sábado, 20 de novembro de 2010

Poesia: Negro Aroeira (Canto da Abolição)

Uma Poesia para uma cultura viva 
Por João Beltrão Filho

Sou madeira de dar em doido,
Sou cerne de aroeira...
Sou barranco, agüento o tranco,
Do balanço da peneira...

Sou como peão do trecho,
Sou seda, não sou molambo...
Sou negro, sou forte, sou bravo,
Conheço bem um quilombo...

Faço renda, faço arte,
Danço, jogo capoeira...
Sou de samba, sou de bola,
Sou cerne de aroeira...

Nas contas do meu rosário,
Eu exalto a minha fé...
Ao som do meu atabaque,
Negro joga “cangapé”...

Olho gordo não me ofende,
Curo cobreiro e quebranto...
Quando toco o meu berimbau,
Tristeza para longe espanto...

O negror da minha pele,
Não muda meu proceder...
Pois eu amo e sou amado,
Também tenho um bem-querer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.

Promotoria de Campos Belos e Programa Ser Natureza apoiaram Fica Itinerante

A Promotoria de Justiça de Campos Belos, por meio do Programa Ser natureza, em parceria com as Secretarias Estadual e Municipal de Ed...