sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Campos Belos: Novo Conselho Tutelar toma posse

Novos membros do Conselho Tutelar  e Prefeito de Campos Belos

O novo Conselho Tutelar do Município de Campos Belos, eleito em 22 de agosto passado, tomou posse.

Autoridades e membros da sociedade organizada, além de parentes e amigos dos eleitos, prestigiaram o evento.

O Prefeito Sardinha e a Secretária da Ação Social, Lucélia Oliveira, também estavam presentes no evento.

Reeleita como a conselheira mais bem votada, com 964 votos, Maria Aparecida Dias da Gama (Cida) diz que servir a comunidade através do Conselho Tutelar é gratificante, apesar das imensas dificuldades, tanto no ponto de vista da estrutura de trabalho quanto o baixo valor dos salários, principalmente nas pequenas cidades.

Segundo ela, os dramas vividos no dia a dia dão uma visão assustadora do quanto ainda se precisa fazer para proteger crianças e adolescentes das armadilhas geradas, as vezes pelos próprios parentes, no rumo das drogas, prostituição, pedofilia, abandono e agressões físicas.

Assim como a conselheira Cida, os novos conselheiros e suplentes, Gerson Serafim dos Santos, Welerson Rodrigues de Matos, Wendel Batista de Oliveira, Kérito Thiago Assunção Soares, Dirce de Oliveira Ferreira, José Manoel Batista, Simone Torres Pimentel de Souza, Edvaldo Nolasco da Rocha e Márcio Greique Caje de Carvalho passam a ser, nos próximos três anos, os “anjos protetores” das crianças e adolescentes do município de Campos Belos.

Kérito Thiago, que falou em nome dos eleitos, cobrou incisivamente ações da prefeitura, principalmente na maior movimentação do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente.

A primeira dama e Secretária da Ação Social, Lucélia Silvério dos Reis Oliveira, frisou a importância do trabalho dos conselheiros tanto na proteção das crianças e adolescentes, quanto na orientação dos familiares e conclamou a sociedade a apontar e auxiliar nas ações que impeçam o contato dos jovens com o mundo da prostituição e das drogas.

O prefeito Neudivaldo Sardinha afirmou que buscará meios para melhorar o salário dos conselheiros e também as condições de trabalho, além de assumir o compromisso de agilizar uma sede própria para o Conselho Tutelar do município.

Além da presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, Geminiana Cardoso Beltrão, prestigiaram o evento, entre outras personalidades, os vereadores Brasilino e Gilberto Brito(este representando o presidente da Câmara), a assessora do MP, Zoraima, secretária da educação, Odiva Xavier, e o tenente da PM, Leandro Ferreira Carvalho.

CONSELHOS TUTELARES PEDEM INVESTIMENTO

Pessoas que trabalham diretamente na proteção às crianças lamentam a falta de ferramentas para atuar com mais eficiência.

“Temos de oferecer estratégias para mapear e definir políticas públicas de enfrentamento.

Não existe uma política municipal de atendimento à criança e ao adolescente.

Atualmente, a maioria dos atendimentos é feito pela sociedade civil organizada, como instituições filantrópicas e organizações não-governamentais”, diz a presidente da Associação dos Conselheiros Tutelares do Estado de Goiás, Ana Lidia Fleury.

Ana Lídia acentua que uma ferramenta criada pelo governo federal, o Sistema de Informação para a Infância e Adolescência (Sipia), poderia auxiliar muito. “É preciso investimento.

A maioria dos conselhos tutelares está isolado. Não há como falar em proteção”, afirma Ana Lidia.

O investimento para integração no sistema seria relativamente pequeno.

O presidente do Conselho Estadual dos Conselhos Tutelares, Edson Lucas, explica que para Goiás integrar o Sipia é preciso apenas que cada município adquira um bom computador, com acesso à internet.

A ferramenta, segundo ele, está programada para gerar a estatística e integrar as ações. “É um banco de dados importantíssimo”, diz.

Conforme Edson Lucas, o sistema fornece uma resenha diária dos casos pendentes e estabelece prazos, o que obriga o conselheiro a trabalhar. “Ele facilitaria a fiscalização”, ressalta.

Ao integrar o Sipia, os seis conselhos tutelares existentes em Goiânia saberiam de imediato não só as denúncias formalizadas em cada um deles e e nos outros três de Aparecida de Goiânia, como nas unidades de todo o Brasil. “O sistema foi preparado dentro do princípio da proteção integral e da prioridade absoluta”, afirma Edson Lucas.

Na ausência de uma estatística confiável, o comportamento da sociedade civil ajuda a monitorar os casos de agressão. “É crescente o movimento para não calar a boca”, afirma Edson Lucas.

O caso do Berçário Bebê Feliz, no Parque das Laranjeiras, em que a diretora Maria do Carmo Serrano foi flagrada por câmera de vídeo maltratando crianças, pode ser considerado um exemplo da afirmação.

“Muitos educadores sabiam dos maustratos, mas não tinham coragem de fazer a denúncia, tanto pelo medo da exposição quanto da má interpretação”, lembra o presidente do Conselho Estadual dos Conselhos Tutelares.

Apartir da denúncia da educadora Ana Paula, outros funcionários da creche decidiram contar o que vinham assistindo rotineiramente na unidade.

Matéria publicada no Site o Vetor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.