se pode ver na fotografia, os atos foram prestigiados. Em Campos Belos, por exemplo, estavam presentes o atual prefeito e mais dois ex-prefeitos: Ninha e Domingos Cardoso. Além de diversos outros prefeitos de municípios vizinhos.


A eletrificação rural é importante, pois vem suprir a necessidade mais básica do mundo moderno, que é a energia elétrica. É inadmissível ainda termos cidadãos, sejam urbanos ou rurais, sem acesso a esse bem tão precioso.

Mas as necessidades do nordeste goiano vão além do simples bico de luz.

Os goianos precisam de outros bens tão importantes quanto a luz. O principal deles o acesso a um ensino público de qualidade e a escolas voltadas para qualificação imediata, como as técnicas.

O velho ditado cai bem: “ mais do que dar o peixe, é necessário ensinar a pescar”

Agora, uma pergunta não quer calar. Será que o prefeito Sardinha e os demais mandatários municipais cobraram do governador sua intervenção imediata na reconstrução da rodovia GO-118?

É quase que insuportável o estado precário deste único e importante corredor rodoviário.

sábado, 18 de junho de 2011

Detentos de Campos Belos fazem cursos de artesanato



Os 37 detentos da unidade prisional de Campos Belos participam de cursos de bijuteria e crochê, realizados em parceria com a Secretaria Municipal de Ação Social. 


As aulas, ministradas por uma professora contratada pela prefeitura, serão realizadas até 1º de julho. 


As peças, produzidas em linha, miçangas e outros materiais, serão expostas em uma feira na cidade. 


Os recursos arrecadados serão revertidos para a compra da matéria-prima utilizada na confecção dos produtos e para os detentos.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Campos Belos recebe, nesta sexta-feira, o governador Marconi Perillo



O Governador de Goiás, Marconi Perillo e pelo vice-governador e presidente da Celg, José Eliton de Figuerêdo Júnior, estarão em Campos Belos nesta sexta-feira (17).


Perillo vai lançar o "novo" programa Luz Para Todos.

É uma parceria do Governo de Goiás, Celg e Governo Federal, que pretende beneficiar 1.043 famílias das regiões Norte e Nordeste do Estado.


O investimento é de R$ 9,4 milhões.

Vão ser beneficiados moradores rurais de Campos Belos, Monte Alegre de Goiás, Porangatu e Novo Planalto.

As ordens de serviços vão ser assinadas pelo governador Marconi Perillo e pelo vice-governador e presidente da Celg, José Eliton de Figuerêdo Júnior, em três dos quatro municípios contemplados: Porangatu, às 13 horas; Campos Belos, às 15 horas; e Monte Alegre, às 16 horas.

Estradas


Bem que o governador Marconi Perillo poderia dar uma voltinha pelas rodovias que cortam o nordeste goiano, principalmente a GO-118.


Uma sugestão.

Que percorra o pequeno percurso de 120 km entre Campos Belos e Teresina de Goiás. Assim, poderá ver in locun o sofrimento que passam os cidadãos que são obrigados a transitá-las diariamente.

Verá que a GO-118 não pede mais socorro, pois está morta há vários anos.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Escolha sua batalha!!!


Uma noite, um velho índio falou ao seu neto sobre o combate que acontece dentro das pessoas.
Ele disse:


- Há uma batalha entre dois lobos que vivem dentro de todos nós.


Um é Mau - É a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça, arrogância, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade, orgulho falso, superioridade e ego.


O outro é Bom - É alegria, fraternidade, paz, esperança, serenidade, humildade, bondade, benevolência, empatia, generosidade, verdade, compaixão e fé.


O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô:


- Qual lobo vence?


O velho índio respondeu:


- "Aquele que você alimenta!


PS.: autor desconhecido

Comentário de leitor: Prefeitura e Câmara de Vereadores aceitam de cabeça baixa o descaso de Goiânia


Tristeza no interior de Goiás: GO -118 jogada aos bichos 

Comentário de leitor à matéria "Governo de Goiás abandona Campos Belos"


"Moro em Brasilia e utilizo muito a estrada que liga Alto Paraiso a Palmas.

Percebo o descaso do Governador de Goiás com as rodovias do estado.

As condições da GO 118 fica ruim logo após a saída do Distrito Federal e vai piorando muito à medida em que mergulhamos no sertão Goiano em direção a divisa do estado com o Tocantins.

Como Campos Belos fica já quase na divisa do estado, neste ponto o asfalto já praticamente não existe.

Agora o Senhor Prefeito de Campos Belos, o caricato Sardinha, não deixa por menos a desdita do Senhor Governador, e me passa a impressão de ser um tremendo incompetente no que diz respeito à manutenção das vias da própria cidade, que fica muito aquém de ser considerada razoável.

De repente para combinar com a bizarra sombra daquilo que um dia foi uma rodovia, a GO 118.

Mas também fico me perguntando o que fazem os vereadores desta tão linda cidade que fecham os olhos e cruzam os braços para o descaso das autoridades com relação à manutenção da rodovia que é tão importante para o desenvolvimento e progresso desta cidade.

Bando de incompetentes: Prefeitura e Câmara de Vereadores, que aceitam de cabeça baixa o descaso de Goiânia".

Assina: CEF3 - Turma F


quinta-feira, 2 de junho de 2011

Luta dos consumidores surte efeito: preço de gasolina chega a R$ 2,46


Alívio para o bolso
Depois de diversos protestos, queda de popularidade do Governo e da Presidente, jogo de empurra entre usineiros e donos de postos, finalmente uma boa notícia.

O preço do combustível baixou.

Pelo menos no Distrito Federal e Entorno.

Os preços dos combustíveis seguem em queda desde meados de maio.

Nesta semana, boa parte dos postos fez novos ajustes nas bombas.

O litro da gasolina, que rompeu a barreira dos R$ 3 pela primeira vez na história em abril, custa atualmente entre R$ 2,46 e R$ 2,79, variação de R$ 0,33.

Quem abastecer nos estabelecimentos que cobram o valor mínimo pode economizar R$ 16,50 para encher um tanque de 50 litros.


Após oito aumentos em 2011, o litro do etanol também continua recuando e vale entre R$ 1,89 e R$ 1,98. Esses valores, no entanto, ainda não são suficientes para que o biocombustível volte a ser tecnicamente vantajoso, segundo especialistas.

Levando em conta o menor valor da gasolina cobrado no DF, o preço máximo para que o etanol valesse a pena deveria ser de R$ 1,72, o que corresponde a 70% do preço do derivado de petróleo.

Na cidade de Formosa, a 60 km de Brasília, o preço da gasolina foi vista por este blogueiro a R$ 2,81 e o preço no etanol a R$ 1,88.

Um baita de um presente. 

Com informações e foto do CorreioWeb

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Pallocigate: Dilma precisa exorcizar a Casa Civil

Ministro Palloci em nova encrenca
A presidente Dilma precisa, com urgência, contratar um pai de santo ou coisa parecida para poder tirar a mandinga que abate a Casa Civil da Presidência da República.

A "coisa" beira o Planalto há muito tempo.

O gato tomou forma com o mensaleiro José Dirceu, que explicou, explicou e nada justificou o valerioduto por onde sumia o dinheiro público.

Antes das eleições do ano passado, foi a vez da apadrinhada Erenice Guerra.

Ela foi mais ousada e colocou a parentela toda para tomar conta do galinheiro.

Explica-se, usou os filhos para o tráfico de influência.

Mal 2011 começou, já apareceu o Pallocigate.

O cabra somou 20 milhões de reais, em pouco mais de quatro anos, só em "consultorias" e "palestras".

Em uma delas, o consultor faturou R$ 1.000.000,00.

Pelos visto os autores do "Aurélio" terão que arranjar um outro sinônimo para a palavra tráfico de influência.

E o pior de tudo isso é que todos acham normal, inclusive a Presidente.

Palestrão ( da Folha On Line)

"O ministro Antônio Palocci (Casa Civil) relatou a senadores petistas ter recebido R$ 1 milhão em apenas um projeto de consultoria da empresa Projeto, em um processo de fusão.

Segundo o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), o ministro disse que os ganhos por projeto da Projeto poderiam chegar até R$ 2 milhões ou R$ 3 milhões se Palocci tivesse mantido a empresa ativa --antes de retornar ao primeiro escalão do governo como chefe da Casa Civil.

"Em um processo ele ganhou R$ 1 milhão, mas ele disse que os ganhos poderiam ser maiores com o tempo. Mas como se tornou ministro, fechou a empresa", disse Suplicy, confirmando o que havia dito em reportagem publicada hoje pelo jornal "O Estado de S. Paulo".