quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Um avião pau-de-arara


Um pau-de-arara em ação

Já na reta final das eleições 2010, casos cabeludos começam a surgir.



Recentemente, uma conversa informal entre duas moradoras do DF chegou ao conhecimento deste blogueiro e revelou um conto eleitoreiro, moderno, mas nem tanto.


Uma eleitora de um estado do nordeste, inocentemente, soltou a seguinte história a uma de nossas fontes:


Certo governador, candidato a reeleição, fretou um avião da TAM para levar, de Brasília para a capital de seu estado, alguns dias antes do dia 3 de outubro, o maior número possível de conterrâneos .


A idéia do “passeio” veio a calhar. O avião lotou.


Um detalhe apenas: o viajante teria que ter em mãos o título eleitoral.


Na viagem, muita alegria, velhos conhecidos, felicidade em voltar para casa.


Bem, o avião baixou no destino, o viajante matou sua saudade, reviu seus entes, e claro, no domingo, depositou na urna o cobiçado voto.


Por azar do destino, o governador-candidato não conseguiu levar o pleito no primeiro turno.


Como o segundo turno era para mais de duas semanas, a “tropa” volta a Brasília em voo semelhante.


Desta vez, o governador e assessores também aproveitam a ponte aérea e veem juntos, para pedir as bênçãos ao presidente Lula.


Ao chegar ao espaço aéreo brasiliense, o avião pau-de- arara se depara com a fúria de São Pedro, numa grande tempestade.


A enorme turbulência deixa todos nervosos, até certo ponto em pânico, com uma pretensa queda.


Depois de muito medo e aperreio, o voo é desviado para Goiânia, onde ocorre o desembarque.


Ânimos retomados, governador e eleitores salvos, uma gaiata grita lá dos fundos.


“Governador, quase que o senhor não vai para o segundo turno!”


Constrangimento geral e risos amarelos.

A turma do "deixa disso" logo se apressou em desculpar a moça.

"Foi brincadeira de mau gosto, governador."

Sorrisos amarelos à parte, o avião pau-de-arara cumpriu a sua missão.

 
Será que a aventurosa viagem vai se repetir no segundo turno?


Algo lembrou aqueles velhos caminhões nordestinos, os paus-de-arara, que em tempos não muito distantes se dirigiam aos grandes sertões para transportar eleitores no dia da eleição.


Prática hoje banida pelo código eleitoral, com direito a perda do mandato.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Jornalista Paulo Beringhs, da TV Brasil Central, se demite ao vivo após censura do Governador de Goiás

 Paulo Beringhs falou ao vivo de estar sendo censurado
O jornalista Paulo Beringhs, apresentador de um programa noticioso na TV Brasil Central -mantida pelo governo de Goiás- declarou que estava sendo censurado pelo governador Alcides Rodrigues (PP).

A declaração foi feita ao vivo, durante a transmissão do Jornal "Brasil Central", na noite de quarta-feira (20).


"Estamos sendo censurados. Estamos sob intervenção", disse o jornalista.

Beringhs se referia ao veto à entrevista com o senador e candidato ao governo de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) --adversário político de Rodrigues.

Perillo disputa o segundo turno com Iris Rezende (PMDB), que tem o apoio do governador e que não compareceu ao programa para a entrevista.

"Iris não veio, Marconi Perillo viria hoje [quinta-feira, dia 21], só que eu recebi ordens de não trazer Marconi Perillo ao programa", disse o jornalista no ar, durante o programa noticioso.



Ainda no programa, Beringhs também declarou que o grupo de Iris Rezende "tem tradição em censurar a imprensa", embora afirmasse que o jornalismo da TV Brasil Central tinha liberdade até então.

O jornalista ainda fez referências a Jorcelino Braga (PP), ex-secretário da Fazenda de Alcides Rodrigues e que atualmente integra o marketing da campanha de Rezende, sugerindo que ele teve participação na ordem de censurar a entrevista.


Beringhs também anunciou a presença de outro jornalista na bancada do programa e disse que ele estava lá para substituí-lo a partir do dia seguinte --o que é negado pelo colega.

"Você sabe exatamente o que aconteceu.  Garanta o seu emprego, que eu garanto minha dignidade", disse Beringhs.

Assista à demissão ao vivo

OUTRO LADO


O presidente da Agecom (Agência Goiana de Comunicação), Marcus Vinícius de Faria Felipe, que é responsável pela TV Brasil Central, do governo do Estado, nega que tenha havido censura.


Segundo ele, a entrevista com o candidato tucano não chegou a ser desmarcada, e não houve ordens para que fosse.


"Não há censura à participação de nenhum dos candidatos; o espaço está aberto", disse.

Ele afirmou que o Jornal Brasil Central já havia entrevistado Marconi Perillo na última quinta-feira (14).


Sobre as declarações de Beringhs, disse que "não sabe das razões" do apresentador para afirmar que houve censura. "Às vezes, acontece esse tipo de conflito.

Não é a primeira vez que um apresentador é intempestivo no ar. Não sei das razões do Paulo", afirmou Felipe.

O diretor ressaltou que a TV quer que o jornalista continue na emissora e que ele não foi demitido.

No telejornal de ontem, Beringhs afirmou: "Certamente, amanhã [hoje], já não estarei mais à frente deste programa".

Beringhs tem um contrato com a TV Brasil Central, em nome de sua empresa, para produzir o telejornal.

O contrato, que prevê que ele seja o apresentador do programa, não foi rompido, de acordo com Felipe. "A gente o reconhece como um bom profissional", afirma.

Segundo Felipe, se Beringhs se afastar da apresentação do telejornal, terá sido por iniciativa própria.


Com informações da Folha On Line

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Campos Belos solicita elevação da comarca ao TJGO. Sardinha participou da audiência

Paulo Teles, Presidente do TJGO
Sede do Tribunal de Justiça de Goiás



















O corregedor-geral de Justiça, desembargador Felipe Batista Cordeiro (conhecido na cidade como Dr.Felipe), participou de reunião com o presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), nesta quarta-feira (20/10), no salão da Presidência.

O objetivo foi solicitar a elevação da comarca de Campos Belos para entrância intermediária.

Participaram, ainda, da comitiva o desembargador Luiz Eduardo de Sousa; o prefeito de Campos Belos, Neudivaldo Xavier de Oliveira Sardinha; os deputados Vilmar Rocha (federal) e Iso Moreira (estadual), os juízes Wilson Faiad, Wilson Dias e Fernando Oliveira Samuel, que atua na comarca, o delegado Antônio Marcos Ferreira, representando os advogados de Campos Belos, o presidente da subsessão da OAB-Posse, Jucemar Bispo Alves e advogados da região.

Atualmente, a comarca possui cerca de seis mil processos em tramitação, e sofre com o crescente índice de criminalidade e tráfico de drogas.

Segundo o desembargador Felipe Batista, Campos Belos é a principal cidade do nordeste goiano, possui três agências bancárias e uma indústria de fosfato, e a cinco anos não possui juiz titular.

Prefeito de Campos Belos expõe  argumentos ao presidente do TJGO

O prefeito da cidade afirma que não há interesse dos juizes em permanecer na comarca.

Ele acredita que, com a elevação, o interesse dos magistrados será muito maior. "Será um incentivo para os juizes", disse.

Ele acrescenta ainda, que a cidade já está no nível de outras comarcas elevadas.


"Acredito que a solução está na elevação não só de Campos Belos, mas também de outras comarcas do Entorno", afirmou Paulo Teles.

Segundo ele, o juiz precisa de apoio, por isso a importância da elevação.

O desembargador-presidente afirmou que apresentará a proposta à Corte Especial do TJGO.

Teles frisa que o impasse será solucionado até o final de sua gestão. "Vamos buscar resolver o problema".

Este Blog criticou a falta de juízes da cidade: Em maio passado, nós criticamos o troca-troca de juízes na Comarca de Campos Belos e solicitamos providências ao TJGO e às autoridades municipais e estaduais.  Leia a matéria.

Com informações do TJGO.

Assassinato do prefeito de Alto Paraíso de Goiás: população pede justiça




Prefeito (e) foi assassinado no início de setembro
  
É recorrente e-mails de leitores a respeito das investigações sobre a morte do prefeito de Alto paraíso de Goiás. 

Um pedido é geral: justiça.  


Abaixo segue um dos e-mails que recebemos.


"Com certeza a morte do Divaldo teve motivação política.

Mas cadê o assassino? Porque ainda não foi preso?


O que a polícia está fazendo para que seja cumprido o mandato de prisão preventiva?

A população está revoltada com o descaso das autoridades.

O Secretário de Segurança pública, assim como o governador do Estado de Goiás não deram nenhuma manifestação de apoio.
Por quê?"


Divaldo William Rinco, 50, foi baleado em frente a um bar da cidade, no dia 1º de setembro.


Atingindo na barriga e na boca, Rinco, mesmo socorrido por policiais militares, morreu a caminho do Hospital Municipal Gumercindo Barbosa.







sábado, 16 de outubro de 2010

Sardinha e outros prefeitos tacham Governador de Goiás de traidor

Alcides Rodrigues (e) declarou apoio ao candidato Iris Resende (d)
Prefeito Sardinha e Alcides Rodrigues em
recente visita a Campos Belos
Segundo o Jornal Diário da Manha, de Goiânia, prefeitos do interior tacharam o Governador de Goiás, Alcides Rodrigues, de traidor. 

Em reunião realizada em Alto Paraíso ontem (15 Out), que contou com a presença do candidato a governador Marconi Perillo (PSDB), os prefeitos Odete Teixeira (PR), de Teresina de Goiás, e Neudivaldo Xavier, o Sardinha (PP), de Campos Belos, declararam-se indignados com o fato de o governador Alcides Rodrigues ter anunciado apoio ao candidato do PMDB, Iris Rezende. 


“Em respeito ao partido, aos poucos companheiros que ainda o acompanham, o governador Alcides Rodrigues deveria ter mantido uma posição de neutralidade neste segundo turno. 

Jamais poderia anunciar apoio aos nossos adversários históricos. 

Quando abri o jornal hoje e vi o 15 estampado na camisa do governador, fiquei envergonhado. 

Mas ele está sozinho nesse ato de traição. 

Aqui não tem traidor, aqui tem companheiros leais e fiéis que sempre souberam identificar nossos adversários”, declarou o prefeito de Campos Belos.


Odete Teixeira, prefeito de Teresina, seguiu na mesma linha. 

“Doeu quando vi o Alcides abraçado com o Iris. Pensei que já tinha visto de tudo na política. Mas essa do governador foi demais. 

Ele abraçado com aqueles que sempre o criticaram, que tentaram de tudo para derrotá-lo e que agora só se aproximam para tirar proveito político. 

Que trairagem! Mas o povo não aceita isso. Já fui procurado por muitos eleitores que ficaram indignados com isso e vão apoiar Marconi neste segundo turno. 

Demos ao Marconi 61% dos votos válidos. Agora vamos passar de 80%”, garantiu.


O prefeito de Colinas do Sul, Iran do Lago (PTdoB), também garantiu empenho para aumentar a votação de Marconi no município neste segundo turno. 

“Eu e nossos vereadores estamos unidos e determinados a dar uma vitória esmagadora para Marconi. 

O Nordeste só tem a ganhar com a eleição de Marconi e José Serra”, disse.


Também o prefeito de Água Fria, João de Deus (PPS), disse que Marconi terá sua votação ampliada no município. 


“No primeiro turno demos a Marconi 63% dos votos. Agora estamos sentindo que o apoio está crescendo, tanto para ele quanto para o Serra. 

Nosso povo dará uma boa resposta aos traidores” (também referindo-se à adesão de Alcides Rodrigues ao candidato do PMDB).
site statistics

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

'Le Monde', jornal francês, destaca força eleitoral de Marina Silva

Com um título que já diz tudo, A Promissora Derrota de Marina, o diário francês Le Monde destacou em sua edição de ontem a força eleitoral da candidata derrotada do PV, Marina Silva.

Seus 20 milhões de votos, diz o jornal, são a soma dos "verdes-verdes", dados pelos militantes da ecologia -, mais os "verdes-azuis", de "católicos e evangélicos que dividem seus valores cristãos com a candidata" - e por fim dos "verdes-vermelhos", os "jovens urbanos em busca de uma utopia e decepcionados com o lulismo".


O jornal tenta traçar os próximos passos da candidata dizendo que ela, valorizada por "sua promissora derrota", quer agora "retornar à sociedade, mostrar um novo caminho, militar por uma reforma do sistema político".

No curto prazo, ela vai "pressionar os outros dois candidatos (Dilma e Serra) a tornar verdes seus discursos" - referência ao pacote de exigências que ela apresentou ao PT e ao PSDB para que tenham seu apoio no segundo turno.

Essas tarefas aparecem entremeadas de elogios à postura política e pessoal de Marina. Le Monde destaca "sua integridade, sua retidão moral e sua coerência política".

Diz que ela "fustiga o nepotismo, o toma-lá-dá-cá, os hábitos da velha política".

E arremata: "Com sua voz doce e calma, fiel a seus princípios, ela encarna uma estilo político onde a autoridade dos argumentos substitui os argumentos da autoridade.

"Tenacidade". O autor do texto, Jean-Pierre Langellier, repete a história de pobreza e dificuldades vivida por Marina desde sua infância.

Diz que sua carreira foi forjada "com coragem, inteligência e tenacidade", e talvez "ainda com maior mérito do que o de Lula, pois ela é mulher e negra".

Define-a, em seguida, como uma "personalidade diferenciada, politicamente progressista e socialmente conservadora", esclarecendo aos leitores franceses que, sendo ela "cristã fervorosa", gostaria de ver "ensinar o criacionismo nas escolas particulares, lado a lado com a teoria da evolução das espécies".

Com certa ironia, o jornal conclui o artigo com uma ligação entre Dilma e Marina, dizendo que o presidente Lula recupera (a imagem de) sua rival, recorrendo a uma matemática implacável: "Se juntarmos os votos das duas, se percebe que 67% dos brasileiros querem uma mulher na Presidência."

Fonte: Estadão

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Revivendo Kaoma para aliviar o feriadão


Viajando hoje pelo mundo virtual, deparei-me com uma das mais contagiantes bandas dos anos 90:  Kaoma

A lambada e seu ritmo frenético, mais latino que brasileiro, arrematou uma multidão de fans.

Caliente e envolvente, apesar de quase 20 anos depois, ainda emociona e mexe.

Observando os posts recentes nos vídeos, há mais estrangeiros do que brasileiros que ainda se apaixonam pelo envolver da música e da sensualidade.

Mate a saudade!!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Partido Verde intenta negociata, mas esquece que votos de Marina não são de cabresto
















As urnas demonstraram, nas eleições do início do mês,  que o cidadão brasileiro não quis dar um cheque em branco a nenhum dos candidatos, principalmente a Dilma Roussef, afilhada do Presidente Lula.

Marina foi a grande surpresa, votada por quase 20 milhões de eleitores, tornando-se uma espécie de 3ª via.

Bem, findadas as eleições e caracterizado o agigantamento de  Marina Silva, uma correria logo se notou.

O Partido Verde (PV), legenda de Marina, cresceu os olhos com a grande quantidade de votos e passou, de imediato, a usar a mesma fórmula de partidos grandes, como o PMDB: barganha e fisiologismo político.

O PV esqueceu apenas de uma coisa: os votos que sua candidata recebeu nas urnas não foram do partido, mas da presidenciável.

O clima político diz que não há espaço para negociatas. Os votos de Marina, está bem claro, não foram de cabresto.

Pelo contrário, foram de pessoas cansadas do fisiologismo, dos mensalões, do estrategismo condenado do tráfico de influência, entranhados na alma de todos os partidos do país.

Os votos de Marina, com pouca exceções,  foram de eleitores politizados e sintonizados na saúde política do Estado Brasileiro.

Mesmo que Marina declare abertamente apoio em um ou outro candidato, os seus 20 milhões de votos não  a seguirão. 

É bom o Partido Verde se recolher ao seu lugar, pois não tem autoridade para fazer negociatas com os votos de eleitores politizados.  

Haiti: retratos de um povo (2)


Estas fotos foram feitas em 2006.
A intenção era mostrar rostos por traz do nome Haiti.

Não há necessidade de legendas para explicar este povo. 
Havia muita vida estampada em cada click.
Porém, o destino de todas elas é incerto.

É possível que boa parte dessas pessoas  estejam mortas,
vítimas do grande terremoto que arrasou o país no início deste ano.
Fotos: Dinomar Miranda

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Haiti: retratos de um povo (1)

Estas fotos foram feitas em 2006.
A intenção era mostrar rostos por traz do nome Haiti.

Não há necessidade de legendas para explicar este povo. 
Havia muita vida estampada em cada click.
Porém, o destino de todas elas é incerto.
É possível que boa parte dessas pessoas  estejam mortas,
vítimas do grande terremoto que arrasou o país no início deste ano.
Fotos: Dinomar Miranda



quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Por quê Campos Belos não votou em Marina Silva?





















O resultado das eleições, do último dia 3 de outubro, revelou que Marina Silva não angariou a simpatia do eleitor do município de Campos Belos, em Goiás.


A candidata do Partido Verde, diferentemente do restante do país, não obteve a expressiva votação na cidade.


Ela foi lembrada por apenas 949 eleitores, ou seja, 10,05% dos votos válidos.


A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, ganhou o pleito, com 58,09 % dos votos (5.484) e o segundo colocado foi o candidato do PSDB, José Serra, com 31,38% dos votos válidos (2.962).


Mas, quais os motivos que levaram os cidadãos da cidade a polarizarem a eleição entre Dilma e Serra?


Por quê não deram ouvidos às propostas de Marina Silva?


Há explicações.


Em um levantamento feito por especialista em política, identificou-se que os votos de Marina estão nas grandes cidades.


Quanto maior a população, maior a proporção de votos dados à candidata do Partido Verde.


Marina concentrou 54,5% dos seus votos nos 80 maiores colégios eleitorais, em cidades com mais de 200 mil eleitores.


Exatos 27,7% dos seus votantes estão em apenas 10 cidades, todas elas com mais de 1 milhão de eleitores.


Nesses redutos, ela conseguiu 5,4 milhões de votos, enquanto o candidato do PSDB, José Serra, ficou com 5,8 milhões.


Nas capitais brasileiras, cidades de grande e médio porte, os votos do PV somaram 7 milhões, apenas meio milhão a menos do que os votos tucanos.


Dilma chegou aos 9,9 milhões. A grande diferença de votos em favor de Dilma aconteceu nos pequenos municípios.


Na votação geral, foram 14,5 milhões de votos de vantagem sobre o segundo colocado, Serra.


Desse total, uma diferença de 10,9 milhões de votos saiu das pequenas cidades.


Em micromunicípios no Nordeste, onde cerca de 80% da população são beneficiados pelo programa Bolsa Família, a votação da candidata do presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a 90% do eleitorado.


Em outro levantamento, através do mapeamento dos votos, descobriu-se que as cidades com o maior índice de desenvolvimento humano (IDH), com maior nível de escolaridade e com maior renda votaram em Marina Silva.


Em Brasília, a candidata verde foi a primeira colocada, com 42% dos votos, com Dilma em segundo lugar e Serra em terceiro.


Por dedução e proporcionalmente, tem-se que quanto mais pobre o município, quanto menor a renda e o nível de escolaridade, mais propensão teve o eleitor de votar em Dilma, em contraponto de Marina.


Piauí e Maranhão, dois estados dos mais pobres do país, respectivamente, 67% e 70% dos eleitores escolheram Dilma para presidente.


Quanto maior a dependência da população pobre dos programas sociais do Governo Lula, mais fieis os eleitores estiveram em relação à candidata do PT.


Em contrapartida, quanto mais informada a população, quanto maior o nível de leitura da comunidade, quanto maior o acesso à internet e a independência de pensamento, maior a crença nos projetos apresentados por Marina Silva.


Afinal, os projetos dela são estratégicos para um País com imaginário de nação desenvolvida, baseada num crescimento sustentável.


Assim, é com tristeza que se pode concluir: Campos Belos está mais para Alagoas e Maranhão (1.200 km de distância) do que para Brasília, mesmo estando a cerca de 300 km da capital.


É uma pena.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Campos Belos elege Dilma, Marconi e Demóstenes Torres

Dos 14.539 eleitores de Campos Belos, 9.440 fizeram valer o voto para presidente, 862 votaram nulo e 4.058 não compareceram às urnas.


A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, ganhou o pleito, com 58,09 % dos votos (5.484).


O segundo colocado foi o candidato do PSDB, José Serra, com 31,38% dos votos válidos (2.962).


A candidata do Partido Verde, diferentemente do restante do país, não obteve expressiva votação na cidade. Ela foi lembrada apenas por 10,05% do eleitorado ( 949 votos).




Para Governador, a disputa foi mais acirrada.


Mas, se dependesse apenas dos votos de Campos Belos, Marconi Perillo, PSDB, teria sido eleito com 50,29% dos votos válidos. Ele teve 4.711 escores. O seu concorrente, Iris Resende Machado, alcançou 41,68% (3.905).




Na eleição direta para Senador, os votos foram implacáveis.


Demóstenes Torres, DEM, que tentava a reeleição, saiu vitorioso com 42,3% dos votos válidos (6.492), obtendo mais votos do que a candidata a presidente Dilma Rousseff.


Lúcia Vânia, PSDB, também reeleita, foi a segunda mais votada, com 34,80% ( 5.341).


O candidato do PT ao Senado, por Goiás, Pedro Wilson, não foi bem em Campos Belos.


Ele atingiu apenas 19,78% (3.036) da preferência dos campobelenses.




Os deputados federais mais votados em campos Belos foram Pedro Chaves, PMDB, com 5.849 (59,59%) votos, que foi reeleito para a Câmara Federal.


Sérgio Caiado, PP, foi lembrado por 1.069 eleitores, porém não alcançado os votos necessários, no estado, para se eleger.


O deputado Vilmar Rocha, DEM, também foi reeleito. Em Campos Belos ele ficou na 3ª posição, com 779 votos.




Para a Assembléia Legislativa de Goiás, Campos Belos votou, em peso, para Betinho da Saneago, PTB, que obteve 3.432 votos (39,34%).


Entretanto, o candidato não conseguiu a vaga para Deputado Estadual.


O segundo mais votado foi Iso Moreira, PSDB, com 833 votos, que conseguiu, com a soma geral dos votos no estado, uma vaga na casa legislativa.


Mara Neves, PMDB, foi a 3ª colocada para Deputado Estadual no município, com 802 votos (9,19%). Ela também não conseguiu se eleger.

Quer conferir mais sobre os resultados das eleições 2010 no município de Campos Belos, acesse aqui, e veja como ficou o seu candidato.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Bomba: Roriz grava genro de Ministro do STF cobrando "prolabore" para livrar-lhe a cara



O furo e a publicação estão no  blog do colega Josias de Souza.

A gravação compromete um dos Ministros mais sóbrios do STF: Carlos Aires Brito.

A cena  foi gravada no escritório da residência de Joaquim Roriz.

Na imagem aparece em primeiro plano o advogado Adriano José Borges Silva.

Ele vem a ser o genro do ministro Carlos Ayres Britto, do STF.

É sócio e marido de Adriele Pinheiro Reis Ayres de Britto, filha do ministro.

Se já havia murmúrio em torno da "compra" de Ministros do STF,  a coisa agora está virando fato.  

E os outros Ministros que votaram a favor de Roriz, será que foram comprados?

Quanto custou cada voto? paira a dúvida sobre a honradez e a honestidade do STF.

 Nossa Corte Suprema está em  xeque.

Acesse aqui o Blog do Josias de Souza e veja o lamentável vídeo.



Veja alguns coméntários de internautas...


"Quer dizer: jogando todo o destino de uma cidade, de um estado e do Estado, em uma negociata de suborno."


"O Ministro Relator não teve relação alguma com esse fato iníquo e absurdo. Esse advogado fez tudo à revelia de Sua Excelência."


"Mas esse sujeito admitiu negociar uma coisa tão cara, tão sagrada e primordial que é a condição de uma cidade, em troca de dinheiro sujo.

E o fez mostrando que não tem consciência, tentando locupletar-se em troca da fome do povo, de sua ignorância e de outros prejuízos a ele causados, deixando o roubo do dinheiro público “rolar soltamente."


Aproveite e comente você também...