quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Wikileaks: Cyberguerra, em gotas





Por Sérgio Malbergier


Não é o conteúdo, mas a forma a grande novidade do WikiLeaks, a notória e obscura organização que vazou na rede mundial toneladas virtuais de documentos da diplomacia americana.

O episódio vai entrar para a história mais como um marco da emergente, opaca e assimétrica cyberguerra global do que pela rica coleção de obviedades e fofocas ultraqualificadas reveladas até agora.

Quem é o inimigo dos EUA neste caso? O esquisito Julian Assange, fundador do Wikileaks? Ou seus apoiadores? Quais apoiadores? Seria ele um testa de ferro? De quem?

Uma coisa sabemos: o ataque do Wikileaks contra os EUA mostra como mesmo o país mais poderoso do mundo pode sangrar diante de um inimigo minúsculo, mas incontrolável.

A prisão de Assange no Reino Unido por acusação de estupro na Suécia e o cerco aos sites que publicam suas gotas de informação não parecem capazes de estancar o vazamento. 

E há promessas/ameaças de que chumbo mais grosso vem por aí.

Rumores sobre a divulgação iminente de documentos comprometedores de um dos maiores bancos do mundo derrubaram suas ações na Bolsa de Nova York.

É uma guerra que de virtual não tem nada e que pode ser travada entre pessoas, empresas, organizações, países ou qualquer combinação desses atores.

Sites de pessoas e organizações que de alguma forma ajudaram no cerco ao WikiLeaks e na prisão de seu chefe sofrem agora cyberataques furiosos do que dizem ser hackers solidários.
E hackers podem ser de solitários cavaleiros da web a militares armados de super computadores.

Todos somos hackers. 

Pense na sua capacidade de acessar, armazenar e divulgar dados sobre terceiros. 

Ela é imensa. E não pára de crescer. 

O mundo real está cada vez mais convergente com o mundo digital.

Nossa dependência total da internet mostra como a rede mundial é o fenômeno mais importante no mundo hoje. 

Não pode haver nada mais poderoso do que conectar todas as pessoas do mundo ao mesmo tempo e sempre.

Mal começamos a sentir os efeitos desse novo "big bang". Para o bem e para o mal.
O WikiLeaks é só um aperitivo do que vem por aí. Prepare-se se puder.


Sérgio Malbergier é jornalista. Foi editor dos cadernos Dinheiro (2004-2010) e Mundo (2000-2004), correspondente em Londres (1994) e enviado especial da Folha a países como Iraque, Israel e Venezuela, entre outros. Dirigiu dois curta-metragens, "A Árvore" (1986) e "Carô no Inferno" (1987). Escreve para a Folha.com às quintas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.

Promotoria de Campos Belos e Programa Ser Natureza apoiaram Fica Itinerante

A Promotoria de Justiça de Campos Belos, por meio do Programa Ser natureza, em parceria com as Secretarias Estadual e Municipal de Ed...