Banner 1

domingo, 4 de dezembro de 2016

Vídeo do Dia: amigo secreto na cadeia



Chapecoense: uma tragédia que comoveu o mundo e aproximou ainda mais Brasil e Colômbia


Por Jefferson Victor,

O Brasil foi surpreendido na madrugada de terça feira (29), com a triste notícia do desastre aéreo envolvendo a equipe de Chapecó que viajava para Medelín, na Colômbia, onde disputaria a primeira partida da final da copa sul americana.

As notícias preliminares eram desencontradas e chegaram a anunciar que dez jogadores foram conduzidos aos hospitais, e davam uma falsa impressão que era uma espécie de pouso forçado e que havia esperança de que muitos se salvaram.

Infelizmente ao amanhecer o dia, as notícias foram sendo atualizadas e a triste realidade veio à tona, a grande maioria não sobreviveu, e que os feridos eram apenas seis e em estado grave, correndo risco de morte.

Durante todo o dia, os verdadeiros brasileiros choravam pelos mortos, era uma comoção geral, o principal assunto em todos as rodadas, um dia muito triste e muitos ficaram de plantão buscando noticiários que detalhavam as causas e o estado de saúde dos sobreviventes.

Enquanto isto, de forma sorrateira, os senhores deputados, insensíveis aos problemas emocionais que assolavam o país, adentraram a madrugada votando matérias de interesse próprio, e que comprometem as investigações da Lava Jato, salvando suas próprias peles.

Foi triste ver que enquanto os colombianos lotavam o Estádio do Nacional de Medelín  e  em sinal de luto e comoviam  o mundo, jornais estampavam fotos desses abutres com sorrisos de orelha a orelha, punhos erguidos comemorando a aprovação da emenda, um desrespeito total não só com as famílias das vítimas, mas também com o povo que nem sequer tinha conhecimento que estavam ali reunidos de forma tão traiçoeira.

Não sensibilizaram com a tragédia, estavam preocupados com anunciada lista da Odebrecht, e que precisavam urgentemente achar um meio de se safarem de uma possível condenação por recebimento de propina, uma maneira desesperada de não serem alcançados pela justiça.

Brasil e Colômbia são países amigos, porém não existia uma harmonia entre os dois povos, mas a demonstração de carinho com o time da Chapecoense comoveu todos os brasileiros, era visível a tristeza que se abateu sobre aquela nação.

A manifestação do presidente do Atlético Nacional de Medelín, solicitando que a CONMEBOL declare a Chapecoense como campeã da competição, é uma demonstração maior de pesar de um povo que adora futebol, mas reconhece que o time brasileiro merece este título, como forma de compensar a grande ascensão do time que mais se destacou nos últimos anos, com apresentações espetaculares, chegando a série A com méritos e sem correr nenhum risco de rebaixamento.

A chegada dos corpos a Chapecó foi uma das solenidades mais emocionantes no mundo dos esportes, comparada somente ao desastre com Ayrton Sena, porém em proporções bem mais significantes em função do número de vítimas.

Ficou estampado no semblante de todos os brasileiros, o sofrimento que este episódio causou, abalou a todos, independentemente de gostar ou não de futebol, foi um sofrimento coletivo, e ficará marcado para sempre como um dos piores episódios do esporte mundial.

Nesta hora o Brasil se transformou em uma só torcida, as diferenças desapareceram, até mesmo o Presidente da República, Michel Temer, que inicialmente se restringia a uma homenagem às famílias da vítimas no aeroporto, sentiu o clima de consternação e tomou coragem de se dirigir ao Estádio de Condá, local da cerimônia, e os presentes, numa demonstração de civismo e civilidade, foram indiferentes, esqueceram o lado político e não houve nenhuma manifestação desfavorável ao chefe do executivo.

Os brasileiros comovidos com a situação da Chapecoense, mais de vinte mil já se tornaram sócios-torcedores, um gesto de solidariedade justo, e que ajudará o time a se reestruturar.

Também foi muito nobre a iniciativa dos grandes clubes em emprestarem jogadores a custo zero, para que se forme uma base, e que aos poucos o time se torne competitivo e fará a alegria não só do povo de Santa Catarina, mas de todo o Brasil, que passa a ter mais uma opção de torcer, a torcida da Chapecoense deixa de ser local e vai ter uma nação unida em torno de sua reestruturação.

Parabéns ao povo colombiano, este acidente certamente ficará marcado como um marco de aproximação entre estes dois países não só no futebol, mas também em termos diplomáticos e quem sabe até economicamente.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Motorista de Uber é assassinado em Aparecida de Goiânia


A Polícia Civil começou a ouvir na manhã de hoje (2) testemunhas do homicídio de Lindomar Ferreira Souza, de 38 anos, que foi assassinado a facadas na noite desta quinta-feira (01º) na porta de uma agência bancária no Jardim Monte Cristo, em Aparecida de Goiânia. 

A suspeita é que a vítima, que trabalhava como motorista de Uber, tenha sido levada por um ou dois passageiros até o banco, onde outros criminosos os aguardavam.

Segundo o delegado Divino Batista dos Santos, titular do 3º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia, as informações colhidas até agora indicam que Lindomar já entrou no banco rendido por quatro ou cinco criminosos. 

"Estamos iniciando as investigações agora, e não sabemos ainda sequer onde ele pegou o passageiro ou passageiros, mas a suspeita é que ele tenha sido solicitado seguir até a agência sem saber que outros criminosos já os aguardavam. 

O fato é que, depois de sacar o dinheiro exigido, Lindomar foi esfaqueado e teve sua carteira levada pelos bandidos, que fugiram em um carro ainda não identificado", relatou o delegado.

Ainda hoje a polícia vai pedir que o banco Itaú informe a quantia que foi sacada pela vítima. Imagens do circuito interno da agência, segundo Divino Batista dos Santos, também serão solicitadas no sentido de tentar identificar os criminosos.

O registro feito pela Uber, concluiu o delegado, também deve mostrar à polícia onde Lindomar Ferreira foi chamado para fazer a corrida.  

Pelas redes sociais, colegas da vítima estão marcando uma manifestação prevista para acontecer nesta sexta-feira (2) às 12 horas no Cepal do Setor Sul. 

O protesto, segundo eles, têm como propósito cobrar junto à Uber garantia de segurança para os motoristas.

Fonte: Mais Goiás

Enel arremata Celg D por R$ 2,2 bi na 1ª privatização do governo Temer


Depois de uma tentativa fracassada de privatização em agosto passado, a Celg D, distribuidora de energia de Goiás, foi arrematada pela Enel Brasil S.A. por R$ 2,187 bilhões, ágio de 28,3% em relação ao valor mínimo de R$ 1,708 bilhão estabelecido pelo edital. 

O leilão aconteceu nesta quarta-feira, na BM&FBovespa, em São Paulo, e foi a primeira privatização do governo do presidente Michel Temer. O lance da Enel foi único.

Foi ofertado um lote único de 142.933.812 ações ordinárias, das quais 69.085.140 pertencentes a Eletrobrás e 73.848.672 da CELGPar.

Na primeira tentativa de privatização da Celg não houve interessados e o leilão acabou sendo cancelado. As empresas que haviam olhado o edital consideraram o valor mínimo estipulado muito alto. 

Houve, então, uma reformulação da oferta para tornar o empreendimento mais atrativo e o preço mínimo foi reduzido de R$ 2,8 bilhões para R$ 1,792 bilhão, um desconto de 35,7%. 

O novo preço foi o resultado da avaliação do valor de mercado da companhia em R$ 4,448 bilhões, menos a dívida de R$ 2,656 bilhões.

A venda da Celg é emblemática já que o governo pretende privatizar outras seis distribuidoras estaduais que hoje estão sob controle da Eletrobras e serão oferecidas ao mercado em 2017. 

A Eletrobras possuía 50,93% da Celg, enquanto o governo de Goiás detinha 49%.

O vencedor do leilão terá de cumprir as metas de desempenho operacional nos próximos cinco anos, com objetivo de melhorar o serviço prestado à população. A empresa atende a 237 municípios do estado de Goiás e tem 2,61 milhões de unidades consumidoras.

O presidente da Enel Brasil, Carlo Zorzoli, disse que com a aquisição da Celg a empresa passa a ter 9,7% do mercado de distribuição de energia do país. Segundo ele, será um salto de três milhões para quase 10 milhões de consumidores. No Rio, a Enel atua através da Ampla.

— Ofertamos o valor que achamos justo para a oportunidade — afirmou Zorzoli quando perguntado sobre o ágio de 28% sobre o valor mínimo, considerado elevado.

Zorzoli não revelou como será feito o financiamento do valor oferecido, já que a Enel é controlada por companhias de capital aberto e isso será feito na divulgação dos balanços.

Ele disse que os investimentos da empresa no Brasil não acabam com a compra da Celg.

— Nosso processo de crescimento no Brasil não terminou — disse.

Programa nacional de Desestatização 

O processo de venda do controle da Celg D foi iniciado em maio de 2015, com a inserção da Companhia no Programa Nacional de Desestatização (PND), ainda na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff. O primeiro edital de privatização da companhia, entretanto, foi publicado no dia 24 de junho de 2016, já sob a presidência do presidente Michel Temer.

Por especialistas, a Celg é considerada uma boa empresa, mas durante anos o governo de Goiás fez uma gestão ruim, o que levou a transferência do controle societário para a Eletrobras. O objetivo, era evitar o desabastecimento de energia do estado, já que a companhia atende 98,7% do território goiano.

Fonte: O Globo

Estado de Goiás e município de Cavalcante/GO acionados para reestruturação de serviços de assistência social


A promotora de Justiça Úrsula Catarina Fernandes da Silva Pinto propôs ação civil pública em desfavor do Estado de Goiás e do município de Cavalcante, para que reestruturem os serviços de assistência social, promovendo as modificações estruturais e administrativas para o funcionamento do Centro de Referência da Assistência Social (Cras) e da equipe.

Em 2015, a Coordenação de Apoio Técnico Pericial (Catep) do MP-GO elaborou relatório sobre a execução da política de assistência social local, no qual foram apontadas diversas irregularidades. 

Neste ano, foi realizada nova visita, que constatou que as irregularidades ainda não haviam sido sanadas. Dentre elas, estão a falta de estrutura física e de veículo para realização de visitas, o período de funcionamento em horário inferior ao determinado; insuficiência de profissionais para o atendimento e a precariedade do Serviço de Convivência e Fortalecimento do Vínculo (SCFV).

Foi constatado também que a Secretaria Municipal de Assistência Social e o próprio gabinete do secretário funcionavam no mesmo prédio que o Cras. 

Os integrantes do órgão teriam sido, anteriormente, alertados por técnicos do Ministério do Desenvolvimento Social que a situação era irregular e que os órgãos não poderiam funcionar no mesmo espaço.

Além disso, contrariando o previsto na Política de Assistência Social de Goiás (Lei nº 19.017/15), o Estado de Goiás não arcaria com o cofinanciamento de serviços, programas e benefícios no âmbito municipal. 

Por sua vez, ao município de Cavalcante caberia a disponibilização dos recursos para a estruturação dos sistemas de atendimento e a correção das irregularidades detectadas.

Para a promotora, a situação é nítido o descumprimento pelo município dos dispositivos legais e regulamentares que sustentam um padrão mínimo de qualidade no atendimento dos usuários da assistência social. 

Úrsula Catarina ressalta ainda que, não havendo condições mínimas de trabalho, a prestação do serviço é feita de forma vulnerável e insatisfatória.

Dessa forma, a promotora requer liminarmente que o município de Cavalcante, no prazo de 90 dias, forneça sede própria ao Cras; adeque o espaço físico às normas vigentes; adquira o mobiliário adequado, incluindo internet e rede telefônica; disponibilize um veículo novo e compatível com as necessidades dos servidores; estruture o SCFV; estruture a equipe volante com técnicos de nível superior e médio e forme a equipe de proteção social. 

Em caso de descumprimento, será aplicada multa no valor de R$ 5 mil.

No mérito, requer a confirmação da liminar e também a condenação do Estado de Goiás na obrigação de fazer consistente em destinar os recursos financeiros aos municípios conforme o previsto; confinancie o aprimoramento da gestão, serviços e programas no âmbito local; atenda às ações de caráter de emergência; estimule a prestação de serviços de assistência social e implante o Creas regional para atender às demandas da região.

Fonte: MPGO

Justiça resolve pendências com transporte escolar em Cavalcante (GO)


Localizada na região da Chapada dos Veadeiros, o município de Cavalcante tem o relevo bastante acidentado. 

As serras que circundam a cidade dificultam o caminho à zona rural – fator que atrapalha o acesso de estudantes moradores de fazendas às escolas, situadas na cidade. 

Nesta edição do Justiça Ativa, realizado na comarca, dois julgamentos de ações distintas resolveram, justamente, pendências relacionadas a falhas no transporte escolar, que deveria ser oferecido regularmente pela Prefeitura.

A primeira sentença, proferida pelo juiz Luiz Antônio Afonso Júnior, impôs ao município o dever de regularizar o ônibus que pega os alunos moradores da comunidade Cabeceira do Vão, atendendo às normas de segurança. 

Em caso de descumprimento, o prefeito está sujeito à multa diária de R$ 2 mil.

Na petição, feita pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), foi apontado que o trajeto era feito descontinuado e por um carro de passeio – levando, muitas vezes, mais de dez crianças e adolescentes em uma só viagem, acomodadas até no porta-malas. 

Segundo a secretária de transportes da prefeitura, muitos motoristas se recusavam em trafegar nas pistas, pela dificuldade do trajeto e má condições das estradas de terra. 

"Isso não pode ser desculpa. Sugiro, então, que se faça um rodízio ou sorteio entre os servidores", indicou o magistrado à titular da pasta.

Para corroborar as alegações, pais dos menores foram chamados para depor, na condição de testemunhas. “A gente morava no fim da rota do transporte. Muitas vezes, o carro ficava uma semana sem passar”, contou Edilamar de Souza, mãe de dois adolescentes.

Fernanda Ramos Mendes, mãe de duas meninas, de 12 e 7 anos, até se mudou da zona rural por causa da falta de acesso escolar. “Escola é tudo. 

Nós somos pobres e estudo é o único futuro que podemos deixar para nossos filhos.  Como não tinha transporte para levar para escola, tive que mudar para cidade, só por causa disso”.

Na sentença, o magistrado destacou que “o transporte escolar incide diretamente no direito fundamental de acesso à educação, que é assegurado a todo o cidadão em caráter universal, notadamente crianças e adolescentes em formação”.

Situação parecida acometeu os moradores do povoado de São Domingos. Onze estudantes da Escola Vereador Anedino Dedeus Coutinho, representado por seus pais, ajuizaram ação contra o município, pelo mesmo motivo da falta de veículo que os levasse para a unidade de ensino.

Segundo a inicial, por dois anos a Prefeitura deixou de fornecer o transporte, prejudicando a frequência escolar. Quatro anos depois, o grupo de estudantes, decidiu ajuizar a ação de danos morais contra o Poder Público, sendo deferida pela juíza Simone Pedra Reis.

“A falha foi significativa, pois os requeridos poderiam providenciar outros meios para suprir as necessidades das crianças”, endossou a magistrada, que arbitrou a quantia de R$ 6 mil para cada demandante, com correção. 

A demora dos autores para ajuizar a ação – quatro anos – foi também ponderada pela juíza. “Vale destacar que o valor arbitrado não suprirá os anos perdidos pelas crianças. Todavia, insta asseverar que o próprio demandante deu causa  à postergação”.

Fonte: TJGO

Há quase dez anos temos falado da destruição da matas ciliares. Só a crise hídrica foi capaz de despertar a comunidade


Há mais de nove anos que venho batendo na mesma tecla, através das publicações neste Blog, sobre a necessidade de se incutir a cultura ambiental em Campos Belos e em toda a região do nordeste de Goiás e sudeste do Tocantins. 

Não foram poucas as publicações e alertas sobre a destruição das matas ciliares do Rio Bezerra e do Rio Montes Claros, principais bacias do município de Campos Belos. 

Alertamos que o assoreamento estava matando os rios e que a degradação iria prejudicar a comunidade por inteiro, inclusive os autores dos desmatamentos. 

Mas parece que as publicações não fizeram muito efeito e precisou chegar a uma crise hídrica na bacia do Rio Montes Claros para que houvesse uma intervenção do Ministério Público.

E agora parece que os fazendeiros, principalmente, entenderam o tamanho da bronca.  

Na última quarta-feira  foi feita uma reunião no Tribunal do Júri de Campos Belos, que deu início a um planejamento de ações que deverão ser desenvolvidas ao longo de 2017 para a recuperação do Rio Montes Claros, manancial de abastecimento do município e da cidade de Monte Alegre. 

No encontro, a promotora de Justiça Paula Moraes de Matos esclareceu que um diagnóstico ambiental da Bacia do Rio Montes Claros já foi elaborado pela Emater, com orientações para a recuperação e, além disso, informou que a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Cidades, Infraestrutura e Assuntos Metropolitano (Secima) realizou fiscalização nas fazendas que aderiram a termo de ajuste de conduta firmado pelo MP-GO com os produtores rurais.

Também foi firmado um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com um grupo de dez produtores rurais, que se comprometeram a adotar ações emergenciais para que o rio volte ao seu estado original. 

A promotora parabenizou os proprietários rurais presentes na reunião, esclarecendo que a maioria dos que assinaram o acordo está cumprindo as orientações para a regularização do uso da água, conforme determina a legislação. 

Mas isso não basta. 

A questão ambiental em nossa região ainda é muito grave. 

Fora a destruição das matas ciliares, áreas de proteção ambiental e o extermínio de animais silvestre - tem muita gente por aí que ainda tem como diversão a caça de tatus, pacas, capivaras, veados e até macacos - ainda temos a questão do lixo urbano. 

Não há uma mínima política para a questão do lixo. 

Na realidade ninguém faz nada. Em casa, as pessoas se limitam a jogar o seu lixo em um recipiente e disponibilizar para os garis. 

A separação do lixo seco e molhado, uma realidade em Brasília e nas grandes capitais, passa longe. 

Por sua vez, a prefeitura se limita a recolher e depositar os resíduos no lixão. Pronto, essa é a logística. 

Tá errado. A exemplo da questão das matas ciliares, mais cedo ou mais tarde, a comunidade vai pagar por seus pecados, pela falta de zelo e cuidado. 

E essa responsabilidade não é apenas da prefeitura, do Poder Público, é de toda a comunidade, que tem se unir em torno da questão e encontrar soluções.


Questão ambiental toma corpo em Campos Belos e demais municípios do nordeste de Goiás e sudeste do Tocantins (2013)






Promotora articula ações para implementação do Programa Ser Natureza em Campos Belos (GO)


Uma reunião de trabalho realizada na última quarta-feira (31), no Tribunal do Júri de Campos Belos, deu início a um planejamento de ações que deverão ser desenvolvidas ao longo de 2017 para a recuperação do Rio Montes Claros, manancial de abastecimento do município e da cidade de Monte Alegre. 

No encontro, a promotora de Justiça Paula Moraes de Matos esclareceu que um diagnóstico ambiental da Bacia do Rio Montes Claros já foi elaborado pela Emater, com orientações para a recuperação e, além disso, informou que a Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Cidades, Infraestrutura e Assuntos Metropolitano (Secima) realizou fiscalização nas fazendas que aderiram a termo de ajuste de conduta firmado pelo MP-GO com os produtores rurais.

O TAC foi firmado em setembro deste ano com um grupo de dez produtores rurais, que se comprometeram a adotar ações emergenciais para que o rio volte ao seu estado original. 

A promotora parabenizou os proprietários rurais presentes na reunião, esclarecendo que a maioria dos que assinaram o acordo está cumprindo as orientações para a regularização do uso da água, conforme determina a legislação. 

Em seguida, os técnicos da Emater Oldemar Filho e Rodrigo Oliveira apresentaram o projeto da Bacia do Rio Montes Claros. 

Inicialmente, eles destacaram a importância do trabalho em conjunto para a conservação do bioma e, como exemplo, esclareceram a necessidade de cada produtor formular o Cadastro Ambiental Rural (CAR), para que os órgãos ambientais tenham controle das propriedades.

Eles também explicaram a função da área de preservação permanente (APP), que são áreas próximas aos rios e que devem ser protegidas para o benefício de todos. Desse mesmo modo, segundo esclareceram, a proteção e recuperação das nascentes também são ações que beneficiam toda a sociedade.

Na análise feita na área da bacia, que é de 369 km², ficou demonstrada a existência de locais com erosão do solo, levando terra para o rio, causando assoreamento e prejudicando as nascentes. 

Foi detectada ainda a ação do homem em algumas propriedades rurais sem matas ciliares e sem manejo de pastagem. 

Assim, a construção de curvas de nível com terraços, pequenas barragens, cercas para resguardar as nascentes e reposição de matas ciliares serão mecanismos importantes para a recuperação das nascentes.

Ser Natureza 

Diante da apresentação dos problemas e dos possíveis mecanismos a serem utilizados para a recuperação das nascentes do Rio Montes Claros, foi sugerida a criação de um grupo de trabalho, com representantes dos proprietários rurais, da Emater, Saneago, Sindicato Rural e prefeitura, por meio das Secretarias de Meio Ambiente, Obras e Educação. 

Conforme detalhado pela engenheira agrônoma Adriane Chagas, técnica da Coordenadoria de Apoio à Atuação Extrajudicial (Caej) do MP-GO, a intenção é que o grupo acompanhe a implementação do projeto de recuperação que deverá ser feito pela Emater para cada propriedade rural, de acordo com metodologia do Programa Ser Natureza, do Ministério Público de Goiás, vinculado ao Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente (Caoma) e assessorado pela Caej. 

No Caoma, o acompanhamento do projeto é feito pela assessora jurídica Gabriela Parrode.  

Desse modo, parcerias serão construídas como a comunidade local para a proteção do meio ambiente, com a eleição, junto à sociedade, das ações prioritárias e a definição conjunta de soluções. 

De acordo com a psicóloga Maria José Soares, que também integra a Caej, o trabalho será desenvolvido por etapas, sendo necessária a construção de parcerias para a conclusão de cada uma delas. 

Assim, a partir do planejamento inicial do projeto serão definidas as ações e prazos para a conclusão, com acompanhamento em reuniões do grupo de trabalho.

Contudo, o grupo de trabalho não foi definido de imediato, em razão da mudança de gestão da administração pública municipal. 

Para o melhor andamento do programa, a formação e atuação do grupo de trabalho terão início somente após a adesão formal dos prefeitos de Campos Belos e Monte Alegre ao Programa Ser Natureza, cuja proposta será apresentada à nova gestão assim que assumam as prefeituras. 

Segundo esclarecido, a próxima reunião de trabalho será agendada após essa adesão e a consequente definição dos novos secretários municipais. 

Fonte: MPGO

Há esperança: grupo de amigos se reúne para limpar pichações no Museu Nacional


Incomodados com as pichações no Museu Nacional Honestino Guimarães durante um protesto na última terça-feira (29/11), um grupo de amigos resolveu se unir para limpar os desenhos feitos no monumento. 

Com recursos do próprio bolso, eles compraram os materiais necessários e realizam o trabalho na tarde desta quinta (1º/12).

A ideia foi do produtor cultural Rafael Faria, 36 anos. 

Ao saber das pichações, ele propôs a um grupo de amigos que fizessem algo para ajudar na situação, e o resultado é a ação de hoje.

“Não estamos aqui defendendo nenhuma bandeira política e respeitamos o direito ao protesto. Mas essa é a nossa cidade e ela não pode ser depredada desta forma”, afirma Rafael.

A iniciativa foi permitida pelo diretor do museu, Wagner Barja, que se reuniu com os idealizadores do projeto na quarta (30/11). 

O grupo é composto por cinco amigos: Renato Azambuja, Mateus Bassan, Luciano Canadá, Pedro Lemos Rafael Faria. Eles começaram o trabalho por volta das 15h desta quinta e, até as 17h30, já haviam coberto cerca de 25% das pichações.

A ação chamou a atenção de pessoas que passavam pelo local. Um homem inclusive se juntou ao grupo para ajudar na limpeza. 

Eles pretendem permanecer no Museu até o fim do dia e a expectativa é fazer o máximo de trabalho possível ainda hoje. “Quem quiser ajudar, pode só comparecer aqui”, conclui Rafael.

Fonte: Metrópoles

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Vídeo do Dia: deputado autor da emenda que golpeou a Lavajato leva uma tomatada no aeroporto de Brasília




Um manifestante atingiu com um tomate o líder do PDT, Weverton Rocha (MA), nesta quarta-feira (30), no aeroporto de Brasília.

A agressão, registrada em vídeo, foi em protesto à emenda que Rocha apresentou na madrugada de quarta para incluir nas medidas anticorrupção punição para juízes e integrantes do Ministério Público que cometerem abuso de autoridade.

"Você sabe que a Lava Jato vai todos o procuradores renunciarem (sic) devido à sua emenda?", questionou o manifestante que se identificou como Ricardo Roque, ao abordar o deputado no embarque o aeroporto.

O homem espreme um tomate que trazia na mão no ombro esquerdo do deputado.

Nove deputados de Goiás votaram contra a sociedade, entres eles Balestra (PP) e Magda Mofatto (PR). Pedro Chaves (PDMB) votou com o povo

Magda Mofatto PR-GO
Nove dos quatorze deputados federais de Goiás aprovaram a desfiguração do projeto sobre as dez medidas de combate à corrupção e a lei da mordaça contra o Ministério Público e o Poder Judiciário. 

A ação, na calada da noite, foi uma clara tentativa de calar a Operação Lavajato, liderada pelo juiz federal Sérgio Moro. 

Anote os nomes dos deputados goianos que votaram contra o povo, aproveitando-se da madrugada de consternação em virtude da tragédia do time da Chapecoense, para aprovar lei em proveito deles próprios: 

Magda Mofatto PR-GO; 
Roberto Balestra PP-GO; 
Giuseppe Vecci PSDB-GO;
Flávia Morais PDT-GO;
Lucas Vergilio SD-GO;
Jovair Arantes PTB-GO; 
Daniel Vilela PMDB-GO; 
Heuler Cruvinel PSD-GO e 
João Campos PRB-GO.

A matéria, aprovada por 450 votos a 1 na noite dessa terça-feira, 29, já foi enviada ao Senado. 

O plenário desfigurou completamente o relatório de medidas de combate à corrupção e tirou do texto pontos-chave, como a criminalização do enriquecimento ilícito, a criação do figura do "reportante do bem" — que recebe recompensa por denunciar ilegalidades —, o aumento do prazo de prescrição dos crimes e passar a contá-lo a partir do oferecimento da denúncia e não do seu recebimento, excluiu o acordo penal - onde a sanção possa ser negociada e aceita pelo autor do crime - e tira todas as regras sobre celebração de acordo leniência.

Pedro Chaves votou com o povo 

O deputado Pedro Chaves (PMDB), que representa o nordeste de Goiás, tinha vacilado há uma semana e pedido urgência para anistiar o caixa dois. 

Dessa vez, foi mais inteligente e percebendo que a sociedade da região está hiper vigilante, votou com o povo. 

Ele votou contra o pacote de blindagem dos parlamentares. 

Veja os deputados goianos que votaram contra a blindagem: 

Alexandre Baldy PTN-GO, Pedro Chaves PMDB-GO,Thiago Peixoto PSD-GO, Fábio Sousa PSDB-GO e Marcos Abrão PPS-GO.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Seis deputados do TO votam pela desfiguração das medidas contra a corrupção



Seis dos oito deputados federais do Tocantins aprovaram a desfiguração do projeto sobre as dez medidas de combate à corrupção. Entre eles, um dos parlamentares alvo da Operação Lava Jato, Lázaro Botelho (PP). 

A matéria, aprovada por 450 votos a 1 na noite dessa terça-feira, 29, será enviada ao Senado.

O plenário desfigurou completamente o relatório de medidas de combate à corrupção e tirou do texto pontos-chave, como a criminalização do enriquecimento ilícito, a criação do figura do "reportante do bem" — que recebe recompensa por denunciar ilegalidades —, o aumento do prazo de prescrição dos crimes e passar a contá-lo a partir do oferecimento da denúncia e não do seu recebimento, excluiu o acordo penal - onde a sanção possa ser negociada e aceita pelo autor do crime - e tira todas as regras sobre celebração de acordo leniência.

Do Tocantins, apenas a deputada Dulce Miranda (PMDB) não votou, porque não estava em Brasília, ma no Estado. 

Dos que estavam em Plenário, votaram para aprovar o projeto desfigurado: Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM), Carlos Gaguim (PTN), Irajá Abreu (PSD), César Halum (PRB), Vicentinho Júnior (PR) e Lázaro Botelho (PP). Josi Nunes (PMDB) foi a única abstenção do Estado.

Confira nota da deputada Dulce Miranda:

"NOTA

Por virtude de compromissos no Estado, a deputada federal Dulce Miranda, vice-líder do PMDB na Câmara dos Deputados, não votou na apreciação das Medidas Contra a Corrupção. 

Entretanto, votaria pela sua aprovação. A parlamentar reafirma o seu compromisso com os eleitores tocantinenses no desempenho de um mandato em prol de melhorias para o Tocantins e seus cidadãos.

Assessoria de Comunicação da Deputada Federal Dulce Miranda"

fonte: CB

Depredações em Brasília: Não estou aqui para passar a mão na cabeça de malandros




"Caro amigo,

Já não lhe conheço mais. Cada dia o senhor se parece mais com o jornalista Cláudio Humberto. Se esse é o seu objetivo...parabéns". Doca.

O comentário acima é de um leitor, que está achando exageradas as críticas deste Blog aos movimentos que tomaram a Esplanada dos Ministérios na tarde e noite de ontem (29), em protesto contra a PEC do Teto do gasto público. 

Como sempre digo, não estou aqui para passar a mão na cabeça de malandros, seja de esquerda ou de direita. 

Da mesma forma que repudiamos, veementemente, toda forma de violência; crimes de colarinho branco, corrupção, as malandragens da classe política, a cultura ultrapassada e antiética do jeitinho brasileiro; os desmandos e a violência contra as minorias, denunciaremos também essa forma equivocada de se fazer política.

A cada dia me convenço que boa parte da sociedade brasileira é adepta dos regimes de exceção, seja eles de esquerda ou de direita. 

Acho que as lições da história mundial não foram suficientes ou leram mal, muito mal.  

O resultado é esse, das imagens, que não podem ser manipulado.   






Vídeo do Dia: Protesto contra PEC descamba para o quebra-quebra em Brasília




Ao menos 10 mil pessoas, ligadas a movimentos de esquerda, participaram de um tenso protesto nesta terça-feira contra a PEC (Projeto de Emenda Constitucional) que limita o gasto público da União por 20 anos. 

Caravanas de todo o Brasil, principalmente de estudantes universitários, movimentos sociais e sindicalistas, desembarcaram na capital federal e foram para a porta do Congresso Nacional. 

Não demorou muito e o que era para ser um protesto democrático e pacífico descambou para uma quebradeira geral. 

Paradas de ônibus, placas de sinalização e imóveis públicos foram depredados. 

Até carros particulares foram quebrados e incendiados. E tudo acabou em confronto com a Polícia. 

Este blogueiro esteve no local, por volta das 20h, acompanhou parte do protesto e fez o vídeo acima.  

Mas o pior de tudo é que os manifestantes só miravam a PEC 55 (do  teto orçamentário), em tramitação no Senado, e esqueceram que na Câmara os deputados estavam apreciando as 10 medidas contra a corrupção, que acabou sendo desfigurada pelos parlamentares. 

Não brandaram uma só palavra contra a Câmara e em apoio às medidas contra a corrupção. Por que será? 

Após a dispersão dos manifestantes que estavam em frente ao Congresso Nacional, um grupo de voltou a entrar em confronto com policiais na Esplanada dos Ministérios por volta das 18h50. 

O embate aconteceu nas proximidades do Ministério do Meio Ambiente e terminou rapidamente. Policiais do Distrito Federal avançam para a Esplanada e atuam com ação mais intensa para tentar isolar o grupo em frente à Catedral de Brasília.

A ação policial na Esplanada envolveu o uso da cavalaria, tropa de choque e bombas de gás. Manifestantes acusam a polícia de ter agredido uma das pessoas que invadiu o espelho d'água do Congresso, o que supostamente teria iniciado o conflito. Outra versão cita que o embate começou após alguns manifestantes terem virado um veículo estacionado nos arredores do Congresso Nacional.

Houve quebradeira dos edifícios públicos na Esplanada e equipamentos urbanos, como paradas de ônibus e lixeiras. Por outro lado, testemunhas afirmam que houve excesso dos policiais. Pessoas que se refugiaram atrás dos Ministérios que apenas aguardavam os ânimos se acalmarem foram atingidas por bombas de efeito moral.

Os manifestantes fizeram uma barricada com fogo em frente à Catedral e em alguns momentos eles dançam e entoando gritos de guerra contra a polícia. A polícia neste momento aguarda e alguns manifestantes que estavam em um carro de som dizem que há feridos e precisam de apoio para socorrê-los. Não se sabe o número de feridos.

Temer se posiciona

O presidente Michel Temer escalou o porta-voz Alexandre Parola para comentar as manifestações que acontecem na Esplanada. "O presidente Michel Temer repudia o vandalismo, a destruição e a violência de um grupo de manifestantes hoje em Brasília. A intolerância não é forma de expressão democrática e não pode ser instrumento para pressionar o Congresso", disse Parola.

Na mensagem, Parola destacou que o governo sempre esteve aberto ao diálogo e defende o direito às reivindicações. "Mas jamais transigirá com atos de destruição do patrimônio público e privado", afirmou. "O País não pode ser palco de atos que só disseminam o medo e a intimidação para as famílias e os cidadãos brasileiros."

O porta-voz também lamentou os ataques à imprensa e disse que a liberdade de imprensa "é um valor central em nossa democracia". "O presidente lembra que a mesma Constituição que garante a liberdade de manifestação, protege também a imprensa livre." Diferente de outras votações importantes, em que ficou no Palácio do Planalto até tarde, o presidente Michel Temer já foi para o Palácio do Jaburu.

Servidores

O aumento na intensidade dos protestos e da ação policial na Esplanada deixou servidores dos ministérios literalmente presos nos prédios. Funcionários que trabalham nos ministérios do Desenvolvimento Social, da Educação e da Cultura, segundo relatos obtidos pela reportagem, decidiram não deixar os prédios com receio de serem atingidos.

Alvo de protestos por conta das mudanças com do ensino médio, o Ministério da Educação, por exemplo, foi pichado. Garagens subterrâneas das repartições na Esplanada foram fechadas por precaução.

O MEC foi invadido e depredado por um grupo de 50 a 100 pessoas, algumas encapuzadas. Atearam fogo em pneus, em lixeiras, quebraram as entradas do ministério, caixas eletrônicos e câmaras de segurança. O ministro da Educação, Mendonça Filho, permanece no seu gabinete.

Cordões de isolamento

Numa ação para inibir os protestos, a PM fez dois cordões de isolamento na Esplanada. O primeiro, de acompanhamento e parado, é na altura da Rodoviária de Brasília, no início da Esplanada.

Por sua vez, o segundo grupo da PM avança a pé desde o espelho d'água no Congresso até a Catedral de Brasília. Essa ação visa dispersar e inibir os protestos. Os manifestantes reclamam também da truculência da ação policial que, dizem, deixou pessoas feridas.

Ampliação do Parque Chapada dos Veadeiros deve atingir cerca de 500 propriedades rurais



  
Em reunião com o secretário Vilmar Rocha (Secima) nesta terça-feira, dia 29, o governador Marconi Perillo deu o aval para a ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros em 90 mil hectares, um aumento de 150% em relação à área atual da unidade de conservação ambiental que é de 65 mil ha (a área passará para 155 mil ha). 

A decisão foi tomada após a exposição pelo secretário de documento elaborado pela Secima em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SED) e a secretaria-executiva do Conselho Estadual de Meio Ambiente.

Apesar de ser um Parque Nacional, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) aguardava o sinal verde do Governo de Goiás para o prosseguimento da ampliação da reserva porqueWilmar Rocha há vários conflitos e áreas não regularizadas na região. 


“Essa decisão reforça nossa posição que sempre foi a favor da ampliação do parque”, afirma o secretário Vilmar Rocha. 

“A nossa preocupação é somente de respeitar as condições legais e não cometer injustiças com essas pessoas que estão lá na região há décadas. Por isso, deixamos de fora, nesse primeiro momento, as áreas não regularizadas”, completa.

A proposta do Governo de Goiás que será encaminhada ao MMA recomenda a ampliação imediata do parque “somente nas áreas cujas matrículas foram validadas pelas ações discriminatórias já concluídas, ou seja, fora dos limites das terras já discriminadas de domínio do Estado e ainda não regularizadas”. 


Segundo levantamento da SED, 90 propriedades rurais precisam ser tituladas e, por isso, ficarão de fora da proposta do Governo.

“A ampliação baseada em apenas uma avaliação unilateral condenará toda a região e trabalho que vem sendo desenvolvido há décadas”, explica Vilmar Rocha. 


“Nossa decisão protege famílias e pequenas propriedades produtivas, muitas delas de subsistência, para evitar futuros problemas legais e de ordem fundiária, social e econômica”, acrescenta o titular da Secima.

A preocupação do governo se dá porque a proposta do MMA atingirá cerca de 500 propriedades rurais, desde assentamentos até grandes fazendas, com terras devolutas. 


Portanto, caso a ampliação do parque ocorra conforme a avaliação do ministério, essas famílias serão prejudicadas, visto que o processo indenizará apenas as benfeitorias, sendo as terras o único patrimônio dessas famílias. 

“Essa regularização é um problema legal que só o Estado pode resolver e é isso que queremos”, esclarece o secretário, garantindo que, após a regularização, uma nova ampliação do parque poderá ser realizada.

Criado em 1961, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros atualmente protege uma área de 65 mil hectares do Cerrado. São diversas formações vegetais, centenas de nascentes e cursos d’água , rochas com mais de um bilhão de anos, além de paisagens de rara beleza, com feições que se alteram ao longo do ano. 


A reserva também preserva áreas de antigos garimpos, como parte da história local e foi declarado Patrimônio Mundial Natural em 2001 pela Unesco. Além da conservação, o parque tem como objetivos a pesquisa científica, a educação ambiental e a visitação pública.

 “O Governo de Goiás sempre entendeu e defendeu essa vocação ambiental e turística da região e nunca mediu esforços para garantir a preservação daquela área”, ressalta Vilmar Rocha, lembrando que, na região, o governo criou por meio do Decreto nº 5.419/2001 a Área de Proteção Ambiental de Pouso Alto, com 872.000 hectares. 


“É a maior do Estado e a segunda maior do País. E ela teve seu Plano de Manejo aprovado recentemente após um amplo processo com a participação do poder público e da comunidade local”, lembra.

Com o intuito de ampliar a preservação ambiental na região, Vilmar Rocha acrescenta ainda que o governo, através da Secima, também deve criar a Estação Ecológica da Chapada de Nova Roma, que protegerá uma área de aproximadamente 7 mil hectares de vegetação nativa. 


“A autorização para a criação desta unidade de conservação já está na Casa Civil em fase final de elaboração do decreto para sua publicação”, concluiu o titular da Secima.

Fonte: Governo de Goiás

Campos Belos: Curso de Letras promove I Seminário de Estágio Supervisionado do Curso de Letras

O Curso de Letras da UEG, unidade de Campos Belos (GO),  promove I Seminário de Estágio Supervisionado do Curso de Letras: Reflexões sobre a formação de professores de Língua Portuguesa, Língua Inglesa e Literaturas
Organização.



O evento começa nesta quinta-feira (1). De acordo com a professora JanneKelly Franco,  o estágio supervisionado é um momento singular na formação do professor. 

Período em que o acadêmico entra em contato com a sua profissão e campo de atuação – a escola. 

É importante que a prática de estágio seja organizada de modo a contribuir para o “aprender” a ser professor. Um espaço para refletir sobre a formação docente e as demandas da Educação Básica. 

Programação


Dia 01:


18:00 h - Avaliação do Estágio Supervisionado do Curso de Letras da Universidade Estadual de Goiás, Campus Campos Belos: Estágio Supervisionado em Literatura e Língua Portuguesa e Língua Inglesa. Prof. Especialista Luciana Nogueira (UEG).


19:00 h – Apresentação das experiências de Estágio Supervisionado 2016 – 3º ano do Curso de Letras


Dia 02: 


18:00 h - Palestra – O Estágio Supervisionado nas Diretrizes Curriculares Nacionais - Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015 . Prof. Especialista Luiz Marles Gonçalves (UEG)


19:00 h – Apresentação das experiências de Estágio Supervisionado 2016 – 4º ano do Curso de Letras


Finalmente: Governo de Goiás autoriza ampliação de 150% do terreno da Chapada


O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros recebeu o aval do governo de Goiás para ser ampliado. 

O estudo prevê o crescimento de 150% da área da reserva. Hoje o espaço tem 65 mil hectares e pode passar para 155 mil ha. 

Inicialmente a previsão era de que o terreno chegasse a 249 mil ha, mas, segundo levantamento feito pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Goiás, há 90 propriedades rurais que ainda estão com terras não titularizadas e o governo poderia enfrentar problema judicial.

Caso as famílias que vivem ali tenham os terrenos regularizados, a proposta de chegar a 249 mil hectares pode ser resgatada. 

“Nossa decisão protege famílias e pequenas propriedades produtivas, muitas delas de subsistência, para evitar futuros problemas legais e de ordem fundiária, social e econômica”, destacou o secretário estadual de Cidades e Meio Ambiente (Secima),  Vilmar Rocha.

A recomendação do governo de Goiás é pela ampliação imediata do parque “somente nas áreas cujas matrículas foram validadas pelas ações discriminatórias já concluídas, ou seja, fora dos limites das terras já discriminadas de domínio do Estado e ainda não regularizadas”.

Agora o governador Marconi Perillo (PSDB) encaminhará a proposta ao Ministério do Meio AMbiente, já que o parque pertence à União. Caso o governo federal acate, o projeto pode ser transformado em decreto.

A decisão de Perillo foi tomada após exposição do documento elaborado pela Secretaria Estadual de Cidades e Meio Ambiente (Secima) em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e a secretaria-executiva do Conselho Estadual de Meio Ambiente.

O Parque Nacional da Chapa dos Veadeiros fica a 240km de Brasília. A região é conhecida no Brasil e no mundo como um polo de turismo com base na conservação da natureza. Desde a criação, em 1961, o parque perdeu quase 90% da área original.

Só no ano passado, o parque recebeu 56.630 visitantes, o corresponde a mais de oito vezes a população de Alto Paraíso (GO), principal cidade da região. O turismo injetou cerca de R$ 70 milhões na economia local.


Idas e vindas
 

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros surgiu em 1961, com uma área de 625 mil hectares (quase 10 vezes maior que o tamanho atual). 

Com o tempo, o então Parque Nacional de Tocantins foi perdendo espaço para a agricultura, a agropecuária e a ocupação populacional, por sua proximidade com Brasília, a nova capital. Em 1972, a reserva teve a área reduzida para 65 mil hectares e foi renomeado para Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros.

Quase três décadas depois, em 2001, a área de proteção aumentou para 230 mil hectares, dando ao parque o título de Patrimônio Natural da Humanidade, concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). 


Dois anos depois, no entanto, advogados entraram com um mandado de segurança contra a ampliação, alegando que não haviam sido feitos os estudos necessários e as audiências públicas. 

O Supremo Tribunal Federal (STF) anulou o decreto presidencial que ampliava a área e o parque teve o território novamente reduzido para 65 mil hectares.

Fonte: CorreioWeb

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Artigo: descontinuidade das políticas públicas é mal ao país


Eurides Borges,

A descontinuidade das políticas públicas em função de mudanças políticas e administrativas é um tema recorrente no Brasil. 

A cada período eleitoral ou quando há transição de gestores o tema vem à tona, pois surge a indagação se as políticas públicas em andamento continuação vigorando. 

A cada mudança política, e consequentemente administrativa, na estrutura do Estado, os governantes tendem a recomeçar do zero, descontinuando políticas importantes para os cidadãos, em nome, muitas vezes, da manutenção do clientelismo e personalismo político característicos do setor público brasileiro, que precisam apresentar soluções “inovadoras”, que tenham sua marca.

Tais mudanças manifestadas por meio de cortes nos orçamentos, remanejamento e substituição de servidores e de projetos,  interrupção de obras e serviços públicos, e troca de nome de programas comprometem a continuidade e a efetividade das políticas públicas, levando-as a um eterno recomeço, ao desperdício de recursos públicos, desmotivação das equipes envolvidas, tensão e animosidade entre técnicos estáveis e os que entram dos processos eleitorais.

Independentemente da troca de comando político, a discussão sobre a continuidade de políticas públicas deveria ser pautada em estudos de avaliação administrativa, que aferem o impacto e a eficácia dessas políticas, a fim de evitar a descontinuação daquelas que são importantes e eficazes para o bem da população.

Todavia, a avaliação de políticas públicas não é comumente utilizada pelos governantes e gestores. 

Primeiro, porque estes desconhecem a importância do processo avaliativo no ciclo das políticas públicas. Segundo, porque os recursos são escassos, e dá-se prioridade a outras despesas, especialmente, para manutenção da máquina pública.

É fato que tal interferência político-partidária tem tendência a diminuir conforme evolui o próprio modus operandi desse processo. 

Além do mais, a construção de uma burocracia estável e sólida a fim de garantir a continuidade das políticas públicas parece ser uma solução a ser buscada no Brasil, a exemplo do que ocorre em países como Estados Unidos, França e Inglaterra, que possuem estabilidade política, e onde não há mudanças significativas no corpo burocrático do Estado a cada mudança partidária.

Antes de tudo cabe aos governantes e gestores a responsabilidade pela identificação e continuidade das políticas públicas eficazes, e descontinuidade daquelas que não o são, reconhecendo a importância da avaliação administrativa nesse processo a fim de empregar os recursos públicos de maneira ética, transparente e eficiente.

Prefeito de Campos Belos emite nota de pesar pela tragédia com o avião da "Chape"


Narrador Deva Pascovicci também morreu na tragédia da Colômbia




O narrador Deva Pascovicci também morreu na tragédia da Colômbia. 

Ele estava em ascensão, assumiu os microfones da CNB e recentemente passou a narrar jogos para a TV.    

Pascovicci era um dos principais narradores da Fox. Mais uma perda lastimável, neste acidente que abalou o futebol mundial. 

Força "Chape"#


segunda-feira, 28 de novembro de 2016

"Liso" é morto a tiros no Setor Guaíra, em Taguatinga (TO)


O crime que pode ter sido um acerto de contas e aconteceu na manhã desta segunda feira (28).

Era 10h30 da manhã, quando Marcos Aurélio da Costa Silva, 18 anos de idade, foi surpreendido por um homem, que o alvejou com 5 tiros.

Segundo testemunhas, autor dos diparos chegou à Avenida Palmira, no Setor Guaíra, em uma caminhonete branca, junto com dois comparsas.

Ao avistar a vítima no quintal de uma residência, um dos homens desceu do veículo e efetuou os disparos.

Ele foi atingido por três tiros na cabeça, um na virilha e outro nas costas, morrendo no local.

Marcos Aurélio, que era conhecido como "Liso", tinha várias passagens pela polícia e era famoso na cidade por seus atos criminosos.

Ele teria completado 18 anos recentemente, mas há muitos anos vinha aterrorizando a cidade, com roubos e furtos a residências. 

O assassino fugiu na mesma caminhonete. Até o momento do fechamento desta matéria nenhum suspeito tinha sido identificado e preso. 

A Polícia Militar ainda continua em diligências.

A Polícia Civil investiga o caso e uma das linhas de investigação é de que o crime teria sido motivado por um acerto de contas.

Com informações do AMT

Vídeo do Dia: Reguffe diz que que caso Geddel é gravíssimo e que é inaceitável a mistura do interesse público com privado



Arraias (TO): PM registra aumento no índice de apreensões de armas de fogo




Como um dos órgãos integrantes das Forças de Segurança Pública, a Polícia Militar do Estado do Tocantins (PM) tem se destacado nas diversas áreas de sua atuação, seja na repressão à criminalidade, localização e recuperação de veículos furtados ou roubados, em ações voltadas à sociedade ou apoio no combate ao tráfico de entorpecentes.    

Empenhando todo o efetivo disponível e desenvolvendo estratégias para levar mais segurança ao cidadão tocantinense, a PM também tem obtido bons resultados no que tange à retirada de armas de circulação. 

Para ratificar essa afirmação, somente no final de semana de 25 a 27 de novembro foram apreendidas seis armas de fogo e 178 munições, sendo que um dos autores preso no município de Gurupi já possuía antecedentes criminais, o que demonstra um considerável índice de reincidência dos envolvidos.   

Por meio de levantamento realizado pela Assessoria de Estatísticas e Análises Criminais da Polícia Militar e Sistema Nacional de Estatística de Segurança Pública e Justiça Criminal foi constatado que houve um crescimento do número de armas brancas e de fogo apreendidas em 2016, nos meses de janeiro a outubro, num comparativo com o mesmo período do ano de 2015.    

Conforme os dados apurados foram apreendidas um total de 1131 armas, entre brancas e de fogo, o que representa um aumento de 21,48% no índice que apreensões em relação a 2015. 

Só armas de fogo, foram retiradas de circulação esse ano mais de 670 unidades dos mais diversos calibres em situação irregular ou na posse de pessoas não autorizadas, um aumento de 44,20%.  

Vale destacar que grande parte das apreensões de armas acontece durante as abordagens e averiguações a pessoas e veículos, sendo esta ação um fator importante na prevenção e combate à criminalidade.   

Para o Comandante Geral da Polícia Militar do Tocantins, coronel Glauber de Oliveira Santos, “a PM realiza um trabalho de extrema relevância na apreensão de armas de fogo e munições, o que contribui sobremaneira para o combate ao tráfico de entorpecentes e crimes a ele relacionados, e possui impacto direto na redução da criminalidade, que é o nosso foco enquanto encarregados de cumprir o que determina a Constituição Federal”, destaca o Comandante.

fonte: PMTO