sexta-feira, 18 de março de 2011

O Brasil precisa de energia nuclear?


Por Dinomar Miranda


O mundo está assombrado com a ameaça nuclear irrompida no Japão, após o maremoto da semana passada.

Os japoneses estão entre os povos mais desenvolvidos do planeta  e estão sempre à frente quando se fala em domínio da tecnologia.

Mesmo assim, o país parece perdido e os cientistas e técnicos nucleares meio que atordoados com uma real situação de  um desastre nuclear, que poderá marcar o Japão por centenas de anos e talvez milhares de anos.

Uma semana depois das ondas gigantes, nenhuma notícia, até o presente momento,  é clara sobre o que realmente está acontecendo com as usinas nucleares daquele país.

Porque não se para os reatores nucleares? 

Para não faltar energia?  ou por que, uma vez iniciada, a fissão nuclear em cadeia não pode ser interrompida?  

Os técnicos japoneses falam a verdade?

Sobre o nosso  país, será mesmo que o Brasil está preparado para gerir suas usinas atômicas?  

E mais. O Brasil precisa de energia fornecida por uma fonte tão perigosa como a nuclear?

A resposta é relativamente simples.

Não.  O Brasil não precisa de energia nuclear.

Não. Nosso país não está preparado cientificamente para gerir  este tipo de usina.

A grande verdade é que o homem ainda tem pouco poder sobre os elementos atômicos.

Fontes de energias,  o Brasil tem aos montes: hidrelétrica,  que é a sua principal matriz, eólica, solar, de biocombustível, das marés. 

Porque a opção pela nuclear?

O preço de instalação pode varia e encarecer muito de uma matriz para a outra, mas é infinitamente mais barata, qualquer uma delas do que as conseqüências de um desastre nuclear.

O acidente no reator de Chernobyl (ex-URSS) é um grande exemplo.

Chernobyl contaminou radioativamente uma área de aproximadamente 150.000 km² (corresponde mais de três vezes o tamanho do estado do Rio de Janeiro), sendo que 4.300 km² possuem acesso interditado indefinidamente.

Até 180 quilômetros distantes do reator situam-se áreas com uma contaminação de mais de 1,5 milhões de Becquerel por km², o que as deixa inabitáveis por milhares de anos.

O Brasil possui hoje apenas duas usinas, Angra I e II,  e está construindo Angra III. 

A ambição é maior.  

Segundo o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, em entrevista nesta sexta-feira (18/03), o Brasil já definiu como prioritária a retomada do programa nuclear brasileiro e que deverá construir cerca de 50 a 60 usinas nucleares nos próximos 50 anos – com capacidade de geração de aproximadamente mil megawatts cada unidade.

As declarações do ministro foram dadas durante visita ao terreno onde será construída a Usina Angra 3, que deverá estar em operação, de acordo com a expectativa do ministério, em um prazo de cinco anos.

A unidade terá capacidade de gerar 1.405 megawatts de energia em sua potência plena. Para isto, ainda este mês, terá início a preparação do terreno onde será construído o canteiro de obras e o terreno onde será erguida a nova térmica.

Depois do exemplo de  falta de domínio dos japoneses  na gestão de suas usinas, está mais do que na hora de se discutir o papel da energia nuclear  no Brasil.  

Não apenas uma discussão entre técnicos e políticos, mas numa gigante mesa redonda em que possa participar todas as vozes da nossa sociedade.

A pergunta básica é: compensam os riscos se produzir energia nuclear no Brasil? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.

De Campos Belos (GO): Escolinha K10 mede forças com o Goiás e Atlético Goianiense

Por Morgana Tavares, A Escolinha de Futebol K10, presidida pelo ex-jogador de futebol profissional Kássio Fernandes, compareceu pe...