quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Um avião pau-de-arara


Um pau-de-arara em ação

Já na reta final das eleições 2010, casos cabeludos começam a surgir.



Recentemente, uma conversa informal entre duas moradoras do DF chegou ao conhecimento deste blogueiro e revelou um conto eleitoreiro, moderno, mas nem tanto.


Uma eleitora de um estado do nordeste, inocentemente, soltou a seguinte história a uma de nossas fontes:


Certo governador, candidato a reeleição, fretou um avião da TAM para levar, de Brasília para a capital de seu estado, alguns dias antes do dia 3 de outubro, o maior número possível de conterrâneos .


A idéia do “passeio” veio a calhar. O avião lotou.


Um detalhe apenas: o viajante teria que ter em mãos o título eleitoral.


Na viagem, muita alegria, velhos conhecidos, felicidade em voltar para casa.


Bem, o avião baixou no destino, o viajante matou sua saudade, reviu seus entes, e claro, no domingo, depositou na urna o cobiçado voto.


Por azar do destino, o governador-candidato não conseguiu levar o pleito no primeiro turno.


Como o segundo turno era para mais de duas semanas, a “tropa” volta a Brasília em voo semelhante.


Desta vez, o governador e assessores também aproveitam a ponte aérea e veem juntos, para pedir as bênçãos ao presidente Lula.


Ao chegar ao espaço aéreo brasiliense, o avião pau-de- arara se depara com a fúria de São Pedro, numa grande tempestade.


A enorme turbulência deixa todos nervosos, até certo ponto em pânico, com uma pretensa queda.


Depois de muito medo e aperreio, o voo é desviado para Goiânia, onde ocorre o desembarque.


Ânimos retomados, governador e eleitores salvos, uma gaiata grita lá dos fundos.


“Governador, quase que o senhor não vai para o segundo turno!”


Constrangimento geral e risos amarelos.

A turma do "deixa disso" logo se apressou em desculpar a moça.

"Foi brincadeira de mau gosto, governador."

Sorrisos amarelos à parte, o avião pau-de-arara cumpriu a sua missão.

 
Será que a aventurosa viagem vai se repetir no segundo turno?


Algo lembrou aqueles velhos caminhões nordestinos, os paus-de-arara, que em tempos não muito distantes se dirigiam aos grandes sertões para transportar eleitores no dia da eleição.


Prática hoje banida pelo código eleitoral, com direito a perda do mandato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.

Promotoria de Campos Belos e Programa Ser Natureza apoiaram Fica Itinerante

A Promotoria de Justiça de Campos Belos, por meio do Programa Ser natureza, em parceria com as Secretarias Estadual e Municipal de Ed...