Banner 1

Banner 2

Banner 2

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Agronegócio da UEG: este blogueiro "apanhou" o dia inteiro nos comentários


É muito triste ver que um blog desse dirigido por um jornalista cometa tantos erros e tamanha injustiça com determinados assuntos. 

Falar que o nordeste goiano não tem atividades no agronegócio é ser muito leviano e imprudente, já que a renda do município gira totalmente em torno da agropecuária, principalmente na área da pecuária de corte, o Brasil hj se consolida como maior exportador de carne bovina do mundo e o nordeste goiano tem papel importante nesse cenário. 


Acabe com a agropecuária da região e vamos ver quantos dias o comércio local vai se manter. Infelizmente o curso sofreu um golpe inesperado por acreditar na nova direção a qual excluiu o curso dentro da universidade simplesmente por não ter conhecimento nessa área do agronegócio do nordeste goiano, o diretor foi covarde com as atitudes tomadas mostrando realmente suas condutas petistas e ditadoras.


Anônimo,


--------------------------------------------------------

Caro Dinomar voce nao conhece a realidade do curso de fato! quer tirar suas proprias conclusoes nos poucos minutos que ficou no eventos, sua colocao foi infeliz, e totalmente sem nexo principalmente EM ACHAR QUE NAO EH NECESSARIO AGRONEGOCIO NA REGIAO. onde a verdade e que a base da nossa economia é o agronegocio. Lamentavel essa sua materia que ela SIM EH TOTALMENTE SEM NEXO!

Anônimo, 

--------------------------------------------------------

É ridículo que esse blog venha disponibilizar tantas informações incorretas sobre o curso de agronegócio, de modo a difamar um curso que é voltado para a área que move a economia brasileira. É inaceitável escutar que o agronegócio não tem nada haver com uma região que é movida pela pecuária, se a região do nordeste de Goias não tem nada haver com o esse curso me diga meu caro, qual a área que move não só a economia de Campos Belos-GO mas também Monte Alegre-GO, Arraias-TO, Novo Alegre-TO, Combinado-TO, Aurora-TO dentre outras varias cidades da região heim??? O agronegócio e voltado não só para as grandes lavouras. 

Como estamos cansados de saber os pequenos produtores são quem produzem a maior quantidade de alimento no País, e a função do agronegócio e instruir de forma correta todos os produtores desde de grande porte até os menores a administra de maneira correta suas propriedades seja qual for a área de atuação no campo. Sou aluno do 3° Ano do Curso Tecnologia em Agronegócio, e venho manisfestar minha indignação ao senhor por postar tamanha besteira, acho que o senhor esta muito mal informado, e seja lá com quem você conseguiu essas informações devo dizer que sua fonte definitivamente não sabe exatamente nada, acho que você deveria procurar pessoas que entendam realmente sobre tal assunto e parar de se informar com pessoas que só querem o mau desse curso.

Anônimo, 

-----------------------------------------------------------

É inaceitavel que esse blog venha disponibilizar tantas informações incorretas sobre o curso de agronegócio, esse é um curso que é voltado para a área que move a economia brasileira. 

É inaceitável escutar que o agronegócio não tem nada haver com uma região que é movida pela pecuária, se a região do nordeste de Goias não tem nada haver com o esse curso me diga meu caro, qual a área que move não só a economia de Campos Belos-GO mas também Monte Alegre-GO, Arraias-TO, Novo Alegre-TO, Combinado-TO, Aurora-TO dentre outras varias cidades da região heim??? 

O agronegócio e voltado não só para as grandes lavouras. Como estamos cansados de saber os pequenos produtores são quem produzem a maior quantidade de alimento no País, e a função do agronegócio e instruir de forma correta todos os produtores desde de grande porte até os menores a administra de maneira correta suas propriedades seja qual for a área de atuação no campo. Não se pode deixar acabar com esse curso visto que entre os oferecidos pela unidade de campos belos é o que mais se encaixa com a região.

Anônimo

-------------------------------------------------------------

Caro jornalista vamos nos informar mais pois o seminário do agronegócio que teve na câmara de vereadores de Campos Belos só foi uma amostra do que temos em nossa região. Segundo vc concordar que a nossa regiao nao tem area pra agronegocio e inadimissivel. 

Ja a questão que já temos cursos nessa área na UFT o senhor esta enganado pois o curso de Agroecologia ainda não esta funcionando e o curso de Educação no Campo não tem nda haver com essa area de agronegócio pois ela e voltado pra licenciatura (artes e musica). Entao quando for falar algo primeiro se informe para depois publicar

KaahAlves,

-------------------------------------------------------------

Dinomar, você editou sua postagem?!! Pois acabo de ler a matéria e não vi motivos para esse massacre sobre você. Sei que as postagens em geral foram de alunos do curso e não de letras mas compreensão textual é essencial. 

Vocês podem não concordar com o encerramento do curso, eu também não concordo, porém se o curriculo está realmente mais voltado à criação familiar (como era na minha época de tec. em agropecuária) está errado SIM!!! Lutem por uma adequação do curriculo e permanência do curso, mas parem de atacar o jornalista. Ele apenas expôs seu ponto de vista. Isso é um blog e não um jornal. Sua opinião é sempre bem vinda Dinomar, mesmo quando eu discordo dela.

Renato C. Madureira
Tecnólogo em Agropecuária - UEG Campos Belos

Engenheiro Agrônomo diz que publicação foi tendenciosa e explica o conceito de agronegócio

 


Sou ARMANDO FERNANDES (Engenheiro Agrônomo) Especialista em Gestão Ambiental e professor da UEG – Campus Campos Belos.

Sinto-me literalmente decepcionado com tamanha falta de discernimento e total desconhecimento de causa na publicação dessas informações. 


Tanto da parte dos idealizadores do Blog quanto da parte de que contribui com tamanha aberração. Vamos aos Conceitos: AGRONEGÓCIO é toda relação comercial e industrial envolvendo a "cadeia Produtiva" agrícola ou pecuária.

 CADEIA PRODUTIVA é um conjunto de etapas consecutivas, ao longo das quais os diversos insumos sofrem algum tipo de transformação, até a constituição de um produto final e sua colocação no mercado. 

Diante do exposto ressalta-se que o Curso de Tecnologia em Agronegócio tem a função de levar o conhecimento de toda a cadeia produtiva, não somente o conhecimento de mercado, para tanto, os sistemas de produção agrícolas e pecuários devem ser repassados para que se entenda toda a cadeia hora mencionada. 

Não podemos nos ignorar e expor dados empíricos (sem comprovação científica)de que a nossa região não comporta um curso de Agronegócio, pois estamos numa região altamente expressiva nos mais variados sistemas de produção, a exemplo: num raio de 300 km, considerando 26 municípios, possuímos um rebanho bovino de aproximadamente 1.500.000 (Um milhão e quinhentas)cabeças, além de suínos, aves e outros. 

Quanto a Agricultura Familiar, não podemos ignorar o fato de que é grande responsável pela expressiva produção agropecuária brasileira, inclusive com impacto no PIB Nacional, haja vista grande maioria dos "Agricultores Familiares" não produzirem apenas para a subsistência, mas também para comercialização do excedente, motivo pelo qual o curso promove atividades de extensão no intuito de fomentar a cadeia produtiva também para esse público. 

A agricultura familiar tem sido grande parceira, não só das Universidades e Escolas Técnicas, mas também tem sido incentivada pelo Governo federal através do PAA e PNAE, adquirindo alimentos para doação simultânea e alimentação escolar. 

Se o Nordeste Goiano, Sul e Sudeste do Tocantins e BA, não tivessem perfil para o agronegócio e ou agropecuária, os grandes Institutos não estariam aqui sendo instalados nem tampouco grandes indústrias se instalariam na região. 

Por fim quero publicar a minha indignação com a referida publicação "TENDENCIOSA" e sem nenhuma contribuição para o avanço na nossa região.

Sou contra a extinção do curso de Agronegócio da UEG. A comunidade precisa se mobilizar contra o fechamento




Hoje pela manhã publiquei uma matéria sobre a extinção do curso de Tecnologia em Agronegócio da Universidade Estadual de Goiás  (UEG), em Campos Belos.

Inicialmente, após ouvi os argumentos da direção da UEG e até de um certo preconceito da minha parte relação ao agronegócio, me posicionei favoravelmente a extinção do curso em favor da criação de outros cursos em “futuro próximo”. 

Mas após ouvi os argumentos de vários alunos do curso, o dia inteiro, que por sinal estão sofrendo muito com essa história, até mesmo com o desprestígio pelo próprio processo de extinção, percebi que será um retrocesso sem precedentes a extinção do curso em Campos Belos e nas demais cidade de Goiás.

A manutenção do curso é de suma importância para os alunos, principalmente, e para os profissionais da agropecuária. 

Os profissionais em agropecuária, formados tecnicamente em uma universidade, são essenciais, não apenas para Campos Belos, mas para todo o nordeste goiano, porque a agropecuária é a base econômica da região. 

Mas o pior de tudo é justamente a Universidade perder um curso em funcionamento,  totalmente estruturado e com uma cultura bastante ativa junto à comunidade. 

A extinção do curso vai deixar de dar mais oportunidades de educação superior, extremamente técnica,  a centenas de jovens, que em sua maioria são filhos e netos de agricultores.  

Por isso, classifico de extremamente gravidade a perda do curso de Tecnologia em Agronegócio em Campos Belos. 

Como estamos em pleno período de campanha eleitoral, tenho que é hora de todos os integrantes das comunidades do nordeste de Goiás, inclusive a classe política regional, de se mobilizar contra o fechamento curso da UEG. 

Então, a palavra é mobilização.   

Alô vice-governador José Eliton; alô prefeito Ninha, alô deputado Pedro Chaves,  alô deputado Iso Moreira.   

A comunidade  precisa dos senhores. 

Vamos fazer pressão junto à UEG contra o fechamento do curso, extremamente prejudicial à comunidade de Campos Belos, ao nordeste de Goiás e ao sudeste do Tocantins.

"Pertencemos a uma região de fronteira agrícola e se não sabe a nossa produção agropecuária que é o carro chefe dos agricultores", afirma leitora




"CARO DINOMAR PRECISAMOS SER MAIS ESCLARECIDOS COM RELAÇÃO AO CURSO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO, COMO FALAR QUE O AGRONEGÓCIO NÃO TEM NADA HAVER COM O NORDESTE GOIANO ISSO É PURA FALTA DE INFORMAÇÃO. 

Pertencemos a uma região de fronteira agrícola e se não sabe a nossa produção agropecuária que é o carro chefe dos agricultores da região seja ele grande ou pequeno abastece o agronegócio via Friboi. 


Precisamos nos organizar sim para receber o agronegócio e ofertando o mesmo se você participou do Seminário do Agronegócio nele foi debatido essa interação entre o agronegócio a agricultura familiar e a sustentabilidade. 


Pois o agronegócio ele condiciona o agricultor a pertencer à cadeia ou ficar fora e para não ficarmos de fora precisamos nos organizar com cooperativas. 


Se não sabe mais de 80% dos alimentos que abastecem o território chapada dos veadeiros e o sudeste do Tocantins vem de outras regiões mais uma prova que precisamos nos organizar e saber que precisamos pensar globalmente e agir localmente no sentido de não negar que o agronegócio no Brasil é algo global e não tem isso de região A ou B. 


Pense que fazemos fronteira com oeste da Bahia um dos maiores destaque na produção de Grãos e São João da Aliança que pertence ao nordeste goiano vem se destacando também na produção de grãos e etc. Existe em nossa região especulações no que desrespeito as nossas terras para produção de soja. 


O que aconteceu com o curso é que ele foi mal interpretado na sua transição de grade curricular de agropecuária para agronegócio nada que não possa ser resolvido. 


Agora não venham dizer que não temos campo temos é sim que estruturar um curso que assegure receber os avanços do agronegócio em nossa região de forma a assegurar que os nossos produtores sejam preparados e que o nosso povo seja mais preparado. 


Um exemplo foi ao recebermos a MBAC que está ligada ao agronegócio de minérios e por sua vez vimos muitos embarcar nesta viagem sem pensar nos impactos sociais e ecológicos. O nosso curso tem esta função agir antes que os outros ajam."


Eide Ana


------------------------------------------------


É muito triste ver que um blog desse dirigido por um jornalista cometa tantos erros e tamanha injustiça com determinados assuntos. Falar que o nordeste goiano não tem atividades no agronegócio é ser muito leviano e imprudente, já que a renda do município gira totalmente em torno da agropecuária, principalmente na área da pecuária de corte, o Brasil hj se consolida como maior exportador de carne bovina do mundo e o nordeste goiano tem papel importante nesse cenário. 


Acabe com a agropecuária da região e vamos ver quantos dias o comércio local vai se manter. Infelizmente o curso sofreu um golpe inesperado por acreditar na nova direção a qual excluiu o curso dentro da universidade simplesmente por não ter conhecimento nessa área do agronegócio do nordeste goiano, o diretor foi covarde com as atitudes tomadas mostrando realmente suas condutas petistas e ditadoras. 


Anônimo,



O povo brasileiro é lindo e a música é a nossa embriaguez....

https://www.facebook.com/video.php?v=578965208896378&set=vb.100003487117372&type=2&theater

                                    Assista ao vídeo

Racismo: goleiro Aranha está sendo muito firme e lúcido em suas entrevistas. Os jornalistas quiseram desconstruir a verdade




Muito lúcida a entrevista do goleiro Aranha.

A repórter sabe muito bem o motivo das vaias. Assim, ela se compactua com a torcida do grêmio, que cada vez mais se enrola nessa parada racista.... 

E todos sabem que as manifestações racistas da torcida gremista não são de hoje. 

Na boa, as vaias de ontem não foram vaias normais de futebol. Não sejamos hipócritas.  

Foram vaias pela atitude firme do goleiro contra esses racismo bobo, nojento e que deve ser combatido duramente pelo Estado brasileiro.

Os jornalistas quiseram desconstruir a verdade e minimizar a gravidade do problema. 

Tá vendo que a questão do racismo no Brasil é mais sério do que muita gente pensa?!

UEG vai extinguir o curso de Tecnologia em Agronegócio de Campos Belos


O curso superior de Tecnologia em Agronegócio da Universidade Estadual de Goiás (UEG), em Campos Belos, nordeste  do estado, vai ser extinto.

A universidade já suspendeu as inscrições de vestibulandos para o curso em seu site. 

Segundo o diretor do campus da UEG de Campos Belos, Adelino Machado,  o curso foi criado em 2011 para substituir o curso de Tecnologia em Agropecuária,  criado em 2006.  

Este foi substituído porque  não estava dentro do portifólio de cursos do Ministério da Educação (MEC).

Funcionando há três anos, o curso de  Tecnologia em Agronegócio tem hoje 83 alunos, divididos em três turmas. De Acordo com Adelino Machado, nenhum deles será prejudicado. 

"Os estudantes terminarão o curso e terão todas as garantias de conclusão e das possíveis reformulações curriculares necessárias", afirma. 

O motivo para a extinção do curso de Tecnologia em Agronegócio é de pura incoerência mesmo. 

O curso  tem o nome de “Agronegócio” (atividade de agricultura extensiva e de monocultura, como nas grandes plantações de soja e milho do oeste baiano), mas seu currículo, que está muito defasado, é voltado para a pequena agricultura e à agricultura familiar.

Semana passada estive em Campos Belos e dei uma rápida passada no I Seminário Regional do Agronegócio e aquilo me saltou aos olhos, porque os temas debatidos eram justamente aqueles da agricultura familiar e do pequeno produtor. “Pensei, há alguma incoerência nisto aqui”. 


Mas até então não sabia do grupo de trabalho da UEG já tinha decidido fechar, não apenas o curso em Campos Belos, mas também este e outros cursos “desatualizados” em outras cidades de Goiás.

De fato, a região nordeste de Goiás não tem nada haver com o agronegócio, é mais voltada para a agricultura familiar e para o pequeno produtor. 

Ademais, a UEG perdeu espaço para outros órgãos de ensino. 

O Instituto Federal Goiano, que chegou à cidade recentemente, por exemplo, já oferece o curso de Técnico em Agropecuária e, em 2018, vai implantar o curso superior (bacharelado) de Agronomia.

Em Arraias, a Universidade Federal do Tocantins oferece também dois cursos na área: “Agroecologia”  e “Educação no Campo”.

Ademais, a UEG perdeu espaço para outras universidades nessa área, assim como perdeu para a UnB  o “bonde” nas questões de pesquisa e educação nas comunidades Kalunga, na Chapada dos Veadeiros.

O professor Adelino Manchado disse que a UEG estuda uma alternativa para figurar no lugar do curso extinto. Possivelmente deverão ser criados cursos ligados à área de educação, como história e geografia. 

Polícia apreende avião com R$ 500 mil e santinhos de candidato a governador do TO Marcelo Miranda




A Polícia Civil apreendeu nesta quinta-feira (18) um avião com R$ 500 mil e milhares de panfletos políticos do candidato a governador do Tocantins Marcelo Miranda (PMDB), em uma pista de pouso de Piracanjuba, a 87 km de Goiânia. 

Também foram presas quatro pessoas, suspeitas de envolvimento com lavagem de dinheiro. 

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Rilmo Braga Cruz Júnior, um dos homens detido informou que o dinheiro seria utilizado na campanha eleitoral do político.

O candidato Marcelo Miranda disse que desconhece a apreensão do avião. "Se houve algo errado, alguém vai ter que se explicar. Eu realmente não posso falar nada mesmo porque eu não conheço essa questão até esse momento", disse.

De acordo com a polícia, um dos presos, de 38 anos, apontado pelas investigações como chefe do grupo, disse que, como Marcelo Miranda está com as contas bloqueadas devido a irregularidades em seu mandato como governador, em 2003, o candidato a governador estaria usando contas bancárias de laranjas para movimentar grandes quantias de dinheiro. 

Ainda de acordo com o suspeito, o grupo teria sacado os R$ 500 mil encontrados na aeronave e transferiram mais R$ 1 milhão para diversas outras contas.

Segundo a polícia, os agentes estavam investigando e monitorando aviões que fazem o tráfico de drogas na região. Nesta tarde, no momento em que o avião apreendido havia pousado, uma Toyota Hilux se aproximou da pista de pouso, o que chamou a atenção dos agentes, que desconfiaram que pudesse haver drogas dentro da aeronave.

Foram presos três homens, de 24, 38 e 46 anos, além do piloto, de 48 anos. No avião, além do dinheiro e dos panfletos políticos, também foram encontrados santinhos do candidato a deputado federal Carlos Henrique Gaguim (PMDB).

De acordo com a advogada do candidato a deputado federal, Stefane Cristina da Silva, Gaguim não tem envolvimento com o dinheiro e santinhos apreendidos. 

Ainda segundo ela, todo o material de campanha do candidato Carlos Gaguim é produzido no Tocantins e que todo o valor gasto em campanha está sendo declarado segundo a legislação eleitoral.

Os suspeitos vão ser indiciados pelos crimes de lavagem de dinheiro,  associação criminosa e crime contra a ordem tributária.

Fonte: G1

Comunidade Kalunga de Cavalcante ganha selo dos Correios


A Associação Filatélica e Numismática de Brasília divulgou o novo selo lançado pelos Correios em homenagem à comunidade descendente de escravos negros (quilombolas), Kalunga, ocupante de regiões rurais no nordeste goiano, especificamente em Cavalcante (GO). 

A peça será colocada em circulação no próximo dia 29 de setembro, valendo R$ 1,30. 

O selo focaliza, à direita, a Cachoeira de Santa Bárbara, ponto ecológico e turístico da região de Cavalcante, e, à esquerda, um grupo representando a comunidade Kalunga. 

O casal na ponta dança a Sussa, dança tradicional nascida nas tradições africanas. Ao meio, um homem toca viola e, ao lado, uma mulher idosa abraça uma criança. 

A cena é cercada por flores que emolduram a cachoeira e a comunidade, representando a cultura local, onde festas, cores e flores têm um papel social, de confraternização, de alegria e de conservação de tradições. 

A técnica utilizada foi computação gráfica e fotografia. 

Comunidade Kalunga teve as terras regularizadas em 2000


A Comunidade Remanescente de Quilombos de Kalunga, localizada nos municípios de Cavalcante, Monte Alegre e Teresina de Goiás, obteve a titulação de terras, em 18 de julho de 2000, emitida pela Fundação Cultural Palmares, num total de 253.191,7200 ha, é considerada a comunidade quilombola com maior extensão territorial do Brasil. 

A Certidão de autodefinição de Kalunga foi publicada no Diário Oficial da União de 19 de abril de 2005.

A origem do Quilombo está relacionada às entradas de prospecção e da atividade mineradora do início do século XVIII no nordeste do Goiás. Nessa região predominou a extração do ouro de aluvião no leito dos rios, assim como o surgimento de fazendas de criação de gado para abastecimento dos núcleos de mineração. 

Com efeito, a intensidade da atividade mineradora por todo o Goiás impulsionou a chegada de grandes contingentes de negros escravizados para o trabalho compulsório na região das minas do nordeste do estado. O povoado de Cavalcante foi fundado por Diogo Teles de Cavalcante em 1737.

O africano escravizado que tinha como destino a capitania de Goiás chegava ao Brasil por duas rotas principais, os portos da Bahia, pelo caminho do sertão ou pelos portos do Rio de Janeiro, com o recém-aberto caminho novo. 

Desde muito cedo, houve a formação de quilombos nessas travessias por escravos fugidos de outras capitanias, que percorrendo o caminho do sertão, chegavam ao Goiás.

O principal motivo para a escolha desse estado como rota de fuga era a falta de conhecimento e fiscalização por parte da Coroa portuguesa na capitania que começava a ser explorada. Os quilombos goianos começam a ser identificados somente a partir do século XVIII pelos portugueses. 

Na região onde se formou o Quilombo de Kalunga foi predominante a vinda de escravos de origem sudanesa, sobretudo os “minas”, que tinham experiência na mineração.

O negro escravizado foi elemento fundamental para a economia mineradora do Brasil, assim como por todo o Estado de Goiás, além de ser dinamizador da cultura brasileira que nascera. 

Nesse sentido, os Kalungas tiveram grande valor na construção do Município de Cavalcante. Atualmente a comunidade é formada por cerca de 600 famílias e é declarada Sítio Histórico e Patrimônio Cultural do Estado de Goiás.

Kalunga é a porta de entrada para a Chapada dos Veadeiros com imensa riqueza natural. As trilhas, cachoeiras e riachos presentes na comunidade estão entre os principais pontos turísticos da região. 

É composta por quatro núcleos principais: Vão da Contenda ou Kalunga, Vão do Moleque, Vão de Almas e Ribeirão dos Bois. Esses núcleos subdividem-se em inúmeras outras localidades formando assim a comunidade quilombola de Kalunga.

Reconhecendo a importância dos Kalungas, os Correios homenageiam os principais aspectos culturais da comunidade, bem como o Município de Cavalcante, conhecido pela sua beleza natural e importância turística.

Fonte: Correios 

Já Publicamos: 

Programa Ana Maria Braga vai a Teresina (GO) e mostra a principal riqueza do nordeste goiano: seu povo

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Celg em Campos Belos: prepare a lamparina e o mosqueteiro, porque estão chegando as noites de agonia


Por Jefferson Victor, 

Sábado, dia treze  de setembro, comecinho da noite e a luz mais uma vez acabou. Duas tentativas e mais uma vez a noite inteirinha sem energia.

Um calor sufocante,  temperatura acima dos 30 graus , ambiente perfeito para as muriçocas que atormentaram por toda noite. Na manhã seguinte  as sete e vinte a energia foi restabelecida.

Mais uma vez,  a central em Goiânia , como sempre, só dizendo que as equipes estavam procurando o defeito e que era só esperar.

E como temos esperado. Nunca tivemos um serviço de qualidade aqui em nossa região, sempre que começam as chuvas nossos problemas se intensificam, e este ano promete ser um dos piores, mesmo sem chuvas estamos tendo interrupções quase que diariamente.

Havia naquela noite uma festa de 15 anos , salão preparado, convidados chegando e quando anunciavam a entrada da debutante a luz acabou. Foi uma correria, tiveram que contratar um carro de som, e ao farol de veículos, concluíram a dança e os convidados foram se retirando sem participarem do coquetel programado, o que causou frustração e prejuízos aos organizadores do evento.

Também fui informado que havia um casamento em andamento e que toda programação também foi comprometida pelo mesmo motivo.

Há cerca de oito anos, sugeri ao MP uma ação contra a Celg, para que fosse construída uma rede de distribuição de 69 mil volts, seria uma maneira de se resolver definitivamente as interrupções que tanto prejuízo causam à nossa comunidade, tanto material como moral.

Cada ano que passa a Celg vai se deteriorando, falta de manutenção, equipamentos ultrapassados, tudo contribui para a decadência em que vivemos.

Quem puder que se previna com geradores, velas,  lampiões, mosqueteiros  e até a velha lamparina deve voltar a ser usada é uma volta ao passado, em pleno século vinte e um temos que recorrer a produtos arcaicos, fazer o que, neh? É a luta contra as noites de agonia.

Enquanto isto, milhões de reais são gastos em propaganda. A Celg tenta passar uma imagem de empresa exemplar. Além de não ter concorrência que justifique tanto comercial, a quem será que tenta enganar?

Não vejo a curto prazo uma solução para este problema, a cidade está cheia de candidatos, será que alguém já teve coragem de perguntar a eles o que têm feito para mudar este cenário?

Vamos deixar de aplaudir, vamos deixar de ser manobrados e enganados por esta classe que só lembra do povo a cada quatro anos, depois camuflam em seus gabinetes  e dão uma banana para o povo.

Concurso: Dianópolis (TO) e seu pesadelo


Por Jota Pereira, 

O prefeito de nossa querida Dianópolis (TO) fora eleito quando o processo conhecido como FARRA DAS DIÁRIAS  ainda estava em curso. Eleito e empossado ganhou foro privilegiado. De lá para cá, tudo silenciou.

Já prefeito, prometeu o concurso público para março, mas como o povo já se acostuma a essa prática política de que o prometido não se cumpre em tempo, o conturbado certame só saiu agora em setembro.

Fruto da desordem, mal gerado e mal gerido, o concurso ainda assim alimentou o desejo daqueles que sonharam com mais uma oportunidade de ingressar no mercado de trabalhar e assegurar o que muitos chamam de ESTABILIDADE. Contudo, não sabiam que a arapuca já estava armada. 

A desordem foi grotesca, faltaram provas aos candidatos, uso de celulares nas salas, infinitas provas faltando ate 15 questões, nome de candidatos que não constavam na lista, erros ortográficos e semânticos, candidatos recebendo provas ate uma hora após o início das mesmas, fiscais encurralados, candidatos sendo mandados de um colégio a outro – iam e vinham- sem respostas, falta da folha de respostas, provas com cargos que o candidato não escolheu, troca-troca de provas entre os candidatos, provas em dois turnos o que não consta no edital.

Neste cenário, alguém ai conseguiria ler e raciocinar? A tensão tomou conta dos candidatos e nervosos – com toda razão- muitos desistiram e outros tantos ao termino procuraram a delegacia onde registraram Boletim de Ocorrência (B.O), relatando o ocorrido e solicitando providencias. 

Já na segunda feira, nas primeiras horas do dia, o senhor prefeito orientado pelo seu jurídico e já prevendo perdas e um desgaste ainda maior em sua administração, baixou um decreto SUSPENDENDO o certame e nomeando uma comissão para abrir sindicância e apurar os fatos. Na terça, o MP foi procurado por vários concurseiros que se sentiram lesados. 

O MP informou que como a prefeitura já havia suspendido o concurso não haveria a necessidade do MP intervir. No entanto, com muita insistência e persistência, o promotor Dr Rodrigo recebeu copias dos BOs e se comprometeu a tomar as medidas necessárias no sentido de investigar e se possível pedir a anulação do concurso, porém, alegou falta de estruturado MP.

Ainda na terça, no período vespertino, o prefeito e seu jurídico, foram a uma radio Local tentar acalmar a população que a todo momento por telefone manifestava insatisfação e indignação diante dos fatos.

Em sua fala, o prefeito disse que irá tomar todas as providencias no sentido de apurar o ocorrido com total imparcialidade, apesar de a comissão ter apenas um vereador de oposição. Ele (o prefeito) afirmou que se comprovado qualquer irregularidades, as medidas adotadas serão duras. 

Diante dessa situação, um questionamento não pode deixar de ser feito. Duras para quem??? Para aqueles que foram lesados, enganados, ludibriados??? Ou duras para aqueles que roubaram e destruíram sonhos, transformando o concurso em um pesadelo??? Como podemos observar, o prefeito se encontra entre a cruz e a espada, ou talvez não. Tudo depende das reais intenções.
De tudo uma coisa é certa. 

Provas não faltam para a comissão investigar. Parece piada, mas as provas do concurso são as próprias provas da LAMBANÇA.

A comunidade Dianopolina e todos aqueles que viram seus castelos desmoronarem como os de areia, merecem respeito e assim esperam que nosso prefeito não adote esse pensamento do Bertolt Brecht como uma máxima a ser seguida.

“Tenho muito o que fazer. Preparo o meu próximo erro”.

Monte Alegre (GO): cansei dessa politicagem, diz leitor



"Boa tarde, 


Eu apoio o deputado Estadual José Nelto, também sou companheiro do prefeito em sua reeleição em 2016 e nessas eleições divergimos apenas em Governador e Deputado Estadual. Não entendo o porquê dessa bagunça toda em relação ao Grupo que apoia o Deputado José Nelto. 

Afirmo e tenho certeza que essa denuncia não saiu de pessoas que apoiam José Nelto e muito menos de mim, como escutei hoje por ai, como já perceberam quando vou criticar o que está errado não escondo a cara não. 

Quanto a denúncia, conheço o povo que trabalha nesse comitê e sei que são companheiros e trabalhariam até de graça, acho que o grupo esqueceu quem é a verdadeira oposição e ficam apenas atacando os companheiros de "50 votos".

Cansei dessa politicagem, deixe me trabalhar e ganhar dinheiro que ganho mais".

Felipi Campos

Filho mata a mãe e enterra o corpo em terreno baldio em Águas Lindas (GO)



A Polícia Civil encontrou nesta quarta-feira (17) o corpo de uma mulher enterrada em um terreno baldio de Águas Lindas de Goiás, no Entorno do Distrito Federal. Segundo as investigações, o próprio filho da vítima, de 22 anos, a matou e depois escondeu o corpo. 

Os agentes chegaram até a mulher depois que o suspeito foi preso e confessou o assassinato.

O rapaz foi detido na terça-feira (16) na casa onde morava com a mãe. De acordo com a delegada responsável pelo caso, Ana Cristina Hasegava, o jovem já era investigado pela polícia desde o dia do crime, ocorrido no dia 5 de agosto.
 

“Vizinhos ouviram uma briga entre a vítima e o filho e, desde então, ela nunca mais foi vista. Isso o colocou como principal suspeito”, disse ao G1. Ainda segundo ela, o rapaz morava com a mãe há apenas cinco meses. Familiares disseram que mãe e filho tinha uma relação conflituosa.

Em depoimento, o suspeito informou que discutiu com a mãe por ela questionar o fato dele usar bebidas alcoólicas e maconha. 


“Ele disse que durante a briga, a empurrou contra a parede. A vítima bateu a cabeça e caiu no chão, já desacordada, segundo relatos do suspeito. Em seguida, ele foi trabalhar normalmente e, só no dia seguinte, cavou um buraco em um terreno baldio e enterrou a mãe”, afirma Hasegava.

Ainda de acordo com a polícia, existe a suspeita de que o jovem tenha tentado abusar sexualmente da mãe, o que também teria contribuído para as discussões. Entretanto, o rapaz nega que tenha tentado estuprar a vítima.

Ele foi indiciado por homicídio e ocultação de cadáver. A delegada ainda faz investigações complementares para conseguir concluir o inquérito.


Fonte: G1

Operação da PM descobre trabalho escravo em carvoaria em São João da Aliança



Uma operação em conjunto entre o Batalhão Ambiental da Polícia MilItar (BAPM) e o Comando de Operação de Divisas (COD) na cidade de São João da Aliança, a 331 quilômetros da capital encontrou em uma fazenda, trabalhadores os quais estariam realizando trabalhando de forma escrava.

O Capitão Borba do COD informou que a operação foi realizada na última quarta-feira (17) após receber denúncia anônima. 


Equipes do Comando e do Batalhão Ambiental se encaminharam até o local onde encontraram o gerente da fazenda, identificado apenas como E...

Segundo foi informado pelo capitão, os envolvidos na operação pediram para que o gerente os levasse até a carvoaria, onde se constatou que os trabalhadores estavam trabalhando em condições análogas a trabalho escravo.

Ainda conforme o capitão, não apenas a condição de trabalho era precária, mas também o local onde os trabalhadores eram obrigados a morar - tendo que beber a mesma água que banhavam.

A situação se torna ainda mais grave, porque três dos trabalhadores pertencem a etnia Kalunga - protegida por uma lei federal e patrimônio étnico nacional - fato informado à Comissão Estadual de Direitos Humanos (CDH).

Todas as informações foram repassadas ao promotor da cidade, Marcelo Brondi, que determinou que fosse feito o flagrante do caso na comarca de Alto Paraíso-GO. 


Ainda conforme as informações divulgadas, a parte que a carvoaria se encontra foi arrendada por Edinei Gonçalves Borges, o qual não foi encontrado. Os trabalhadores e o gerente da fazenda não souberam informar o seu paradeiro.

Fonte:  Diário da Manhã

Nordeste goiano, hora do voto, hora da limpeza


Roberto Naborfazan*, 

Reta final de uma campanha eleitoral atípica, em que o cidadão comum, em sua maioria, não veste camisa, não adesiva seus veículos, mas observa, atento, quem trabalhou, quem quer trabalhar e quem quer apenas locupletar-se.
Para nós, nordestinos goianos, a atenção maior se deve a muitas decepções e algumas poucas alegrias. Em tempos de Ideb goiano subindo na escala comparativa nacional, nosso IDH continua segurando a lanterna. Na maioria dos vinte e um municípios que compõem a região, quem não é funcionário público tem dificuldades de arrumar emprego, não raro, trabalha-se por menos de um salário mínimo.

A reconstrução da GO-118 - 95% concluída - e a conclusão da GO 239 (Alto Paraíso/São Jorge/Colinas do Sul/Trevo para o Muquem) – em andamento – aumentará o fluxo de pessoas, potenciais turistas, que alavancará o desenvolvimento do ecoturismo na região da Chapada dos Veadeiros, assim como a construção da GO 447 (Monte Alegre/Prata/Vazante/ Divinópolis) – em fase inicial – que beneficiará empresários e produtores rurais de toda a região, principalmente de Campos Belos, município polo, além de interligar os visitantes da Chapada dos Veadeiros aos de São Domingos, abrigo do Parque de Terra Ronca com suas misteriosas cavernas e fauna e flora de rara beleza.

O nordeste goiano tem potencialidades naturais e um povo aguerrido, que ficam atravancados pela falta de estrutura que permita atrair grandes empresas geradoras de empregos e renda, promotores do equilíbrio socioeconômico.
O governador Marconi Perillo deu importantes passos nesse seu mandato. Não vamos falar aqui em cheques moradias, bolsas universitárias e outros programas destinados à todos os 246 municípios goianos, mas sim dos específicos para nossa região.

Autor da emenda apresentada e aprovada no Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Condel), Marconi vinculou  10% do FCO (R$ 200 milhões por ano) para os 21 municípios do nordeste do Estado e  também assegurou a isenção de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para indústrias, mineradoras e outros empreendimentos econômicos que se instalarem na região.



O programa  Rodovida Reconstrução/Construção beneficiou, além dos municípios já citados, também as comunidades de Nova Roma, Iaciara/Posse, Guarani/Posse, Iaciara/Simolândia, Buritinópolis/Mambai/Damianópolis/ Sitio D’Abadia, Flores/ Br-020. A transposição das águas do Rio Mosquito (Pouso Alto) até as casas dos moradores de Campos Belos (sessenta km) é a concretização do sonho de toda a vida daquela comunidade; A chegada da chamada água doce e o fim da água salobra.

Muito precisa ser feito, mas o governo do estado agiu nesses últimos anos.
O que nós, nordestinos goianos, precisamos nessas eleições é depurar nossos “representantes”. Chegou a hora da limpeza, vamos expulsar os caçadores de votos que só aparecem nos períodos de campanhas eleitorais. Lembrar em quem votamos na última eleição e pesquisar o que ele fez por nossa região, se nada fez, não merece nosso voto de novo.

Alguns são caras novas para nós, mas veteranos na politica ou herdeiros de veteranos. Precisamos saber quem são, como agem e o que fizeram por onde passaram. Chega de alimentarmos as urnas votando em garimpeiros que depois de bamburrarem na apuração, vão viver das benesses do cargo, beneficiando amigos e familiares.




Nossa região tem políticos tradicionais, que vivem e trabalham pelo nordeste goiano. O deputado estadual Iso Moreira (PSDB) é conhecido como “Leão do Nordeste” por sua luta contínua em defesa da região, apesar de ter estendido sua atuação para mais de cinquenta municípios estado afora, além dos 21 do nordeste. Sua atuação nos bastidores em busca de investimentos é sempre lembrada como vigorosa e ágil.

Apesar de ver desacelerada sua popularidade, o deputado Pedro Chaves (PMDB) é sempre visto como atuante em nossa região, é um politico presente e fiel ao seu estilo moderado e constante.

Vejo como promissora e grande vertente de desenvolvimento para nossa região, principalmente na área que temos mais potencialidades, a do turismo, a aproximação de prefeitos, vereadores e lideranças politicas com a deputada federal Magda Mofatto (PR). Mulher com grande visão empresarial, ex-vereadora e ex-prefeita de Caldas Novas, ex-deputada estadual, atualmente exercendo mandado de deputada federal, Magda Mofatto tem uma história de luta, perseverança e vitórias. 

Viúva aos 23 anos, alugou uma casa com quatro quartos em Caldas Novas e a transformou em um hotel para tirar seu sustento e de sua família. Este foi o alicerce para, com trabalho e determinação, a construção de hotéis de luxo, resort’s e uma série de empreendimentos que a colocam como uma das maiores empresárias do setor turístico em Goiás. 

Magda Mofatto já tem serviços prestados na Chapada dos Veadeiros, por isso tem o respaldo dos prefeitos Iran do Lago (Colinas do Sul) Álan Barbosa (Alto Paraíso) Josaquim Miranda (Teresina de Goiás) e vereadores de Cavalcante, Teresina, Monte Alegre, Campos Belos e fortes lideranças em Divinopólis e São Domingos. Tem conhecimento do setor e um excelente relacionamento com o governador Marconi Perillo e pode sim, ser uma grande aliada na atração de investimentos para nossa região.

Não parece fácil, mas se Aécio Neves ganhar a corrida rumo ao Palácio do Planalto, uma intuição me diz que um nordestino goiano de coração e adoção, José Éliton de Figuerêdo, poderá assumir o Palácio das Esmeraldas antes de 2018 (e Brasília ganhar um ministro goiano). Independente disso, José Éliton tem se mostrado hábil, trabalhador e correto nas ações para nossa região, atuando como vice-governador. Creio que será o grande politico de nossa região em pouquíssimo tempo.

O nordeste goiano não é mais o “Corredor da Miséria” massacrado nas vinganças politicas de governadores revanchistas. É pujante e tem muito a oferecer para Goiás, Brasil e Mundo, bastar que nossos gestores e legisladores voltem seus olhos e ações para nós.

Ao governador Marconi Perillo, deixo alguns pedidos e sugestões; Conclua o elefante branco que se tornou Aeródromo de Alto Paraíso, conclua o Aeródromo de Campos Belos ou pelo menos faça um terminal de passageiros, não é justo com um município polo, gerador de empregos, obrigar quem utiliza aquele aeródromo ficar sob o escaldante sol da região. 



Fortaleça o nordeste goiano com energia elétrica, sem ela, nenhuma empresa de grande porte virá, mesmo com os incentivos dados, e, não menos importante, busque os meios legais para denominar, como prometeu em setembro de 2010 no salão paroquial da Igreja Matriz de Alto Paraíso, a rodovia GO-239 de Estrada Parque Divaldo William Rinco, e ainda, aproveite que está recente a conclusão do asfalto do GO-118, no trecho Teresina de Goiás/Monte Alegre, e dê, como sugerido pelo casal de mestres e escritores campo-belense Odiva Xavier e Samuel Aureliano, o nome de Mauro Borges Teixeira a ponte sobre o Rio Paranã. 

Essa ponte foi, literalmente, o divisor de águas na vida de nossos pioneiros, possibilitando a criação, também por Mauro Borges, do Combinado Agro-urbano de Arraias, a época, município goiano e hoje tocantinense.

No campo da comunicação, governador, valorize mais os jornais do interior que realmente circulam, que chegam as mãos da comunidade, e as rádios comunitárias, são eles, verdadeiramente, que formam opinião e levam esclarecimentos aos rincões mais distantes do estado. 
O povo do nordeste goiano está trabalhando, estudando e promovendo seu desenvolvimento para atingir igualdade com as chamadas regiões ricas, com o empenho de lideranças politicas realmente comprometidas, caminharemos mais rápidos nessa jornada.

*Roberto Naborfazan, jornalista e radialista, publicado originalmente do Diário da Manhã;

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Publicidade em nosso Blog: um pedido de licença


Prezados leitores,

Como se pode perceber, aos poucos estamos inserindo algumas peças de publicidade em nosso Blog. 

E por isso, tenho a obrigação de me explicar aos senhores e senhoras. 

O Blog está no ar há pelo menos sete anos. 

Desde então, o mantivemos voluntariamente, sem qualquer vínculo financeiro, feito tão somente por idealismo e por convicção de se fazer alguma coisa para a nossa comunidade. 

Mas esta ferramenta de comunicação cresceu muito nos últimos dois anos e ultrapassou a barreira dos 100 mil acessos por mês. 

E junto com esse crescimento veio também a demanda por mais publicações e maior tempo destinado a mantê-lo. E que realmente não disponho. 

Como trabalho sozinho (euquipe), o trabalho não está sendo fácil. 

Por isso estou sendo obrigado a chamar outros profissionais da mídia para nos ajudar.  

Obviamente, temos que dar um pequeno pró-labore a esses profissionais.  Por isso, não nos restou outra opção a não ser nos socorrer com módicas receitas publicitárias. 

Por isso, venho aqui pedir a sua compreensão. 

Mas tenham a certeza de que nada no conteúdo mudará com as poucas publicidades que exibiremos em nosso canal.  

O bom de tudo isso é que também podemos colaborar com o crescimento e com a consolidação da reputação de inúmeras empresas e organizações de nossa região. 

Afinal, a internet é sem fronteiras e chega a todo canto, né.

É isso.

Prefeitura de Campos Belos inaugura nova iluminação do "Estádio Xeco"





A prefeitura de Campos Belos inaugurou, na noite desta quarta-feira (17), a nova iluminação do Estadio Municipal Xeco, uma das primeiras obras do prefeito Aurolino Santos Ninha, feita no seu primeiro mandato, em meados da década de 1980.  

A nova iluminação custou cerca de 50 mil reais, com recursos cedidos pela Agência Goiana de Esporte e Lazer (Agel), da ordem de 30 mil e o restante com recursos próprios do Executivo Local. 

Além da iluminação, o estádio passou por obras de reparos e pintura. 

A solenidade de inauguração ocorreu por volta das oito horas da noite e contou com a presença do prefeito Ninha e de vice-prefeito, o radialista Zé Cândido, que deu o passe inaugural. 

Enfrentaram-se no primeiro jogo de reinauguração, os veteranos do Campos Belos versus Renascença. 



Rádio: estivemos ontem na Voz do Brasil. Ouça



Imprudência: "Daniel" ao volante

Aplausos para Luciana Genro (PSOL). “Linha auxiliar do PT uma ova. O PT aprendeu com o senhor", disse ela a Aécio




No debate presidencial de ontem na Rede Vida, foi Aécio quem se tornou alvo, desta vez de Luciana Genro (PSOL). 

“O Aécio falando do PT é o sujo falando do mal lavado. O PSDB foi o precursor do mensalão, com seu conterrâneo Eduardo Azeredo, e com a Privataria”, disse ela, citando a denúncia do chamado “mensalão mineiro”. 

O tucano reagiu e chamou a candidata de “linha auxiliar do PT”.
 
Foi quando a conversa engrossou. 

“Linha auxiliar do PT uma ova. O PT aprendeu com o senhor. O senhor não tem proposta para debater a corrupção. O senhor é tão fanático pela corrupção que constrói aeroporto com dinheiro público para beneficiar a sua família”.

Aécio pediu direito de resposta, chamou a candidata de irresponsável e disse que o povo mineiro tinha orgulho do aeroporto. 

Assista ao Bate Boca fantástico

Dianópolis (TO): denunciamos e concurso foi suspenso por irregularidades



A Prefeitura de Dianópolis suspendeu nesta segunda-feira, 15, o concurso público para provimento de 79 vagas do quadro geral, que teve as provas aplicadas neste domingo, 14. 

De acordo com o Procurador Geral do Município, Felício Cordeiro da Silva, a medida foi adotada pelo prefeito Reges Melo, após denúncias de irregularidades na aplicação das provas.

Felício Cordeiro disse que uma Comissão foi formada para apurar as irregularidades e em 15 dias deverá apresentar ao prefeito um relatório, que servirá de base para que o gestor decida pela anulação da prova ou pela sua manutenção. 

“Não vamos cancelar o concurso, mas caso vejamos a necessidade de anular as provas, vamos relatar ao prefeito”, disse ao T1 Notícias.

Segundo relatos de candidatos do certame, o Instituto de Capacitação e Pesquisa do Tocantins (I-CAP) ofereceu provas com gabaritos xerocopiados, pessoas que haviam pago a inscrição não tiveram seus nomes entre os inscritos, algumas provas estavam com 40 questões e outras com apenas 13, questões apresentavam erros de ortografia e, ainda, pacotes com as provas sem o lacre de segurança.

O delegado de Polícia Civil de Dianópolis, Afonso José Azevedo de Lira Filho, disse ao T1 Notícias que, após a prova, cerca de 20 candidatos procuraram a delegacia para relatar as irregularidades, o que ocasionou o registro de diversos Boletins de Ocorrências conjuntos. 

“Estamos fazendo um levantamento das ocorrências e ainda nesta semana será encaminhado relatório para a Promotoria Cível do Município”, explicou.

Câmara de Vereados pede suspensão

O vereador Júnior Trindade protocolou na prefeitura de Dianópolis, na manhã desta segunda-feira, 15, por meio do Ofício n.º178, uma solicitação de providências quanto ao concurso do Quadro Geral do município.

No documento, o vereador solicita que suspenda a execução do certame, determinando o cancelamento das provas aplicadas no último domingo, 14, licitando nova empresa para realização do concurso e, para que os candidatos não sofram prejuízos maiores, tenham suas inscrições já deferidas para nova prova.

Representante da empresa I-CAP não é encontrado.

O Portal tentou contato com a empresa I-CAP nesta segunda-feira, mas o único número disponível é dado como inexistente. O Procurar de Dianópolis, Felício Cordeiro, disse que a empresa garantiu que responderá à Prefeitura nesta terça-feira, 16.

A Prefeitura emitiu nota suspendendo as provas e apresentando os membros da comissão

NOTA - Prefeitura de Dianópolis

A prefeitura de Dianópolis comunica que o concurso publico realizado no último domingo, dia 14, é de total responsabilidade da empresa ICAP (Instituto de Capacitação e Pesquisa – Tocantins), a empresa que realizou e organizou este concurso foi contratada após vencer processo licitatório e comprovar capacidade para tal.

A saber;
A prefeitura, seus funcionários, concursados ou em comissão, garantindo a lisura do concurso, não acompanha/fiscaliza o local de aplicação de provas, todo este processo é de responsabilidade da empresa contratada.

Contudo; 

O prefeito determinou a INSTAURAÇÃO DE SINDICÂNCIA para apurar todas as irregularidades denunciadas, para tanto, o decreto 067/2014 desta segunda-feira 15, SUSPENDE O CONCURSO PÚBLICO até que sejam apuradas as denuncias noticiadas. 

O mesmo decreto cria comissão responsável pela sindicância, sendo os seus titulares: o Procurador do município DRº FELICIO CORDEIRO DA SILVA, o Secretário de Administração XINOFONTE PEREIRA JÚNIOR DE MELO, vereador BILZAN RODRIGUES DE FRANÇA, e, vereador AMILTON PEREIRA DOS SANTOS.

Quaisquer informações sobre a sindicância e suspensão do concurso poderão ser obtidas diretamente com o procurador do município pelo número (63) 9215-1670.

Com informações do T1 Notícias 

Publicamos:


Provas de concurso da prefeitura de Dianópolis foi uma bagunça, diz leitor. "Espere um pouco, vamos mandar xerocar"


Monte Alegre de Goiás: professor denuncia suposto crime eleitoral


"Boa noite 

Denunciando crime eleitoral e contra o trabalhador e a Constituição.

Comitê do candidato a deputado estadual Claudio Meirelles, em Monte Alegre de Goiás, coordenado pelo filho do ex-prefeito Gilvan, conhecido NINI, onde os trabalhadores deveriam está ganhando meio salario mínimo por meio período trabalhando, tem gente ganhando 150,00 reais a 200 reais para trabalhar o dia inteiro.

São obrigados a assinar o contrato com o valor normal e não recebem o valor correto. 

É o que esta acontecendo, pode ser que até mesmo sem os candidatos saberem, eram pra contratar 30 em valores justos e amparado pela lei, e estão contratando várias pessoas por valores menores. 

Falei para que fosse investigado. Pois não concordo com o que estão fazendo, isso não é trabalho eleitoral e sim compra de voto."

JOSÉ AUGUSTO SILVA SANTOS
Professor